Poemas, frases e mensagens de SoniaNogueira

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de SoniaNogueira

Membro efetivo de quatro academias, e três correspondente no Rio, Valparíso Chile, e Búzios. Agraciada com sete troféus: Comenda Castro Alces, Drummond de Andrade, Cecília Meireles, dois Destaques Ewpeciais, ADB 70 Anos, Diamonds Alemnaha. 6 livros, 50 an

*GOTA A GOTA

 
*GOTA A GOTA
 
*Gota a Gota

De ti recordo quando a tarde cai,
qual onda açoitando forte ventania,
e nela me debruço ao som do dia,
enquanto dobra o pino sonho vai.

Talvez atordoada em tal dilema
num sábado, olhares se postulam,
apressadas pupilas se procuram,
para assim decifrar o teorema!

A gota veio entrando devagar,
se instala muda em cada poro meu,
quase indefesa cai no meu pensar.

Não viu abismo sequer, só apogeu
por rude tirania do encanto teu,
Gota a gota rugiu, desfaleceu.

Sonia Nogueira
 
*GOTA A GOTA

*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA

 
*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA
 
*A Importância do Livro na Escola*

A arte de ler é adquirida pelo hábito da leitura. Na maioria das vezes precisa de incentivo dos pais e professores. Mas essa menina lia desde a mais tenra idade, logo que ela foi alfabetizada, sem nenhum incentivo, apenas pela vontade de ter conhecimento de outros mundos, outras histórias.

Tinha uma amiga, na escola, a Aninha, que não gostava de estudar, o tênis para ela era a força maior que dominava seu pensamento. Conversava sempre com ela sobre a importância do estudo, da leitura de livros, da escola.

- Para que estudar amiga, eu vou me dedicar ao jogo e vou ganhar muito dinheiro.
-Jogo e estudo combinam muito bem, cara amiga. Caso nada der certo sua vida será um fracasso sem o estudo. Aninha fez uma prova para entrar no time e não passou. Chorou e através do fracasso sentiu a necessidade de adotar os livros como seus melhores companheiros. Nunca mais faltou a escola.

A sua escola era muito pobre e a leitura apenas as do livro didático. Certo dia o pensamento viajou nas áreas da imaginação e as alunas resolveram fazer a campanha do livro para a escola. Saíram pedindo livros nas casas, nas livrarias e formaram uma humilde biblioteca escolar.

Aos sábados, se reuniam para fazer leitura, interpretar os textos e convidar uma aluna da oitava série para avaliar e dar prêmios as melhores leitoras.

-Quais prêmios, e quem se prontificaria na grandiosa atitude de doar livros? A Lili recebeu uma luz, assim como esto de mentes pensantes, que através do raciocino lógico adquire soluções para uma boa causa. Pelo sorriso anunciou a solução. Cada aluna trará de casa um brinde: lápis, borracha, caderno, caneta, um livrinho de cordel, custa um real na feira.

Tudo combinado e tiveram uma grande surpresa. Todos trouxerem o livrinho de cordel. Então outra ideia maravilhosa. Leram o cordel e cada uma se prontificou criar uma trova. A ação se frutificou, a turma cresceu, de cinco para quinze. As professoras formaram uma gincana para os melhores leitores da escola com a criação de versos falando sobre a importância do livro na Escola.

Então elas sentiram que a escola é a segunda casa e os livros a fonte inesgotável do saber. Sem eles a escola não caminha e a cultura de um país estaciona, o progresso para a vida se deteriora.

A Importância do Livro Para a Escola

Escola sem livros é pobre
O aluno custa a aprender
O livro é um ouro nobre
Ajuda você a crescer...

O livro é a melhor arma
Atira só letra e cultura
Faz da escola um carma
Para uma paz futura.

A escola que tem livros
Incentiva a boa leitura
Os olhos são como crivos
A mente borda a brandura.

O livro é ouro em papel
A escola é prata e luz
Ambos são bolsa e farnel
Que na vida nos conduz
.
Sem livros e sem escola
O mundo não tem cultura
É como cego que implora
A luz que vem da altura.

SoniaNogueira
 
*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA

*NATAL 2014

 
*NATAL 2014
 
*Natal 2014

Mais uma noite se aproxima, e olhares atentos se unem para admirar o Jesus Menino na manjedoura, tão indefeso quanto à vida.

