https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de SoniaNogueira

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de SoniaNogueira

Membro efetivo de quatro academias, e três correspondente no Rio, Valparíso Chile, e Búzios. Agraciada com treze troféus: Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Pedro Aleixo, Drumond Ouro, Machado de Assi, dois Destaques Ewpeciais, ADB 70 Anos, Diamonds

*QUEM SERÁ MINHA MÃE?

 
*QUEM SERÁ MINHA MÃE?
 
*Quem será minha Mãe?

Onde está minha mãe? Apenas lembro-me de um caixão e um rosto pálido de olhos fechados sem olhar para mim.
Está dormindo, falou alguém me apertando nos braços.

Havia tanta gente na sala! Para que tanta gente olhando uma mãe dormindo na sala? Todas as pessoas dormem! E entre choros e angústias partiu minha mãe e nunca mais voltou.

Foi morar com papai do Céu. Porque papai do céu leva as mães? As crianças precisam de colo, de mãos para afagar e enxugar as lágrimas, mudar o lençol úmido pela urina. Faz tanto frio, mãe!

No silêncio da sala o vazio de vozes. Meu pai embrulhado na rede vivendo a solidão da dor, preso a inutilidade perante a força do destino. Eu e meu irmão com três anos, eu com menos de dois.

Quede as crianças? Estávamos em baixo da mesa do santuário, com imagens de São Francisco, protetor do meu pai e Nossa Senhora da Conceição com anjinhos a contemplá-la, escultura de autor desconhecido, autodidatas, que o talento chega e faz da arte a sobrevivência e divulga a história. Encontraram-nos colhidas, amedrontadas, indefesas, a procura de proteção. Não entendiam a partida da mãe, sem beijo, sem abraço. Apenas foi.

Mas criança, pela graça de Deus, e da sábia natureza vai amoldando a mente para o irremediável.

Quem será minha mãe? Meu pai. Foi ele meu abrigo, minha mãe enquanto viveu seus 74 anos. Foi mãe extremada, cuidadosa, zelosa. Tudo fez para compensar a perda brutal de uma vida ceifada aos 29 anos, uma menina que teve sete filhos. Teve hemorragia pós-parto um sertão sem médico, com farmacêutico distante, primo do meu pai, até enviou remédio quando meu pai regressava de viajava a trabalho.
Soube do acontecido no caminho e voo em cima do cavalo, rio cheio, mas o tempo esgotou as forças e minha mãe fraca não resistiu.

No dia das mães a ausência do sorriso, o presente do braço, aniversários sem bolo, elogio pelas primeiras letras do alfabeto. Li com precocidade. Certo dia li para o meu pai-mãe um trecho da carta de abc.
É meu pai, eu vou lê, faz mui bem, eu já sei, vá ler mais.

Minha moça, era assim que me chamava, sabe lê? O sorriso foi o maior dos sorrisos de felicidade, para um pai-mãe semianalfabeto e meu grande incentivo, meu ídolo. Em seguida a cartilha. A de amor, B de bola, C de casa e por aí fui. A leitura era diária com cordel e tudo mais que viesse. No terceiro ano primário sabia decoradas as quatro operações da tabuada.

Minha tia reprovava a leitura de cordéis. Vá lê a Bíblia, menina, em cordel só há leitura de morte, traição e corno. Eu baixava a cabeça em silêncio. Quem ousaria responder pai, mãe, avós, tios, professores, idosos?
O vazio guardado perdura ainda alimentando a saudade. Nunca mais caixão, rosto pálido alcançaram meu olhar, refuto para longe, apago da mente...

Sonia Nogueira
 
*QUEM SERÁ MINHA MÃE?

*ESSE TEU JEITO

 
*ESSE TEU JEITO
 
*Esse Teu Jeito

Esse teu jeito firme
De alcançar meu coração
A palavra bem define
Guardarei com emoção.

Esse feito de querer-me
E os obstáculos vencendo
Derrubou-me, fez querer-te
Vassala me envolvendo.

Esse jeito que escrevias
Mesmo na longa distância
Foi torturas e alegrias
Foi momentos de bonanças.

Foi na escrita com jeito
Que o sonho se envolvia
E caiu sem nuvens, sem jeito
Na mesma palavra vazia.

