https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de rmmcosta

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de rmmcosta

Hoje Quero Beber-te

 
HOJE QUERO BEBER-TE

Hoje vou desengaçar o nosso amor.
Não quero conferir um sabor herbáceo,
ao líquido a que darei cor,
para que tenha um longo início.

Quero pisar o fruto da nossa paixão,
aromatizá-lo em cascos de madeira,
na química orgânica da fermentação...
E esperar sentado nesta cadeira!

Deixar todo o açucar se transformar,
no álcool que teu corpo vai conter,
taninos que lentamente hei-de saborear,
quando em meu copo te verter.

Teu sabor quero perpetuar,
em garrafa especial e numerada,
para que um dia possa mostrar,
a forma como foste amada.

Apreciar a tua subtil estrutura,
prolongar o fim de boca,
na degustação mais pura,
que me afaga a garganta rouca.

Hoje quero beber-te,
para em meu sangue fluíres...

RMC
 
Hoje Quero Beber-te

SETE (o número da sorte...)

 
SETE

Sete são os dias da semana
que sonho contigo...

Sete são as maravilhas
de caminhar ao teu lado...

Sete são os beijos
que sempre guardarei para ti...

Sete são os pecados
que me inundam quando te olho...

Sete são as batidas do meu coração
quando toco os teus lábios...

Sete são os séculos
que preciso para tudo viver contigo...

Sete é impar...
Sete és tu mais eu...

RMC
 
SETE (o número da sorte...)

ENTREGUE À LUA

 
ENTREGUE À LUA

Índia, mulher nómada, sem amor...
Torturas as minhas noites carentes,
nem sempre o que escrevo tem cor,
nas noites que finges o que sentes.

Que poderias tu sentir? Amor?
Se te abraço sem te apertar,
talvez te aperte sem te abraçar,
nesta vida em que não posso amar.

Porque amar é como navegar,
à luz da lua, fugindo do sol,
aquele que ofusca, pode magoar,
e cega como a ponta de um anzol.

A lua essa, apenas nos ilumina,
nas noites escuras de morte,
não recorrendo à doce sacarina,
fechando-nos na cave de um forte.

E aqui continuo eu escrevendo,
entregue apenas à minha sorte...!
E à lua!

RMC
 
ENTREGUE À LUA

INEXISTÊNCIA

 
INEXISTÊNCIA

Perdido
na imensidão
declarada
da solidão.

Vendido
à realidade
construída
da infelicidade.

Caído
na evidência
trémula
da inexistência.

RMC
 
INEXISTÊNCIA

REVOLUÇÃO

 
REVOLUÇÃO

Liberta-me, faz em mim a tua revolução,
luta contra tudo, contra todos, contra ti,
dá o grito imenso da paixão,
vence o medo que eu já venci...

Larga as armas, despe os preconceitos,
Vagueia pelas ruas, salta, rodopia,
ri-te, chora, exolta os teus feitos,
segue quem por ti já combatia...

Dispara o teu amor...
Serei o teu alvo...

RMC
 
REVOLUÇÃO

CINCO MINUTOS

 
CINCO MINUTOS

Tantas vezes te peço cinco minutos,
que para mim o tempo relativizou,
pela forma como poucos são muitos,
para quem o teu corpo já amou...

Mas cinco minutos nem sempre meus,
pois a tua vida ainda não me acolhe,
nos recantos e lugares só teus,
para os quais evitas que eu olhe.

Se soubesses que em apenas um segundo,
fervilham volúpias infindáveis de emoções,
percebias quando te segredo no vazio profundo
que cinco minutos aceleram e param corações.

Se em cinco minutos te pudesse dar,
tudo o que o mesmo tempo pensado induz,
teria a pretensão de ponderar,
qual o objectivo que nos conduz.

Questiono-me porque te peço tão pouco,
efémera e rápida passagem da tua vida,
contudo a resposta é fácil num espírito oco,
depende da forma como a mentira é vivida.

Porque se usar a mais pura matemática,
5 minutos em 6 dias com 1 dia de descanso,
mais 1 minuto vivido de forma entusiástica,
numa vida que momentaneamente alcanço,

todas as semanas, todos os meses, implica
24 horas e que passei contigo todo um dia!

RMC
 
CINCO MINUTOS

Cerca

 
CERCA

Cerca, invisível, que me cegas,
noites, madrugadas terminadas.
Subitamente meus olhos negas;
Minhas mãos encurraladas...

Tento alcançar, passar por teus espaços,
mas elevas-te ao limite do horizonte.
Não posso continuar a seguir teus passos,
por mais ilusões que me conte...

Cerca de madeira...
Cerca derradeira...

RMC
 
Cerca

SER TEU

 
SER TEU

Ser teu...
Ser eu...

Como conseguir ser teu,
se tenho que deixar de ser eu?

Mas afinal quem sou eu,
se não for teu?