Nasceu de uma jovem mulher, que enfrentou a maldade humana, a incompreensão dos hereges, a força e rejeição dos poderosos, a escravidão dos humildas.

De passagem ao planeta Terra, o Menino veio com a missão de ensinar: a fraternidade, a justiça, o perdão, o amor. Assim nasceu o cristianismo, após enfrentar a cruz aos 33 anos. Então Jesus delegou aos apóstolos e seus seguidores, a missão de divulgar e expandir a história da crença em um Deus único.

Em cada Natal, os cristãos revivem a história. A esperança nasce, e um fio de luz acende no coração, com o desejo de mudanças, embora a rudeza da maldade, a dor dos infortunados permaneça no coração de alguns infiéis.

Uma jovem ao lado da lapinha contempla a imagem de Maria, a mãe de Jesus, com olhar de contentamento e proteção ao recém-nascido. O quadro lembra a saudade da mãe que se foi, e a lágrima desprende, cai sobre o rosário, e banha a dor oculta, que nunca apaga.
A história se repete a cada ano.

Ainda que os festejos induzam a grandes comemorações, com presentes e banquetes, as famílias se reúnem para o abraço, com a garantia de perpetuar a história do cristianismo.

Feliz Natal a todos os leitores.

Sonia Nogueira
 
*NATAL 2014

*AM0R

 
*AM0R
 
*AMOR

É como o beijo suave do beija-flor
Sugando a vida sob meu olhar pasmo,
Nas manhãs, no jardim mel e condor
Roubando o néctar pouso e espasmo.

Amo-te aqui, além no plano oculto,
Da inconsciência dos meus quereres,
Como sombra firmada no teu vulto,
Nas palavras domadas dos saberes.
Amo-te como o sol na quietude,

Tocando nas marés em sintonia,
Teclando cada raio, rito em amplitude,
Quedando o sonhar que me irradia.

Amo-te sem causa sem rosto findo,
Mas, te amo assim sempre infinito.

Sonia Nogueira
 
*AM0R

*O VENTO*

 
*O VENTO*
 
*O Vento*

O vento que soprou distante
Chegou numa languidez suave
Trazendo na vertente avante
Mordaz saudade em conclave......

As notas trepidaram ausentes
Nenhum clarão servil, embalde,
Para regar a terra em presentes
Da palavra que voou na tarde..

Entrei sem permissão na casa
Silêncio e solidão rosnaram
Só o perfume e palavra rara...

Sentei na almofada vi a mão
Que dedilhava numa contramão
Canções suaves que encantaram.

SoniaNogueira

São simples aparências, nada mais,
A voz que sussurrante me chamava,
A ausência de teus olhos sensuais
O frio toma a casa, afasta a lava.

O vento me responde: nunca mais,
Silêncio corta a noite, quem amava
Agora tão distante diz jamais.
O velho coração, a firme trava.

Vagando pela sala, sem respostas,
As velhas esperanças decompostas
Expostas ilusões férrea saudade.

No quanto fui feliz e não podia,
A noite se prepara e mata o dia,
Aonde encontrarei felicidade?

Marcos Loures
Médico mineiro e granme sonetista
 
*O VENTO*

*ESTAMOS AQUI, 2015

 
*ESTAMOS AQUI,  2015
 
*Estamos Aqui,2015

Com o coração carregado de emoção
Levando saudade do que fez alegria,
Deletando o que feriu o coração,
Agradecendo a Deus pela ousadia,

De vivermos num mundo tão desigual,
Permanecermos fiéis aos seus desígnios,
Aceitarmos as diferenças do mundo atual,
Em cultivar dos sonhos os delírios.

A dor passeou feroz em voos alados,
Visitou hospitais, destruiu lares,
Ouviu o grito dos desafortunados,
Viu o choro dos que não tem lares.

Mas assistiu a coragem desses heróis,
Que velejaram o barco ao sabor do vento,
E riram da dor, que sem pena corrói,
Cativos da caminhada viram o assento,

Na primeira fila dos dois mil e quinze,
A esperança abraçada com a coragem,
Para enfrentar mais um ano com requinte,
Sem dinheiro no bolso, sem bagagem.

São esses os heróis da nossa história,
Sem troféus, sem medalhas, sem louvor,
E guardam apenas na memória,
Mais um ano que a ponte não quebrou.

