https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de De Moura

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de De Moura

Não Chores a Minha Morte

 
Não chores a minha morte
Não chores aquando a minha partida
Porque não me fui...
Me encontro no vento que sopra do Norte
Sou o sol a cada manhã no despertar
Na escuridão da noite sou luar a brilhar
Não chores a minha partida.
Só é a dor da saudade que pendura
Onde sempre estarei de olho em ti.
Não chores ... Porque não me fui...
Estou nas recordações guardadas nos teus olhos,
Estou nas gargalhadas retidas no eco existente em ti,
Não me fui... Estou aqui...
Sorri!
Escuta o lírico canto do rouxinol
Num timbre musical poderás apanhar meu rodopio.
Não chores a minha morte
Estarei sempre a teu lado
Em cada passo teu
Em cada gesto desenrolado
Nas tuas decisões
E até nas tuas paixões.
Somente dói a saudade.
Quando a saudade te doer,
Coloca a mão no peito,
Fecha os olhos,
Deixa-te levar...
A lembrar nossos momentos de mimos e abraços
Recordar cada passo e etapa que traçamos juntos
É tudo uma memória presente, para sempre.
Não chores a minha morte, não chores a minha partida
Eu não me fui.
Sorri!
Estou aqui a teu lado, meu amor.
 
Não Chores a Minha Morte

São Saudades dum Amor Perfeito

 
São dos beijos das noites quentes
Os meus desejos!
São das saudades infinitas do teu toque
As minhas vontades!
São da beleza dos teus olhos, o teu olhar
A minha tristeza!
São dos carinhos trocados
Os meus choros!

Onde me afogo numa saudade de fogo
Que vai mais além dos cosmos em flor.
Num paraíso feito de riso,
Num lago de água doce,
Num dia de eternidade
Que não chega ao início nem acaba no final.
Continuamente a emoção de um amor
Aqui no peito.
Jamais se apagará um amor tão perfeito.

São as saudades de nos amarmos
As minhas paixões!
São dos teus lábios sensuais
As minhas tentações!
São os olores da tua pele
As minhas emoções!
São os teus risos soltos
As minhas recordações!

Numa tarde de verão, em festa,
Numa noite aberta ao luar
Convidativa à nossa emoção
Com um chá de rosas
Enfeitiçamos nosso amor,
Numa loucura desenfreada.
Para que todos os anos que passem
E os que estarão para chegar
Nunca se extingam de nossa memória,
Teu amor por mim
Meu amor por ti.
Jamais se apagará um amor tão perfeito.

Restando somente as saudades... Que, são, dum amor-perfeito.
 
São Saudades dum Amor Perfeito

É Um Novo Dia

 
Sorrio de dentro para fora as gargalhadas apresadas
Se estende um longo e fino vestido de noiva a meus pés
Num mergulhar de sonho ouço as gaivotas a cantar.
É um novo dia, numa alvorada de calor.

A sensualidade duma sereia na sua dança do ventre
Aos olhos de ninguém!
Arcanos dourados na concha segredam
Neste mar da partida do oceano do adeus
Voltarei um dia para te segredar meus desejos.

Lábaro de fitas que esvoaças num delírio
Na sombra dos lírios dos teus olhos.
Irão as manhãs cinzentas de Outono
Resplandecer os ramos da cina( árvore das Arábias)?
Revestir de suave algodão acalentando o coração.

É à margem de um rio que se espelha a sensação
É um novo dia, sua continuação...

Se abrem flores da imaginação num lago de gelo
Que não passa de ser uma inspiração.
São quentes as águas escorridas num corpo são
Numa alma pura sempre canta a canção,
Será fado ou uma oração?
Não! É somente aquela canção.
Num novo dia sempre haverá certa agitação.
 
É Um Novo Dia

Um Tudo em Todo: Amor

 
Eleva-me nas espirais do vento
No sopro invisível de seu corpo.
Retoma-me em teus braços
Nas folhas do teu mosto.

Alegra-me nas ternas manhãs
De Outono,
Aquelas que o vento soprou
E nunca mais retornou.

Ergue-me ao alto
Para tocar na ponta do castelo
Seu reino se desmoronou
Quero semear as violetas
As que outrora o vento levou.

Distingue-me entre as ervas daninhas
Sou aquela simples coisa
Que radia certa luz,
Oculta a todos os olhos
Somente à alma reluz.

