https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Aqui é o tempo

 
Aqui é o tempo
que me dá mais gosto.

Sinto-o
direito no rosto, na face rugosa
que amiúde sorri.

Aparece no presente perfeito,
como palavra sem adjectivo,
sujeito que a atrase ou torne bela.

O ponto final de cada frase.
Decorrer do verso, da prosa.

Aqui é o tempo que nunca permanece,
súbito,
vivo...


A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
393
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
15 pontos
3
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Briana
Publicado: 15/07/2019 14:27  Atualizado: 15/07/2019 14:27
Muito Participativo
Usuário desde: 29/05/2019
Localidade:
Mensagens: 90
 Re: Aqui é o tempo
A fruição do tempo. A dinâmica do “presente perfeito”. A claridade no rosto, sem maquilhagem nem ornamentos. A vertigem do aqui. O calafrio do imprevisto.

Posso deixar-te aqui estes versos de Al Berto?

“...
apesar de tudo
continuamos a repetir os gestos e a beber
a serenidade da seiva __ vamos pele febre
dos cedros acima __ até que tocamos o místico
arbusto estelar
e
o mistério da luz fustiga-nos os olhos
numa euforia torrencial”

Al Berto, in “Horto de Incêndio”


Obrigada


Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 30/07/2019 18:08  Atualizado: 30/07/2019 21:44
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1365
 Re: Aqui é o tempo
O atordoamento do sujeito poético em fugacidade e em palpitação da palavra à pele.


"Nada tão silencioso como o tempo
no interior do corpo. Porque ele passa
com um rumor nas pedras que nos cobrem,
e pelo sonoro desalinho de algumas árvores
que são os nossos cabelos imaginários.
Até na íris dos olhos o tempo
faz estalar faíscas de luz breve.

Só no interior sem nome do nosso corpo
ou esfera húmida de algum astro
ignoto, numa órbita apartada,
o tempo caladamente persegue
o sangue que se esvai sem som.
Entre o princípio e o fim vem corroer
as vísceras, que ocultamos como a Terra."
Fiama Hasse Pais Brandão
in Cenas Vivas

Abraço e gosto por ler.