https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

zen

 
sinto uma fadiga esquelética
todas a vezes que fecho os olhos
para te contemplar,
recuso abri-los!
aguentarei nas pernas este corpo
estático
mesmo que fique pálido, doente, de tão magro
porque prefiro beber-te
e tu sugares-me o ser.
sinto
a serenidade, de cada vez
que o meu coração palpita
e a melancolia desaparece
porque partilhamos o mesmo sentimento de luz

tu és luz!

o sol que me acompanha
no tempo do tempo
e o meu corpo condenado ao castigo de viver
por te amar tanto.
houve um momento
em que me senti abandonado
quando outros visitaste primeiro
contudo
irradiada de felicidade vieste
para me levares no teu breve sono
já os meus olhos te abençoavam
e os meus braços desfaleciam...
e voavam
e voavam para ti!


Aglutinemos nossas almas, talvez possamos dar um pouco de alegria à nossa infindável tristeza.

hoje
despeço-me de ti
mas não como outras vezes
em que
com o tempo voltava
despeço-me com a certeza
de um nunca
um nunca mais visitar-te!

 
Autor
Caopoeta
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1570
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
29 pontos
21
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/06/2009 16:15  Atualizado: 04/06/2009 16:15
 Re: zen
Caro caopoeta, gostei do texto mas, parece que lhe faltam as teclas dos acentos.
Ah, e já agora permita-me corrigir o "visitas-te" para visitaste.
Realmente está muito Zen.

Cumprimentos Zen


Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 04/06/2009 16:29  Atualizado: 04/06/2009 16:29
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: zen
O poema é muito bonito, uma doce declaração de amor.
Destaco a parte final do poema.
Abraço
Vóny Ferreira


Enviado por Tópico
Alberto da fonseca
Publicado: 04/06/2009 18:36  Atualizado: 04/06/2009 18:36
Colaborador
Usuário desde: 01/12/2007
Localidade: Natural de Sacavém,residente em Les Vans sul da Ardéche França
Mensagens: 7196
 Re: zen
Românticamente excelente, esta declaração de amor.
Parabéns poeta
Abraço amigo
A. da fonseca


Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 04/06/2009 22:05  Atualizado: 04/06/2009 22:05
Colaborador
Usuário desde: 22/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: zen
Gostei da intensidade e das imagens fortes do teu poema.

Um beijo


Enviado por Tópico
joseluislopes
Publicado: 05/06/2009 13:12  Atualizado: 05/06/2009 13:12
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade:
Mensagens: 3351
 Re: zen
Certa vez um amigo disse a outro aqui no LUSO que determinada personagem era sensível.

Eu digo o seguinte:

Diz o roto ao nu: porque não te vestes tu?

Belo poema de amor, depois de te “conhecer” não fiquei surpreendido.

Um abraço amigo
JLL



Enviado por Tópico
António MR Martins
Publicado: 05/06/2009 16:08  Atualizado: 05/06/2009 16:08
Colaborador
Usuário desde: 22/09/2008
Localidade: Ansião
Mensagens: 5064
 Re: zen
Dos mais belos poemas que ultimamente li por aqui.

Gostei sobremaneira.

Abraço


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/06/2009 12:35  Atualizado: 06/06/2009 12:37
 Re: zen
O amor é sem dúvida a suprema forma de espiritualidade (e quanto mais carnal, quanto mais profano, mais sublime, mais transcendente).

(já agora, como é que ninguém ainda se tinha lembrado de destacar a canção do caetano? muito bem, CaoPoeta)

Enviado por Tópico
Histeroneurastenia
Publicado: 06/06/2009 16:22  Atualizado: 06/06/2009 16:22
Muito Participativo
Usuário desde: 04/09/2007
Localidade:
Mensagens: 77
 Re: zen
Bonito poema.
Quem tem amor, por vezes não sabe o quanto é sortudo por isso. Infelizmente há pessoas que não nasceram para estar com outras, e quem não sofre dessa infeliz realidade, nem sempre sabe dar valor ao que tem.

Felicidades.





Enviado por Tópico
MariaDeCarvalho
Publicado: 07/06/2009 07:08  Atualizado: 07/06/2009 07:08
Da casa!
Usuário desde: 11/03/2009
Localidade: Suiça
Mensagens: 421
 Re: zen
Olá Caopoeta,

Este sim , um dos melhores que li.

...e o meu corpo condenado ao castigo de viver
por te amar tanto...

Eu já devo ter escrito isto algures...
Quando me lembrar digo-te...

Beijos,
Maria