Tira-me a venda dos olhos, já!
Não sou capricho!
Nem bicho!
Quero estar nua como a lua
Como o dia que cheguei a este mundo.

Serei alma perdida? No meio de escombros náufragos?
Não, não sou!
Sou caminhante, entre o vento culminante.
Eternamente amortalhada,
Esquecida dentro desta grande muralhada.

De todas as inteligências das mais antecipadas às mais ancianas
Dos tempos passados, aos de hoje, aos que virão amanhã,
Somente existe um segredo.
Um símbolo,
Um ponto em comum,
Um que vale por tudo e todo.

UM, bater de coração,
UMA, morte,
UM, único interesse comum neste mundo nu.
Ultimato certo e cru.
Desvendar o segredo que se leva dentro de nós.
E esse é simplesmente nosso “AMOR.”
 
Um Tudo em Todo: Amor

Alguém me ama

 
Alguém me ama
Com loucura.

Alguém me ama
Sem nunca se ter revelado a mim.

Alguém me ama
No silêncio.

Alguém sente por mim algo que jamais alguém poderá sentir
E isso se chama amor.

Alguém me ama
Incondicionalmente.

Alguém me ama
Sem eu nunca ter que lhe demostrar meu sentimento.

Alguém me ama
Nas noites frias e nos dias de calor.

Alguém me ama
E sempre me respeitará.

Alguém sente os meus sentimentos de dor
Não me vira as costas e isso é amor.

Alguém me ama
E sempre me amará

Alguém me ama
E quererás tu saber quem tanto me ama.

Alguém te ama
A ti também.

Quem me ama tanto assim
É...
Alguém sou“Eu”
 
Alguém me ama

Aprender...

 
"Só aprendemos a nadar
Quando sentimo-nos afogar.
Deixamos-nos levar pelas correntes
Rápidas... Turbulentas...
Quando lentamente podemos
Esperar por marés calmas."
 
Aprender...

Quando Tu Não Estás...

 
Quando não estás, só quero voltar atrás.
Quando perciso de ti, não te encontro.
Quando penso em ti, não sonho, vivo.
Quando não te vejo, fecho os olhos, revejo os teus.
Quando não ouço tua voz, aquela música escuto e curto.
Quando não me chamas de Amor, noto as chamas extinguidas.
Quando te desejo, sinto a paixão arder sem tùmulo ou chão.
Quando teu ausente carinho não preenche minha falta, sinto-me fraca.
Quando tua força não me alcança sinto aqui no peito aquela lança.
Quando teu amor não sinto, morro um pouquinho.
Quando a saudade aperta, olho na distância, o nosso passado.
Quando não sinto o sabor dos teus lábios, aguo-o na sede.
Quando não te toco, sinto simplesmente um toque, um sonho...
Quando não te tenho, lastimo ter-te perdido... esquecido...
 
Quando Tu Não Estás...

PARABÉNS KAM....

 
Querido Kam,

Quase que passava este dia sem lhe dar os PARABÉNS.

O dia dos Anos de alguém a quem apreciamos deve de ser sempre dia de celebração...

É pena eu não me ter lembrado antes para fazer um poemazito para este dia tão seu e tão especial...

Mas de qualquer das maneiras os meus sinceros sentimentos os posso transmitir sem ser em poesia...

Kam que este dia seije rico em sentimentos de amor
Que tudo á sua volta se torne em tremendo honor
Pela sua vida aventuras passaram estórias de contos de fadas...
Que hoje viva essas aventuras na sua alma com muito amor...
É sempre bom relembrar o passado sinal que mais um ano mais um dia nos foi dado,há que festejar em grande o milagre da vida.

Parabéns Kam... merecia coisa melhor mas é tudo numa corrida...espero que goste... é com todo o meu carinho...
HAPPY BIRTHDAY com muitos mais pela frente.

Alcina
 
PARABÉNS KAM....

EU PROCURO...

 
Minha alma se desvanece numa nuvém...
Eu procuro e não encontro...
Eu releio as estrelas em pleno céu
Mas em vão...
EU PROCURO...

A lua brilha sobre mim mas cala-se
Não diz nada.

O sol de manhã me levanta
com um sorriso mais além
Desperta em mim gratitude
De tudo que vai mais além.

A noite entra em mim
De mãos dadas caminhamos
Procuramos e não encontramos...
Cegos estamos sem guia e sem luz...

