Poemas : 

Promessas

 
Eis a bruma
densa e turva
habitável solidão das ruas
utopia desmontada
a escorregar-me dos dedos.

Eis a sílaba
raiz prometida
silêncio incompleto
um sopro de vida a desaparecer
dentro da palavra
adiada.

Eis o gesto
acabado de nascer
estranha escuridão envolta
em fogos fátuos
um corpo a dissolver-se
fragmentos de abstrações
num chão de acasos.

 
Autor
idália
Autor
 
Texto
Data
Leituras
168
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paulo-Galvão
Publicado: 31/12/2023 17:52  Atualizado: 31/12/2023 17:52
Usuário desde: 12/12/2011
Localidade: Lagos
Mensagens: 1176
 Re: Promessas
Ola Idália,
Quando o tão pouco percebe que é tudo surge sempre um
canção! Muito bom, pata findar o Ano.
Feliz 2024
Abraço,
Paulo