Batem palmas, sorriem, beijam, abraçam,
Com a mesmo emoção dos afortunados,
Gratos à vida, e na lágrima disfarçam,
Com fogos de artifícios e gritos abafados.

Sonia Nogueira

Feliz 2015, a todos os lusos poetas e leitores.
 
*ESTAMOS AQUI,  2015

*DIA DO NACIONAL DO POETA

 
*DIA DO NACIONAL DO POETA
 
Sonia Nogueira[/color

*Dia Nacional do Poeta
20 de outubro

*Somos Poeta

Vemos poemas no encanto de amar
Desvelo da alma que o sonho agita
Sem num momento sequer abdicar
Do penar, e do eu que o conflita.

Cada palavra revelando a emoção,
Muitas vezes dividida com o leitor,
O mesmo sonhar, o mesmo coração,
No silêncio disfarçado qual ator.

Os estilos viajaram em cada época,
O lirismo sucumbiu no modernismo,
Como fênix renasceu, firmou estética,
Nas mãos dos clássicos, no modismo.

Nas páginas dos sites, blogs, livros,
Registra o poeta angústias, devaneios.
Em versos peneirados, crivos, ritos,
Driblando na jornada seus anseios.

Sonia Nogueira
 
*DIA DO NACIONAL DO POETA

*MEUS ÊXTASES

 
*MEUS ÊXTASES
 
Tela minha

*Meus Êxtases

Olhando o firmamento sou pequena,
Tão pequenina, que não me demito,
Ao admirar sublime criação e fito,
Estrelas em bilhões na grande arena.

Toureira sem ter força e bem domada,
Apenas soletrando a imensidão.
Pobre de mim sem argumentação,
Sorrir e sonha, e sonha acordada.

Encontro o luar encanto que seduz,
Recebe do amado sol a claridade,
E vive tão somente, assim, embalde.

Olhando amores, promessa e poesia
Nas madrugadas, sol quando irradia,
Nada reclama, ó sinhô, amor eu pus.

Sonia Nogueira

Meus Êxtases

Olhando nos teus olhos francamente
No amor que nos domina e se irradia
Tomando com certeza todo o dia
Aonde toda a sorte se apresente

Vivendo a cada instante intensamente
Escuto a delicada melodia
Aonde uma alma sonha e se sacia
Tomando sem limites corpo e mente.

O todo se transforma em plenitude
Paixão já se tornando em obsessão
Sabendo dos momentos que virão

E neles renovando a juventude,
Além do que pudesse ou mais que pude,
Traçando em pleno sol, renovação.

Marcos Loures
Médico Mineiro e grande sonetista
 
*MEUS ÊXTASES

*NATAL TEMPO DE AGRADECER

 
*NATAL TEMPO DE AGRADECER
 
Natal -Tempo de Agradecer

Todas as luzes brilham no altar
Esperança e renovação que conduz
Em agradecer mais um ano e cantar
Por mais um ano credo em ti, Jesus
Parabéns ao aniversario de Jesus.

Pela gloriosa façanha universal
Vamos unidos com a mesma fé
Cantar louvores de modo verbal
Na mesma oração fiquemos de pé.

Jesus menino em nome do Pai
Ouvi nosso pedido de perdão,
Dos males menores alcançai
A força que nos leve a união.

Não nos deixais cair na maldade
Livrai-nos de tudo que em consumo
Perca a razão, a direção, insanidade,
Na vida que nunca perca o prumo..

Cobre com teu manto de luzeiro
As crianças desgarradas, indefesas,
Sem leito, sem teto, sem direito,
Qual sina destinada à torpeza.

Agradeço também pelo meu lar,
Meus pais, irmãos, o pão na mesa,
A escola que educa, o teu luar,
A vida que me deste, a natureza.

Pelos meus olhos que são perfeitos,
Meus membros que me guiam a ti,
Trabalho, saúde, as lições, o respeito,
Louvo-te mesmo que não Te veja aqui.

Louvemos mais um aniversário
Que a história nunca apague
As luzes brilhem no santuário
O amor e paz o mundo carregue.