Sonia Nogueira
 
*ESSE TEU JEITO

*GOTA A GOTA

 
*GOTA A GOTA
 
*Gota a Gota

De ti recordo quando a tarde cai,
qual onda açoitando forte ventania,
e nela me debruço ao som do dia,
enquanto dobra o pino sonho vai.

Talvez atordoada em tal dilema
num sábado, olhares se postulam,
apressadas pupilas se procuram,
para assim decifrar o teorema!

A gota veio entrando devagar,
se instala muda em cada poro meu,
quase indefesa cai no meu pensar.

Não viu abismo sequer, só apogeu
por rude tirania do encanto teu,
Gota a gota rugiu, desfaleceu.

Sonia Nogueira
 
*GOTA A GOTA

*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA

 
*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA
 
*A Importância do Livro na Escola*

A arte de ler é adquirida pelo hábito da leitura. Na maioria das vezes precisa de incentivo dos pais e professores. Mas essa menina lia desde a mais tenra idade, logo que ela foi alfabetizada, sem nenhum incentivo, apenas pela vontade de ter conhecimento de outros mundos, outras histórias.

Tinha uma amiga, na escola, a Aninha, que não gostava de estudar, o tênis para ela era a força maior que dominava seu pensamento. Conversava sempre com ela sobre a importância do estudo, da leitura de livros, da escola.

- Para que estudar amiga, eu vou me dedicar ao jogo e vou ganhar muito dinheiro.
-Jogo e estudo combinam muito bem, cara amiga. Caso nada der certo sua vida será um fracasso sem o estudo. Aninha fez uma prova para entrar no time e não passou. Chorou e através do fracasso sentiu a necessidade de adotar os livros como seus melhores companheiros. Nunca mais faltou a escola.

A sua escola era muito pobre e a leitura apenas as do livro didático. Certo dia o pensamento viajou nas áreas da imaginação e as alunas resolveram fazer a campanha do livro para a escola. Saíram pedindo livros nas casas, nas livrarias e formaram uma humilde biblioteca escolar.

Aos sábados, se reuniam para fazer leitura, interpretar os textos e convidar uma aluna da oitava série para avaliar e dar prêmios as melhores leitoras.

-Quais prêmios, e quem se prontificaria na grandiosa atitude de doar livros? A Lili recebeu uma luz, assim como astuta de mentes pensantes, que através do raciocino lógico adquire soluções para uma boa causa. Pelo sorriso anunciou a solução. Cada aluna trará de casa um brinde: lápis, borracha, caderno, caneta, um livrinho de cordel, custa um real na feira.

Tudo combinado e tiveram uma grande surpresa. Todos trouxerem o livrinho de cordel. Então outra ideia maravilhosa. Leram o cordel e cada uma se prontificou criar uma trova. A ação se frutificou, a turma cresceu, de cinco para quinze. As professoras formaram uma gincana para os melhores leitores da escola com a criação de versos falando sobre a importância do livro na Escola.

Então elas sentiram que a escola é a segunda casa e os livros a fonte inesgotável do saber. Sem eles a escola não caminha e a cultura de um país estaciona, o progresso para, a vida se deteriora.

A Importância do Livro Para a Escola

Escola sem livros é pobre
O aluno custa a aprender
O livro é um ouro nobre
Ajuda você a crescer...

O livro é a melhor arma
Atira só letra e cultura
Faz da escola um carma
Para uma paz futura.

A escola que tem livros
Incentiva a boa leitura
Os olhos são como crivos
A mente borda a brandura.

O livro é ouro em papel
A escola é prata e luz
Ambos são bolsa e farnel
Que na vida nos conduz
.
Sem livros e sem escola
O mundo não tem cultura
É como cego que implora
A luz que vem da altura.

SoniaNogueira
 
*A IMPORTÂNCIA DO LIVRO NA ESCOLA

*NATAL 2014

 
*NATAL 2014
 
*Natal 2014

Mais uma noite se aproxima, e olhares atentos se unem para admirar o Jesus Menino na manjedoura, tão indefeso quanto à vida.

Nasceu de uma jovem mulher, que enfrentou a maldade humana, a incompreensão dos hereges, a força e rejeição dos poderosos, a escravidão dos humildas.

