https://www.poetris.com/
Poemas : 

Nono Sentido

 
Fecho meus olhos e parece que sinto
As fragrâncias dos lilases e absintos
Mesclados com essências orientais
Que os meus olhos pequenos e mortais
Perdem-se nesses confusos labirintos.

Meus dedos procuram, mas nunca se encontram
Por mais que eu me esforce para eles esticar.
Meu nono sentido te sonda e se confronta
Com a magia emanada na tua forma de me olhar.

Olhos nos olhos.
Boca na boca.

Perco-me em devaneios pueris com meu sorriso
De menino manso e mineiro.
Fico a lembrar dos meus dias felizes no terreiro
Da casa onde ouviu os meus primeiros vagidos...


Se beijo o pai da poesia
Ou se eu beijo a sua filha
Minha boca fica sempre a te pedir...
Mais:
Mais de ti, e de mim, e de nós...

Um pouco mais...
Nem um pouco a menos...
Levantar meus braços...
Esticar meus dedos...

Se rodeio e nesse mar eu não navego
É porque já fui Ulisses e fui Homero
Entre esfíngicos rochedos deprimidos.

Fecho meus olhos e parece que sinto
Uma mistura de pessoas vivas e abissais;
Fragrâncias lilases orientais de absintos
Que os meus olhos negros e pequeninos
Nunca viram assim tão... Iguais!




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
68
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
1
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Huntr
Publicado: 08/10/2019 10:19  Atualizado: 08/10/2019 10:19
Participativo
Usuário desde: 06/10/2019
Localidade:
Mensagens: 19
 Re: Nono Sentido
Mesmo ausente do site , sempre que possível lia seus poemas.
Como o vinho,
cada dia melhor, Gyl
Um bjo