***
Feliz Natal a todos deste Recanto

Sonia Nogueira
 
*NATAL TEMPO DE AGRADECER

*O ETERNO*

 
" rel="nofollow">http://sobretudofilmes.files.wordpres ... er-poster01.jpg">

*O Eterno*

Está em cada momento que vivemos
Nas teclas que ecoa o som da canção
Num minuto de olhar eternizamos
Inspiração da retina em combustão

Procurei na paisagem vi o arvoredo
Na óptica o vácuo num infinito
No limite a imensidão do degredo
No azul do espaço, ocultismo do grito

Como eterno dos sonhos revi o amor
Anseio do corpo para imortalidade
Como se fosse uno o clarão refletor
Entre dois seres além eternidade

Na palavra escrita sobre a areia
Até ser tragada na onda do mar
Está o eterno da espera a sereia
Esperando do amado seu olhar

A paz que no mundo faz estampa
Fazendo da arma seu estandarte
No corpo o bordado leva a campa
O coração necessita de baluarte

O eterno é cada hora com cautela
Como se fosse sol a terra doirando
A gota da água beijando a janela
O sonho sem miragem deslizando

Façamos do tempo nossa moradia
Como o luar que descortina a luz
No ciclo da vida a água é valia
A alma se eterniza na contraluz

Sonia Nogueira *sogueira*

Este poema foi o primeiro colocado
no III Concurso Poesiarte, Cabo Frio
Rio de Janeiro

http://antologiapoesiarte.blogspot.com/
 
*O ETERNO*

*ESSE TEU JEITO

 
*ESSE TEU JEITO
 
*Esse Teu Jeito

Esse teu jeito firme
De alcançar meu coração
A palavra bem define
Guardarei com emoção.

Esse feito de querer-me
E os obstáculos vencendo
Derrubou-me fez querer-te
Vassala me envolvendo.

Esse jeito que escrevias
Mesmo na longa distância
Foi torturas e alegrias
Foi momentos de bonanças.

Foi na escrita com jeito
Que o sonho se envolvia
E caiu sem nuvens, sem jeito
Na mesma palavra vazia.

Sonia Nogueira
 
*ESSE TEU JEITO

*NO NATAL

 
*NO NATAL
 
*No Natal

A estela viajava lenta
Os magos atentos à chegada.
Era tanto silêncio, e beleza,
Que a gruta quieta a chamada,

Acolhia os seres inquietos
Com olhar brilhante, sopro quente,
Servia de cobertor, de aconchego,
Nas palhas macias pertinentes.

A mãe sorria para o menino,
José cabisbaixo contemplava,
Os magos com presentes tremiam,
O mundo inocente ignorava:

Que o rei acabara de nascer
Para unir as nações, ensinar
O perdão, a fé, a igualdade,
A cada pessoa, em cada pensar,

Em cada ano, em cada momento
Em qualquer lugar, e na dor
Emergir do abismo iminente,
Para crer em Deus, o Salvador.

Sonia Nogueira
 
*NO NATAL

*DIA DO ESCRITOR

 
*DIA DO ESCRITOR
 
*Dia do Escritor-
25 de julho

Escrever é arte, é magia do pensar
Prosa e poesia, faz da arte moradia,
O tema é critério de quem ousar,
Ritmado ou de livre sintonia.

A palavra é vulcão convincente
Derrama a lavra quente e silencia,
Confronto de olhares em dialética
Entre o eu, e o outro em anistia.

Mas há quem de tal faça estroinice
Liberta a emoção atinge os mares,
Como a palavra é livre em arteirice
Viaja, tem domínio em seus pensares:

Estende em cada espaço seu encanto,
Talento e faro haverá de encontrar,
Nas mãos que do lirismo faz espanto,
Na poesia, desbravando outro luar.

Escreve o jornalista faz à crônica,
Avança o conto, aflora o repentista,
A vida continua assim biônica,
Levando no romance a voz altista.

Ensaios trazem o esboço literário,
Nos trovadores o canto ecoando,
A rima não morreu se fez plenário,
Discursos na palavra é comando.

Escreva eu, você o que lhe apraz,
Faz bem, aclama, acalma o sicrano
Que seja a palavra de canto e paz,
Pra todos há espaço, disso me ufano.

Parabéns a todos os poetas
 
*DIA DO ESCRITOR

*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER
 
*Dia Internacional da Mulher
08 de março

Quando em ti vejo mulher
A mãe rezando em um altar
Lembro a mãe santa de Jesus
A contemplar, seu filho, a chorar.