Como procurar o que não consigo encontrar?...
 
EU PROCURO...

É Muito Injusto!

 
É tudo muito injusto nesta vida,
Por instantes queremos caminhar
Alcançar, tocar os sonhos,
Apanha-los como se fossem doces de algodão.

Mas já lá diz, o destino que não!

Se nos escapa os sorrisos de sol
Iluminados de puro amor
De coração prol
D’um anjo a debutar em flor

Já a lua tinha segredado
Os últimos desejos moribundos
Colado as asas ao anjo aqui na terra
Que iria brilhar sobre nós como estrela.

Será injusto ou será justiça?

Na ausência, nasceu o rio dor, saudade ondulando,
Moí num remoinho,
Um vazio... Num abismo
Onde os porquês caem uns sobe os outros.
Sem retorno... Num silêncio sem eco.

Será que algum dia a oclusão é sentida,
Da inesperada partida?
Aceitável a viagem sem regresso?
Como? Se a dor é algo invisível.
Só se sente a alma partida,
Um pedaço dela morreu quando da tua
Partida...

Que nos resta agora?
Olhar um céu e procurar tua estrela a brilhar
Encher os pulmões de ar
Para a dor tirar
Indagar na memória pelo teu sorriso
Que era todo amor, completo do verbo amar

Derramamos lágrimas de sofrimento
Rezamos na esperança de estares em paz
No paraíso onde a felicidade é tudo capaz
Conquistado por ti esse lugar secreto.

És o nosso anjo da paz!Cristina.

02/15/1990 - 07/07/2009

Farewell to you Cristina

Tears are floating our hearts.
Pain and sorrow
Stings in dismay
As our hearts feel the hollow
A too soon goodbye we cry.

Snatched from us too quickly
You flew away to the sky.
We ask and wonder why.

Flashback memories dance before us
The smile and laughter of a little girl
Always fulfilled our hearts with joy.

A new star shines above us
Warming the cold nights ahead.
When hit by sadness
Lighten up by searching overhead.

It is so hard to let go of you…
In sadness we whisper the final farewell.
May God and Love be with you.
May your soul rest in peace as well.

We will always love and miss you Cristina!

02/15/1990-07/07/2009

Não sei porquê mas hoje não me sais da cabeça!
Saudades?!
 
É Muito Injusto!

Rosamar " By Eugénio Trigo & Cina De Moura"

 
Os
teus
seios

Abro neles as
janelas

os
lagos de cânfora de uma
lua

as
estrelas em
degraus
no
Sol

diamantes os
rios
Suaves
Bebo nos teus
Lábios

Amor

No
teu
coração
com as luvas nos dedos
as lágrimas cortam
as
Rosas

A lua
o seu gosto de nascer entre as
Flores com as
crianças em pequenos barcos
de seda

Agora que
partes
as linhas dos balouços
são cravos em
Mim

Uma
pedra de ouro toda num
agrafo
arrancarei
aos cristais que me
cegam

Nunca

das
tuas mãos se
desfaz

a
estrela que te
Pedi

Amor

O
destino é verde nas penas

Todas
as flores saem-me
do
coração

Para Longe

Nos poentes Nas
tuas mãos

Antes que
Partas

Amor

Selada mirada
Na almofada do meu
berço.

Foi um prazer imenso fazer este dueto com o meu querido Poeta Trigo. Obrigado Eugénio por quereres repartir a tua misteriosa poesia com a modesta da minha. Me sinto honrada!
 
Rosamar  " By  Eugénio Trigo & Cina De Moura"

AMIZADE MAIS ALÉM...

 
AMIZADE MAIS ALÉM...

Eu vejo o mundo mais além ...

Tento desfrutar ... nem que seja a mais pequenina pedrinha no meu caminho.
Tudo é lindo e maravilhoso...
Mas saber que alguèm mais além existe é ainda mais extraordinário.

Alguém que pensa em mim...
Alguém que deseja meu bem...
Alguém que reza por mim...
Alguém que tem sempre a mensagem certa na hora certa...
Alguém que nunca me viu...

Sim, isto é que é digno de se chamar maravilhoso, extraordinário!!!
Como uma paisagem radiante de luz que vai mais além de explêndida...

Uma amizade de carinho e conforto, limpa e sem esforço.
É o mais lindo sentimento que habita este planeta.
 