O que é realmente teu,
quando estou eu?

Se deixar de ser eu,
será que ainda quero ser teu?

...

RMC
 
SER TEU

SAUDADE DO QUE NÃO TIVE

 
SAUDADE DO QUE NÃO TIVE

São estes os difíceis, cruéis amores,
de loucura, combustão e pranto,
envoltos em arco-íris de cores,
mas descobertos em seu manto.

Que faço eu hoje aqui, Amor?
Neste espaço aberto... Mas fechado,
sem jeito, sem palavras, só dor,
acreditando no que ousei ter sonhado.

Se contigo quero estar e viver,
percorrer os caminhos imaginários,
contigo sei que estou a morrer,
sem controlar os fluxos sanguinários.

Que faço eu hoje aqui, Amor?
Sinto-me estúpido, perdido e só,
sabendo que tu estás incolor.
Animal ferido, magoado... meto dó!

Se a ti te amo e não te tenho...
Com saudade do que não tive viverei...

RMC
 
SAUDADE DO QUE NÃO TIVE

O TEU CHEIRO

 
O TEU CHEIRO

O teu cheiro transformado em sedução,
odor de planta subarbustiva, aromática,
que oscila entre o amor e a paixão,
nesta minha breve vida fleumática.

O teu cheiro intenso, tem sabor,
que se entranha no meu sangue,
bombeado pelo coração, pelo amor,
percorrendo meu corpo langue.

Assim te cheiro...
Assim te sinto!

RMC
 
O TEU CHEIRO

ESPERAR

 
ESPERAR

Vivendo a Vida,
Ontem, hoje e amanhã,
Mesmo quando fingida,
Na angustia da manhã.

Acordar sozinho,
Por sozinho me deitar,
em lençóis de linho,
frios de Amar...

Amar por Amar?
Amar por querer?
Amar por esperar
o teu Amor ter...

RMC
 
ESPERAR

SOZINHO

 
SOZINHO

Mais um fim de semana desperdiçado,
olhos postos na televisão,
revivendo o tempo que já foi passado,
temendo tudo e todos os que virão.

Mas tu inundas o meu pensamento!
Fugi de ti sem pensar.
Agora oscilo neste andamento,
a minha vida não quer avançar.

Continuo a sentir-te minha,
mas tu és a ausência sentida,
quando a fugaz vontade caminha,
nas incertezas da solidão vivida.

Telefono mas sinto o teu desligar...
Que mais posso eu fazer?
Tudo, nada... Enfim, mudar!
Tu já não representas o prazer.

Magoa essa tua indiferença,
esse teu desprezo e ódio, talvez sentidos...
Os teus rasgos de sentença,
dos momentos que não foram vividos.

Como pudeste mudar tanto...
Ou tão pouco... Não te conheço...
Por ti perdi todo o encanto...
Em mim já não me reconheço.

Fazes parte de mim, não negues...
Sim, nega por aquilo que sentes!
Deixo-te os meus sentimentos entregues,
sabendo-os pobres dementes...

Por ti ainda choro...
Por ti procuro...

Mas sem ti estou... Melhor...

RMC
 
SOZINHO

APENAS O TEU NOME...

 
APENAS O TEU NOME

Enlouqueço neste som
do qual não conheço o tom

Fruto da ausência
que se afigura como tendência

Nesta vida morta
de desejos vagueando torta

Sem qualquer direcção
contudo plena de noção

Na dor indesejada
que já se torna amada

Por ser a companheira
na hora tornada derradeira

Volta por favor
deixa florescer o amor

Este contido em mim
só agora sei ao que vim

Sei... Não sei, desconheço
nada sinto que mereço

Mas todos merecemos
a estupidez que colhemos

Dos ramos tortos
Nas curvas apertadas dos portos

Onde me abrigo
a sonhar, simplesmente contigo

No deleite, bebido
do teu vinho vertido

No decante respirado
do cheiro que foi amado

Sentido enganador
que palpita imenso de calor

Temperatura, caricatura
do homem tornado escultura

Inanimado, ao teu lado
medo nunca partilhado

De falhar ao falar
de não falar como o mar

Que todos escutam
com olhares que exultam

As ondas de espuma
das quais quero guardar só uma

Aquela ali que rebenta
no mergulho que me tenta

Na dinâmica fluida que me envolve
quando sua força se resolve

E que, por fim, me salva
afogando-me na mesma valsa

Fujo, não tenho pé
e já voando na tua maré

Procuro a minha âncora
quero ficar a ondular no mar que perdura

Sob as minhas asas
pairando sobre as brasas

Tuas, minhas...
dando-te o mundo que já tinhas

Nada mais te posso dar
apenas te quero amar

Vem, corre para os meus braços
vamos sufocar nos abraços

Esperados, contidos
nos momentos vividos

Escondidos no segredo
que se tornou enredo

Das mais belas histórias
outros heróis procurando vitórias

Lutando contra fantasmas
dragões saídos de plasmas

Noites sozinhas...
...
...
...
Dizendo apenas o teu nome...
...
...
...

