https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

o outro

 
.....................................
-----
~~~~~~~~~~~
~~
-------------------------

és-me desconhecido
pelo limite das faces do cubo
se respiras silêncios.

implodes no centro do mar a norte
depois regressam cometas e pirilampos
despedaçam-se no areal

enquanto voos diurnos
sem asas
pelos abismos de corais subitâneos
são simétricos aos marulhares.

sim
grito quando releio palavras que não escrevi
estranhas
versos distantes
inefáveis.
o outro atinge-me. sem piedade.

I
"… e o olhar desapegado do sexo
neste corpo gasto

fixa-se impenetrável
nas mãos postas
sobre o peito da mortalha. do crepúsculo

renasce a luz madura
rente aos lábios húmidos pelo interminável beijo
se a língua cumpre promessas. assim o amor."

não quero abandonar-me. ainda.



Transversal – Ricardo Pocinho
2022

(“o outro”)








"Floriram por engano as rosas bravas
No inverno:veio o vento desfolha las..."
(Camilo Pessanha)

http://ricardopocinho.blogspot.com/
ricardopocinho@hotmail.com

 
Autor
Transversal
 
Texto
Data
Leituras
213
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
16 pontos
2
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
agniceu
Publicado: 03/07/2022 14:09  Atualizado: 03/07/2022 14:11
Da casa!
Usuário desde: 08/07/2010
Localidade:
Mensagens: 446
 Re: o outro
Belíssimo poeta do peito oceânico!

Existem poemas que nos calam e merecem se relidos … morosamente ….

E como sabe bem ouvir:

- “fixa-se impenetrável
nas mãos postas
sobre o peito da mortalha. do crepúsculo”

-“ rente aos lábios húmidos pelo interminável beijo
se a língua cumpre promessas. assim o amor."


Se me permite…

Nunca o tempo gasto, gasta o sonhador que vive em nós, nem a suas vontades de velejar nas doces águas de um Tejo ….

Na verdade, não se pode medir a audácia de uma embarcação pelo cansaço do seu casco ou pelo velho tabuado do convés, mas sim, pela coragem como enfrenta a guerrilha das ondas e procura nas constelações um novo rumo perante o caturrar do mar …

Força poeta dos azuis, existe arcos para colorir,…fontes sem nome para batizar, lágrimas felizes para destrancar …
Dentro de si, ainda mora o marujo de sempre que acredita nas ninfas daquela ilha… que não tem medo dos adamastores que engolem o vento e comem rochedos…

Força poeta do marear … faz do vento amigo e da brisa, conselheira e resgata de ti, o melhor de todos os dias…

Um abraço

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 31/07/2022 13:31  Atualizado: 31/07/2022 13:31
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade:
Mensagens: 5877
 Re: o outro
.


Sem palavras...

Belíssimo


Um abraço poeta Transversal – Ricardo Pocinho