https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Sombrios : 

Prisioneira

 
Tags:  solidão    silêncio    fuga    recordação    sede  
 
Prisioneira

A solidão, afoga-me o peito
A alma tenho silenciosa e fria
Meu sangue fluí, não tem outro jeito
Nos meus lábios uma sede que arrepia.
Avanço no meu silêncio errante
Numa dor acre que me revolve o ser
Onde a fuga à felicidade é uma constante
mas ainda que perdida, necessito sobreviver!
Na sinuosa curva deste meu caminho
Agarro-me à vida e à recordação,
do passado, onde no presente me aninho.
E assim esqueço, no peito, o afogar da solidão.

rosafogo


Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira.
Johann Wolfgang Von Goethe



 
Autor
rosafogo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
597
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 31/07/2009 18:40  Atualizado: 31/07/2009 18:40
 Re: Prisioneira
Rosa,
Interessantes imagens, das quais destaco esta:
Nos meus lábios uma sede que arrepia.
Parabéns,

Beijinho

Paulo