Poemas : 

Cacos Espelhados/Espalhados

 
Já é noite e as luzes estão apagadas,
Parece que já ninguém vive aqui,
Nesta "cidade" resguardada no centro.

A luz que emano
Não é do meu corpo humano,
Um projector por trás
De um espelho retorcido
Espelhando-me/Espalhando-me renascido
Nos cacos espelhados/espalhados de um vidro partido.

Cuidado menino
Com teus pés no chão,
Sei que és crescido,
Agarra a minha mão.

23/05/2008
 
Autor
Hugo Cabelo
 
Texto
Data
Leituras
1210
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/06/2008 18:43  Atualizado: 24/06/2008 18:43
 Re: Cacos Espelhados
Gostei desse poema que faz pensar. Dá prá imaginar o menino que ampara o adulto. Uma "cidade" interior, os cacos do espelho, sempre possíveis de se colar, refazer, reconstruir.


Enviado por Tópico
MariaSousa
Publicado: 24/06/2008 20:58  Atualizado: 24/06/2008 20:58
Membro de honra
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 4038
 Re: Cacos Espelhados/Espalhados
Um poema que não se compreende só com uma leitura. Li e reli e gostei.

Bjs