De passagem ao planeta Terra, o Menino veio com a missão de ensinar: a fraternidade, a justiça, o perdão, o amor. Assim nasceu o cristianismo, após enfrentar a cruz aos 33 anos. Então Jesus delegou aos apóstolos e seus seguidores, a missão de divulgar e expandir a história da crença em um Deus único.

Em cada Natal, os cristãos revivem a história. A esperança nasce, e um fio de luz acende no coração, com o desejo de mudanças, embora a rudeza da maldade, a dor dos infortunados permaneça no coração de alguns infiéis.

Uma jovem ao lado da lapinha contempla a imagem de Maria, a mãe de Jesus, com olhar de contentamento e proteção ao recém-nascido. O quadro lembra a saudade da mãe que se foi, e a lágrima desprende, cai sobre o rosário, e banha a dor oculta, que nunca apaga.
A história se repete a cada ano.

Ainda que os festejos induzam a grandes comemorações, com presentes e banquetes, as famílias se reúnem para o abraço, com a garantia de perpetuar a história do cristianismo.

Feliz Natal a todos os leitores.

Sonia Nogueira
 
*NATAL 2014

*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER
 
*Dia Internacional da Mulher
08 de março

D - Diva é sempre teu nome
I- Infinitamente Mulher
A - Amor que faz aquiescer.

I- Imagem nunca esquecida
N - Nas horas que o dia rompe
T - Tamanho é teu poder
E - Embalas, nos teus braços
R - Riso envolto de lágrimas
N - Nada detém teu amor
A - Aconchegando o filho
C - Criança carente na dor
I - Imola-se em teu regaço
O- Orando ao Criador
N- Não deixe nunca Senhor
A - A vida romper os laços
L - Livra-me desse embaraço.

D - Dom da vida, gera vida
A - Aqui no planeta terra

M - Mas onde você estiver
U - Única, em força materna
L - Literalmente és feminina
H - Hoje parecendo eterna
E - É você sublime mulher
R - Rochedo é a tua sina.

Sonia Nogueira
 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

*AM0R

 
*AM0R
 
*AMOR

É como o beijo suave do beija-flor
Sugando a vida sob meu olhar pasmo,
Nas manhãs, no jardim mel e condor
Roubando o néctar pouso e espasmo.

Amo-te aqui, além no plano oculto,
Da inconsciência dos meus quereres,
Como sombra firmada no teu vulto,
Nas palavras domadas dos saberes.
Amo-te como o sol na quietude,

Tocando nas marés em sintonia,
Teclando cada raio, rito em amplitude,
Quedando o sonhar que me irradia.

Amo-te sem causa sem rosto findo,
Mas, te amo assim sempre infinito.

Sonia Nogueira
 
*AM0R

*O VENTO*

 
*O VENTO*
 
*O Vento*

O vento que soprou distante
Chegou numa languidez suave
Trazendo na vertente avante
Mordaz saudade em conclave......

As notas trepidaram ausentes
Nenhum clarão servil, embalde,
Para regar a terra em presentes
Da palavra que voou na tarde..

Entrei sem permissão na casa
Silêncio e solidão rosnaram
Só o perfume e palavra rara...

Sentei na almofada vi a mão
Que dedilhava numa contramão
Canções suaves que encantaram.

SoniaNogueira

São simples aparências, nada mais,
A voz que sussurrante me chamava,
A ausência de teus olhos sensuais
O frio toma a casa, afasta a lava.

O vento me responde: nunca mais,
Silêncio corta a noite, quem amava
Agora tão distante diz jamais.
O velho coração, a firme trava.

Vagando pela sala, sem respostas,
As velhas esperanças decompostas
Expostas ilusões férrea saudade.

No quanto fui feliz e não podia,
A noite se prepara e mata o dia,
Aonde encontrarei felicidade?

Marcos Loures
Médico mineiro e grande sonetista
 
*O VENTO*

*ESTAMOS AQUI, 2015

 
*ESTAMOS AQUI,  2015
 
*Estamos Aqui,2015

Com o coração carregado de emoção
Levando saudade do que fez alegria,
Deletando o que feriu o coração,
Agradecendo a Deus pela ousadia,

De vivermos num mundo tão desigual,
Permanecermos fiéis aos seus desígnios,
Aceitarmos as diferenças do mundo atual,
Em cultivar dos sonhos os delírios.

A dor passeou feroz em voos alados,
Visitou hospitais, destruiu lares,
Ouviu o grito dos desafortunados,
Viu o choro dos que não tem lares.