RMC
 
APENAS O TEU NOME...

ESPUMA

 
ESPUMA

Mais um dia sozinho,
falando comigo,
num copo de vinho,
sonhando contigo.

Pensando na Vida,
que não vivo mas idealizo,
numa esperança perdida,
manifestada num sorriso.

Que posso eu fazer,
depois do que fiz,
que posso eu ter
depois do que desfiz.

Mudei no Amor
que me mudou.
Apenas alterei a dor
que me alterou.

Voltar atrás, reviver,
repisar a frustração,
o que não consegui manter
por uma vaga paixão.

Destrui, sem ter ponderado,
mas a pensar edificar,
tudo o que vinha sentindo,
nas ondas do mar.

Maré alta, maré baixa,
espuma que se dissipa...

RMC
 
ESPUMA

ESPAÇO

 
ESPAÇO

Pedes que te dê mais espaço, sentes-te sufocada,
mas como posso eu corresponder ao teu pedido?
Se te sinto mais distante tudo parece derrocada,
se te sinto mais próxima tudo parece fingido...

Como é que não percebes que este meu aperto,
este forte abraço contínuo e que te tenta envolver,
não é mais do que a necessidade de dar certo,
tudo aquilo que já não controlo e forço ter.

Se olhares bem à tua volta, creio que perceberás,
que o meu sufoco não é só meu, saí também de ti,
pela forma como me tratas, como falas, como estás,
pelo amor, o que espero, mas que ainda não senti.

Sei que te pressiono, que faço planos, que sonho...
Nitidamente o faço, é o que quero que a vida me dê,
por isso, nas tuas costas, toda esta carga deponho.

A carga da minha felicidade, leve nas minhas mãos,
torna-se insuportável quando envolve o teu corpo,
e, repetidamente, torna os momentos contigo vãos...

RMC
 
ESPAÇO

REMAR

 
REMAR

Quero viver a vida como se fosse o mar,
sentir-me a navegar, sobre as ondas,
aproveitar os salpicos que esvoaçam no ar,
acariciar os peixes que fazem as rondas.

Deleitar-me na proa do meu barco alado,
que construí nos meus sonhos diurnos,
navegando nas fantasias que temos falado,
içando, ao vento, as velas por turnos.

Barco sem motor, onde vamos?
Não sei remar...
Fico à deriva...

RMC
 
REMAR

SINTO-TE...

 
SINTO-TE

Sinto-te dentro de mim,
Quero expulsar-te das minhas entranhas!

Corróis-me, destroças-me,
Percorres e entopes as minhas artérias.

Porque me persegues,
Neste sentimento imenso mas não real?

Não me olhas, não me escutas,
Mas mesmo assim sinto que és minha...

NÃO QUERO... Não por favor,
Não posso voltar a iludir-me na Vida.

Saí.. Como é possível?
Nada sentes por mim e remexes o meu ser!

Tudo sinto por ti,
Amor, ódio, ciúme e nada posso esperar.

Assim encerro-te neste poema,
Ficas para sempre fechada nele!

RMC
 
SINTO-TE...

MULHER LOUCURA

 
MULHER LOUCURA

Se de mim me afasto, fujo,
aproximo-me de ti, mulher loucura,
se a mim me limpo e contigo sujo,
o momento não revela a minha alma.

Da sujidão, medo não demonstro,
o mesmo não digo do coração,
aquele que bate como um monstro,
e depois me pede remissão.

Tu que me roubaste, num dia bebido,
devolve-me, por favor, intacto,
a este mundo, de onde ando perdido,
à vida que me acorda como um cacto.

As cicatrizes que ficarão, mulher loucura,
não se comparam ao que contigo vivi,
será que o tempo tudo cura,
ou apenas agoniza o que sinto por ti?

Presunção a minha, de homem, talvez,
condição de querer e não poder,
vontade de existir sempre a próxima vez,
irracional pensar que não me vou perder.

Mas como me perco se não me tenho?
Como te amo se dentro de mim não vivo?

RMC
 
MULHER LOUCURA

SER EU

 
SER EU

Beber
ansiando esquecer.
Viver
esperando morrer.

Morrer
para renascer.
Reviver
ambicionando ter.

Ter
o que me faz viver.
Querer
também ser...

Ser apenas EU!

RMC
 
SER EU

A MINHA AGENDA

 
A MINHA AGENDA

Estou aqui a olhar o nada, isolado, a pensar na vida,
percorro-te em todos os números da minha agenda,
procuro, com ânsia, alguém que me inunde de vida.
Pois só regresso se tiveres legenda...
Pois só regresso se tirares a venda...

Fico!

RMC
 
A MINHA AGENDA