Poemas : 

Amor Fero

 
Em linha imaginária e majestosa
A história de um amor vou escrever
De um jeito, de uma forma fabulosa
Que só o Amor Eterno pode ler.

Pois seu amor é fogo e fogo fero.
É chama de furor que queima e arde
É sol beijando o mar ao fim da tarde
Que eu finjo não querer o quanto a quero.

O seu amor tem paz de cemitério.
É ornamento antigo em catedrais.
É amor que liga pólos, hemisférios:
Madeira que renasce nas Gerais.

E o seu amor é doce e é mistério;
Sabor sagrado em sais em seu suor.
Amor que tem um pássaro evangélico
Que busca um universo bem maior.

Eu amo de tal forma e de tal jeito
Que creio que ninguém amou assim.
Amor de artesanato que foi feito
De um manuscrito escrito em Shakespeare.

Espero que este amor não tenha fim.
Eu sei que amores nunca são perfeitos.
Então o quê é isso no meu peito
Que corre rio quente dentro em mim?





Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
245
Favoritos
6
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
64 pontos
4
6
6
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 30/05/2023 16:21  Atualizado: 30/05/2023 16:21
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 10591
 Re: Amor Fero
«Pois seu amor é fogo e fogo fero.
É chama de furor que queima e arde
É sol beijando o mar ao fim da tarde
Que eu finjo não querer o quanto a quero.»

Este poema é um verdadeiro poema de amor, é perfeição e maravilha, confesso que admiro quem os escreve a preceito, depois de tanto que já se leu sobre o tema, quase impossível, não ser sempre a mesma fala.
Tudo nele é gigante comparado com outras leituras que tenho feito, está de parabéns.

meu abraço


Enviado por Tópico
Sergius Dizioli
Publicado: 30/05/2023 16:58  Atualizado: 30/05/2023 16:58
Administrador
Usuário desde: 14/08/2018
Localidade: काठमाडौं (Nepal)
Mensagens: 2226
 Re: Amor Fero
Um dos primeiros poemas com que tive contato, ainda na escola, tinha uma construção assim: não estava preso ao padrão de rimas (aabb, abab, abba).
Trazia também a inversão da ordem sujeito/predicado/objeto por diversas vezes. Levou-me a gostar de poesia.
Hoje reencontro esse grato contato com a leitura de Amor Fero. Foi como ser transportado no tempo e saborear toda aquela memória tão afetiva do que viria a ser uma paixão: a poesia.
No tema, o poema fala do puro amor sem ser piegas.
Assim quando somamos tema e construção temos um dos meus poemas favoritos, que me exige agradecer ao seu autor pela partilha. Saudações.