Mas assistiu a coragem desses heróis,
Que velejaram o barco ao sabor do vento,
E riram da dor, que sem pena corrói,
Cativos da caminhada viram o assento,

Na primeira fila dos dois mil e quinze,
A esperança abraçada com a coragem,
Para enfrentar mais um ano com requinte,
Sem dinheiro no bolso, sem bagagem.

São esses os heróis da nossa história,
Sem troféus, sem medalhas, sem louvor,
E guardam apenas na memória,
Mais um ano que a ponte não quebrou.

Batem palmas, sorriem, beijam, abraçam,
Com a mesmo emoção dos afortunados,
Gratos à vida, e na lágrima disfarçam,
Com fogos de artifícios e gritos abafados.

Sonia Nogueira

Feliz 2015, a todos os lusos poetas e leitores.
 
*ESTAMOS AQUI,  2015

*DIA DO ABRAÇO

 
*DIA DO ABRAÇO
 
Abraçar
Dia do Abraço 22 de maio

Hoje é dia de abraçar
Abraçar com todo amor
Amor que a gente dar
Dar com sorriso sem dor

Dor que a vida lava
Lava deixando ferida
Ferida de pouca lavra
Lavra o riso da vida

Vida que nasce sozinha
Sozinha na multidão
Multidão que se avizinha
Avizinha tal qual irmão

Irmão cria outra casa
Casa e deixa saudade
Saudade que nunca acaba
Acaba com pura verdade

Verdade que cria sonho
Sonho cresce torna a voar
Voar na hora da prece
Prece em dia de abraçar.

Sonia Nogueira
 
*DIA DO ABRAÇO

*DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL

 
*DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL
 
No Reino de Sininho, um dos meus livros infantis. Em cada letra do alfabeto, um animal com um poema e a historia da vida do animal.

G - Gato Mimi

Mas que gatinho mimoso,
Vem cedo me acordar,
Mia, mia, sem parar,
Com este olhar azul do mar.

Seu pelo é tão macio,
Branco parece à neve,
Mas cuidado meu amigo,
Cuide dele bem de leve.

Ele tem asma demais,
Apesar de sua beleza,
Dormir com ele jamais,
Só amigos nada mais.

H - Hipopótamo

-Olá, amiguinho,
Bom dia feliz!
Seus dentes são lindos,
Seu olhar cativante,
Sua boca um perfume,
Seus dentes gigantes,
Amo-te assim mesmo,
És muito elegante.

Para não me comeres
Eu vou te agradar
Depois fujo correndo
Par não mais te olhar

Sonia Nogueira
 
*DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL

*A ESCULTURA DA PALAVRA

 
*A ESCULTURA DA PALAVRA
 
A Escultura da Palavra

Dia Internacional da Poesia
21 de março

Esculpida estás na minha mão
Palavra-poesia de encantos mil
Sou de ti escrava em ato ação
Como na tábua gravada em buril

Vejo-te em todas as dimensões
No luar claro ou oculto nas nuvens
Na paisagem ou ventos vulcões
Na moldagem onde me convéns

Nas enchentes destruindo a cidade
No grito que fere o coração indefeso
Na terra fértil ou no mosteiro abade
Nos corredores da vida contrapeso

Encontro-te na infância reprimida
Ou na colcha de cetim perfumada
Em cada objeto em apetecida
Para esculpir-te com mão acirrada

Em cada momento há inspiração
Deito em ti a palavra merecida
Na saudade, dor, alegria, emoção
És meu cobertor minha acolhida

Sem ti sou ave sem ninho certo
Amplidão num vácuo ilimitado
Vagando debruço-me por certo
No teu ombro. És o meu achado

Sonia Nogueira
 
*A ESCULTURA DA PALAVRA

*NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

 
*NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
 
Homenagem a Mãe de Jesus
13 de Maio – Nossa Senhora de Fátima

Maria que foste escolhida
Para ser mãe de Jesus
Louvo-te com alegria
Porque és mãe, guia e luz
Em mil novecentos e dezessete
Em Portugal apareceste

Fátima era a cidade
Que para lá te moveste
Região montanhosa e agreste
Estavam os três pastorinhos
Jovens crianças inocentes
E o terço apresentaste
Para orarem eternamente

