Sonetos : 

NÃO TENHO PRESSA!

 
Tags:  vida    morte    pressa    ruído  
 


Pairava um fumo, avesso, na cabeça
Dos vultos que corriam pela avenida...
Distantes no seu ruído, na sua pressa,
Passando sempre ao lado do que é a vida.

Frenéticos, egoístas - não int'ressa!
É certo que avançavam para a morte...
Então que vida, assim. correndo expressa?
- Será mesmo tão curta quanto a sorte?

Ao menos, haja quem avance lento,
No passo suave de um olhar atento
E tão somente corre por medida.

Escuso-me de ser homem cinzento,
Com fumos de quem queima o nascimento
E chama a própria morte na partida!


 
Autor
AlexandreCosta
 
Texto
Data
Leituras
92
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Beatrix
Publicado: 22/06/2024 09:31  Atualizado: 22/06/2024 09:31
Super Participativo
Usuário desde: 23/05/2024
Localidade:
Mensagens: 168
 Re: NÃO TENHO PRESSA! / AlexandreCosta
-
Olá.

Um "chega pra lá" ao destino cinzento e a um fim bafiento.

Uma ode à vida.
Otimista! Bom de ler, Alexandre.

Fique bem.
Beatrix

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 22/06/2024 16:57  Atualizado: 22/06/2024 16:57
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 2088
 Re: NÃO TENHO PRESSA!
Boa escusa...
Espirito positivo, lento.
Soneto certinho.

Não é para todos.

Abraço