Uma roga pela saúde do filho
Que a divina providência cure,
A outra pela cruz que fez a dor
Ambas que o sofrimento não dure.

São duas mães e a mesma lágrima
E sentem a mesma amargura
No mesmo ventre que a vida gera
Com a mesma emoção e ternura.

Que força suprema recebe a mulher
Para missão de o mundo povoar,
Educar e proteger, doar o amor,
Ensinar a fé dá exemplo, abençoar...

O mundo cresceu, a mulher subiu,
Fez da profissão sua liberdade
E na dupla jornada nunca recuou
De ser a mulher-mãe dualidade.

Todos os dias é dia de mulher
Mas hoje neste dia especial
O grito da igualdade ecoou
A mulher conquistou seu pedestal.

Parabéns benditas mulheres!
 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

*DIPLOMAS

 
*DIPLOMAS
 
*Recebi sete Diplomas enviado pelo escritor chileno Alfred Asís, por participar de Mil Obras a

-Mil Òscar Alfaro,

-Mil Poemas a José Martí,

-Mil Poemas a Miguel Harnández,

-Mil Poemas a Pablo Neruda,

-Mil Poemas a Sor Teresa de Calcuta,

-Mil Poemas a César Vallejo,

-Homenaje a Vinícius de Moraes.

Sonia Nogueira
 
*DIPLOMAS

*COMENDA LUIS VAZ DE CAMÕES

 
*COMENDA LUIS VAZ DE CAMÕES
 
*Comenda Luis Vaz de Camões

Entrega da Comenda Luiz Vaz de Camões do Núcleo de Letras e Artes de Lisboa no Gabinete Português de Literatura, Salvador, com ilustres representantes: Brasil, com a Literarte e escritores selecionados, pela Presidente Izabelle Valladares; Portugal, pelo Presidente do Núcleo de Letras e Artes de Lisboa Samuel Pimenta, comemorando oito séculos e, Angola representado pelo Embaixador, Marcos Assumpção encantou a solenidade com sua agradável voz, simpatia e beleza, 09/08/2014.

Sonia Nogueira
 
*COMENDA LUIS VAZ DE CAMÕES

*DIA DAS MÃES

 
*DIA DAS MÃES
 
*Dia das Mães

Sem tê-la comigo nesta data
Foi a pior das desventuras,
Nunca vi o teu sorriso exato
Mem na foto, esta ventura.

Mas sei do teu amor por mim,
cinco rebentos masculinos,
na sexta ordem vem por fim
a menina de cachos finos.

A saudade morou comigo
Dias, e noites, noites e dias,
sem nunca entender o porquê,
de ausências repentinas.

O olhar pousava, indagava,
Aonde encontrar uma diva
Que nas noites contemplava,
A filha que tanto cativa.

É sublime contigo sonhar
Mãe breve, que a vida roubou,
Contento-me em recordar,
As lembranças que sobrou.

Em cada poema uma saudade,
Em cada verso vem cobrança,
Em cada vida em brevidade
Recordo de ti, mãe, lembrança.

Sonia Nogueira
 
*DIA DAS MÃES

*NATAL, UM QUADRO VIVO

 
*NATAL, UM QUADRO VIVO
 
*Natal, um Quadro Vivo

Uma sena inusitada. Embaixo da árvore, na praça, o olhar fixou a sena por alguns minutos. Um senhor esquelético, só osso. A carne parecia que não existia sob a pele queimada. Varria o local. Tudo arrumadinho. Uma caixa, talvez contendo míseros mantimentos adquiridos com as moedas extraídas dos passantes, algumas molambos encardidos, uma criança com rosto sujo, uma mulher sorridente, um cachorro.

A mulher sorridente, sim! Nunca vi mulher sorrir na miséria! Mulheres atiradas ao destino têm rosto áspero, olhar de ódio faiscando á uma simples palavra de desagrado. Mas vi-a sorrindo quando lhe atiraram uma cédula, eu não sei a quantia, seria talvez uma quantia nunca recebida e daria para uma noite de natal, uma só noite, que valia por uma noite apenas, mas valia. Amanhã o mesmo ódio se instalaria no rosto desengano com a vida.