Primeira aparição (1917)
Deu-se a treze de Maio
Lúcia apenas dez anos
Francisco estava com nove
Jacinta apenas com sete
Todos na cova da Iria
Sobre a azinheira se via

Que Ela sempre aparecia
Os três viam a senhora
Mas Francisco não ouvia
Jacinta que via e ouvia
Apenas Lucia a mais velha
É que falava com Maria

Uma Senhora de branco
Mais brilhante que o sol
Com sua luz espargindo
Mais claro que o cristal
Iluminou as crianças
Que esperavam um sinal

Segunda aparição
Em junho do mesmo ano
Os videntes lá estavam
Com cinqüenta acompanhantes
Curiosos se espalhavam
E por todos comentavam

No dia treze de julho
Na terceira aparição
Já com dois mil peregrinos
Que olhavam admirados
Sobre um sol ofuscante
E uma nuvem acinzentada
Uma visão radiante
Que a todos perturbava

Na quarta aparição
Agosto do mesmo ano
A igreja recusou-se
Nas crianças acreditar
Eles foram sequestrados
Para o segredo revelar

Francisco e Jacinta
Bem cedo Deus os levou
Lúcia que sobreviveu
Para Roma viajou
E em dois mil e cinco
O céu já a alcançou

Sonia Nogueira

Santuário em Fátima
 
*NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

*NO NATAL

 
*NO NATAL
 
*No Natal

A estela viajava lenta
Os magos atentos à chegada.
Era tanto silêncio, e beleza,
Que a gruta quieta a chamada,

Acolhia os seres inquietos
Com olhar brilhante, sopro quente,
Servia de cobertor, de aconchego,
Nas palhas macias pertinentes.

A mãe sorria para o menino,
José cabisbaixo contemplava,
Os magos com presentes tremiam,
O mundo inocente ignorava:

Que o rei acabara de nascer
Para unir as nações, ensinar
O perdão, a fé, a igualdade,
A cada pessoa, em cada pensar,

Em cada ano, em cada momento
Em qualquer lugar, e na dor
Emergir do abismo iminente,
Para crer em Deus, o Salvador.

Sonia Nogueira
 
*NO NATAL

*SETE DE SETEMBRO - 1822

 
*SETE DE SETEMBRO - 1822
 
*Sete de Setembro 1822

Seja o Brasil independente
Nessa data sete de setembro
As cidades brasileiras sentem
O vibrar dos tambores, relembro

Pernas desfilam com orgulho
Cada colégio ostenta seus alunos
Aplausos em cada rua, barulho
Sorrisos encantam, ouvem hinos

No ano dois mil e vinte o silêncio
As ruas na solidão sem aplausos
Recolhimento e máscaras, refúgio
Em respeito à saúde, por um causo

A Covid tomou espaço, no mundo
A fé nos leva para o ano vindouro
Reatar o brilho e o amor fecundo
Com galhardia, ofertando o louro

Assim mesmo te louvamos, enfim
Com poemas e esperança varonil
Salve a Independência sem festim
Da nossa Pátria Amada Brasil.

Sonia Nogueira
 
*SETE DE SETEMBRO - 1822

*DIA DO ESCRITOR

 
*DIA DO ESCRITOR
 
*Dia do Escritor-
25 de julho

Escrever é arte, é magia do pensar
Prosa e poesia, faz da arte moradia,
O tema é critério de quem ousar,
Ritmado ou de livre sintonia.

A palavra é vulcão convincente
Derrama a lavra quente e silencia,
Confronto de olhares em dialética
Entre o eu, e o outro em anistia.

Mas há quem de tal faça estroinice
Liberta a emoção atinge os mares,
Como a palavra é livre em arteirice
Viaja, tem domínio em seus pensares:

Estende em cada espaço seu encanto,
Talento e faro haverá de encontrar,
Nas mãos que do lirismo faz espanto,
Na poesia, desbravando outro luar.

Escreve o jornalista faz à crônica,
Avança o conto, aflora o repentista,
A vida continua assim biônica,
Levando no romance a voz altista.

Ensaios trazem o esboço literário,
Nos trovadores o canto ecoando,
A rima não morreu se fez plenário,
Discursos na palavra é comando.

Escreva eu, você o que lhe apraz,
Faz bem, aclama, acalma o sicrano
Que seja a palavra de canto e paz,
Pra todos há espaço, disso me ufano.

Parabéns a todos os poetas
 
*DIA DO ESCRITOR

*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER
 
*Dia Internacional da Mulher
08 de março

Quando em ti vejo mulher
A mãe rezando em um altar
Lembro a mãe santa de Jesus
A contemplar, seu filho, a chorar.

Uma roga pela saúde do filho
Que a divina providência cure,
A outra pela cruz que fez a dor
Ambas que o sofrimento não dure.

São duas mães e a mesma lágrima
E sentem a mesma amargura
No mesmo ventre que a vida gera
Com a mesma emoção e ternura.

Que força suprema recebe a mulher
Para missão de o mundo povoar,
Educar e proteger, doar o amor,
Ensinar a fé dá exemplo, abençoar...

O mundo cresceu, a mulher subiu,
Fez da profissão sua liberdade
E na dupla jornada nunca recuou
De ser a mulher-mãe dualidade.

Todos os dias é dia de mulher
Mas hoje neste dia especial
O grito da igualdade ecoou
A mulher conquistou seu pedestal.

Parabéns benditas mulheres!
 
*DIA INTERNACIONAL DA MULHER

*DIPLOMAS

 
*DIPLOMAS
 
*Recebi sete Diplomas enviado pelo escritor chileno Alfred Asís, por participar de Mil Obras a

-Mil Òscar Alfaro,

-Mil Poemas a José Martí,

-Mil Poemas a Miguel Harnández,

-Mil Poemas a Pablo Neruda,

-Mil Poemas a Sor Teresa de Calcuta,

-Mil Poemas a César Vallejo,

-Homenaje a Vinícius de Moraes.

Sonia Nogueira
 
*DIPLOMAS

*AO MEU PAI

 
*AO MEU PAI
 
*Ao meu Pai

Mais um ano de saudade aqui,
Que o coração indigente resgata,
Pela falta da presença eu senti
Quanto te recordo pai, e nada

Fecha o espaço do teu semblante,
Sorriso farto nas horas do lar,
Trago-o guardado e constante,
Em cada dia no meu despertar.

Foram anos de convivência amena,
Zelo constante aos filhos amados,
Buscava em cada ato um lema:
Bem-estar e saúde sem fardos.

Saudades moram aqui, perenes
Como rio que corre no leito
Permanece como nota solene
Guardadas em dias refeitos,

De gratidão que o tempo não apaga.
Rogo aos céus que te fez e levou,
Nunca esqueço a mão que afaga
É a mesma que a semente plantou.

Sonia Nogueira
 
*AO MEU PAI

*O TEMPO ESTÁ NUBLADO

 
*O TEMPO ESTÁ NUBLADO
 
*O Tempo Está Nublado

Que tempo vivemos nesse momento!
A tarde está nublada, o sol se escondeu
Tudo é espera para o encantamento
Aos olhos, contemplando esse apogeu

O mundo prostrado ante o isolamento
Na ânsia de afagar a vida que desperta
Nas horas vagarosas sem movimento
Olho pela câmara a calçada deserta

Tudo é silêncio sem passos apressados
A liberdade que é rotina, não vassala
Deixa o povo inquieto, estressados
Mas o vírus em libertinagem badala

Voa em toda direção do impossível
Todavia, sua forte arma atira longe
Mesmo na pequenez do invisível
Se mostra qual gripezinha com fome

De corroer os pulmões, nossa vida
Ao inspirar e expirar livre na passagem
Sem esse precioso ar, adeus a lida
O abraço, o aperto de mão, a coragem

O mundo resiste tão grande afronta
Homens, mulheres, crianças adestradas
Para aceitar essa rotina sob a conta
De agradecer a Deus forças recuperadas

Na faculdade da vida mais uma lição
Com data registrada nunca esquecerá:
Somos inferiores mesmo em comunhão
Na distância dos lares o amor vencerá.

Sonia Nogueira
 
*O TEMPO ESTÁ NUBLADO

Livros Publicados:
- Por Justa Causa - contos
- Nas Entrelinhas (200 sonetos)
- A Pequena May - juvenil
-Datas Comemorativas em Poesias
-Eu Poesia, Contos e Crônicas
-No Reino de Sininho, infantil
- A Janela Azul
- Contação de História Infantil...