Somente o cachorro criara carne e estava roliço. Na praça, os restos de comidas jogados ao chão era banquete de qualidade para um vira lata, pequenino ainda.
Quase dez horas da noite, perigo iminente em qualquer praça, mesmo em bairro residencial. Ao redor casas iluminadas, cadeiras nos jardins, entram e saem amigos. Clima de festa.
A sobrinha desceu para pegar iguarias encomendadas, na confeiteira. O olhar deu um giro ao redor. Na quadra, se havia quadra de jogos, estava mal conservada; um carrinho de pipoqueiro, guarnecido por cadeado; rede elástica, onde crianças pulavam, aguardando o próximo desafio.

Observei uma lapinha artificial, na casa em frente, com luzes ofuscando, presentes caros, bolinhas coloridas imagens de santos e animais adorando o Jesus Menino.
Fixei o olhar na sena ao lado: uma lona velha cobria a pequena árvore contra o sereno da noite. O cachorro deitado olhando atento para sua dona, a criança, dormindo em molambos à luz de lamparina, luz que apaga as trevas, a fumaça para espantar mosquitos era como incenso ofertado ao Jesus Menino.

Mas estava lá, a lapinha, no desejo oculto, sem poder ou sofisticação. Foi aí, neste recurso natural, que vi por instinto, para não apagar e perpetuar a história, uma lapinha natural. Os pais sentados no chão, guardiões da filha, um cachorro, uma lamparina para espantar as trevas. Uma família á margem da sociedade sem o colorido artificial dos festejos..
Pintei na mente, uma lapinha, era um quadro vivo no Natal.

Feliz Natal a todos.

Sonia Nogueira
 
*NATAL, UM QUADRO VIVO

** O ABRAÇO**

 
** O ABRAÇO**
 
**O Abraço**

São dois braços que se enroscam
Dois corações falando baixinho, sós
Duas pontas pendentes que soltam
Desfazem os laços desarrumam os nós

Laços de amor que sejam eternos
De amigos que sigam sem fronteiras
De saudades nunca sejas pequenos
Quando verdadeiros sem barreiras

Para que as pontas pendentes livres
Não desenrolem sobre à ventania
Nem se desfaçam, conservem os matizes
Colorindo o espiral envolto em magia

Do abraço que protege, abro o sorriso
Oferto meu abraço ao teu conciso

.Espero que tu tenhas um bom dia
Assim como um bom dia também quero.
Que seja um dia pleno de alegria
Assim como o meu, também, espero...

Que a vida te sorria e não deboche,
Que os rios que percorres sejam mansos.
Amor não seja só um simples broche
Que teu barco aporte nos remansos...

Que nada mais te traga sofrimento
E a vida te inundando de esperanças.
Que o fogo da saudade e do tormento
Não trague tua vida nas lembranças...

Que o sol que te sorria não te queime.
Persevere no amor. Ah! Nisso teime!

SOGUEIRA
MARCOS LOURES
 
** O ABRAÇO**

*DIA DE SANTO ANTÔNIO

 
*DIA DE SANTO ANTÔNIO
 
*Dia de Santo Antônio
13 de junho

Fernando de Bulhões seu nome
Santo português casamenteiro
Santo Antônio é seu cognome
Em Lisboa aos 15 no mosteiro

Da teologia foi grande professor
No discurso sermões e orações
Na Bolonha e Toulouse orador
Brasil e Portugal das orações

Criaram o mito casamenteiro
Das donzelas em gerações
Promessas ao santo festeiro
Pedindo marido em orações

Vem a faca firme na bananeira
Na clara do ovo o véu o altar
O nome do amor escrito a granel
Num papel para o noivo achar

Roubar do santo o seu menino
Na troca o marido vem pra cá
Se meu santinho for bonzinho
Devolve o filhote no santo altar

Os mitos vão seguindo avante
De uma geração a outra geração
No sertão o pau tocado é gigante
Até uma lasca resolve a questão

Santo Antônio lá do alto afinal
Deve sorrir do mito criado
Mas se a fé for forte e leal
Deve enviar um marmanjo aval

SoniaNogueira
 
*DIA DE SANTO ANTÔNIO

Livros Publicados:
- Por Justa Causa - contos
- Nas Entrelinhas (200 sonetos)
- A Pequena May
-Datas Comemorativas em Poesias
-Eu Poesia, Contos e Crônicas
-No Reino de Sininho, infantil
- A janela Azul
- Contação de História Infantil
-Silênci...