AMIZADE MAIS ALÉM...

JUST HOLD ME... ( Abraça-me somente...)

 
Just Hold Me...(Abraça-me somente...)

Just hold me… My darling…
Não me perguntes porquê... somente abraça-me.
Não quero falar, não quero escutar
Só quero sentir me aconchegada nos teus braços.

Dá-me o teu colo meu amor
É só isso o meu querer
Me sinto triste... perciso de me recompor.
Só quero ser embalada com a música do teu ser.

Just hold me…Tight…
Nesta noite fria
Onde me sinto perdida sem valor
Neste dia sem sentido só sinto horror.

Abraça-me forte
Aconchega-me no teu porte
Muito, muito forte...
Dá-me o teu ombro quero chorar consorte...

Agarra-me forte meu amor
Quero te sentir... teu calor
Não digas nada sê só o meu consolador
Nesta noite cheia de dor

Just hold me tight, my darling!
 
JUST HOLD ME... ( Abraça-me somente...)

Amores Lá do Alto da Serra...

 
Ai, os amores lá do alto da serra...

Inocentes, brincávamos á apanhada numa oportunidade de podermos nos tocar...
Lá do fundo se ouviam ecos buzinar até os calhaus vibravam com tanta exaltação.
- Ó João já foste buscar o pão?
- Maria vem comprar a sardinha...
Inocentes nos riamos em gargalhadas mistas sorrateiras e maliciosas.
Então gaiatos como éramos, gritávamos: - Ó Maria já não compras sardinha se acabou só se quiseres farinha.
- O João não foi buscar o pão anda no jogo do pião.
Como raposas matreiras, enganadoras nos riamos até as lágrimas nos correrem cara abaixo.
Então tu muito sorrateiro com cara de anjo que não partia prato, agarravas a oportunidade com unhas de gato. Secavas minhas lágrimas com a palma da tua mão.
Descarado numa corrida me roubavas um beijo dos meus tenros lábios, deixando um sabor a pouco e chorar por mais.
Sobre as carumas de pés descalços eu corria atrás de ti: - Seu atrevido manhoso, quando te apanhar já te digo.
- Apanha-me então que te dou outro.
Eu corria ladeira abaixo com minha saia verde voando á brisa do vento.
- Grande descarado! E se eu disser ao teu pai?
- Não dizes não. – Digo sim...gritava eu já sem fôlego.
- Tu sabes bem o que vai acontecer se disseres alguma coisa. As nossas brincadeiras d’ apanhada se acabarão, dizia ele todo sorridente olhando para trás com aquele olhar doce de petiz sabedor.
Eu sentindo-me derrotada me ria por dentro sabendo que ele tinha razão. Eu até gostava daquelas loucas aventuras dele. Aqueles doces beijos me faziam cócegas na barriga eram como borboletas livres voando por tudo quanto é canto dentro de mim. Lá ia ele até ao rio... tinha de ser... lá tinhamos os melhores momentos... entre nadar... salpicar água um contra o outro... coleccionar pedras entre outras mil e uma coisa, tudo á imaginação dele.
Quando o sol já se via pôr lá por detrás da serra , estávamos derrotados de tanto divertimento. Nos deitávamos sobre o manto verde onde testemunhamos vezes infinitas formas inimagináveis de flocos brancos voando pelo céu a fora.
Que lindos momentos de ternura e inocência aquela... ele era o príncipe dos meus sonhos, o meu herói...
Só quando cada um ia para seu ninho me dizia ele baixinho: até amanhã princesa das minhas loucuras...
Eu me sentava á porta de casa quando o céu se enchia de diamantes, relembrando o dia de aventura passada e pedindo a cada diamante mais um dia do apanhada com o principe dos meus sonhos lá no alto da serra.
 
Amores Lá do Alto da Serra...

DOCE UTOPIA DO VERSEJAR ( Dueto)

 
DOCE UTOPIA DO VERSEJAR ( Duetos)

Escuta, observa, sente, na distância, que lindo está o horizonte!
Ouves o chilrear dos pássaros?
Eu penso que serão...
Poetas a cantarolar, mística poesia, para animar nosso lugar.

Vês aquelas borboletas livres a esvoaçar?
Eu julgo que são...
Disfarçados anjos em diversos mantos,
Diversificando suas vestimentas, mas que tudo é um só.

Sentes o perfume do vale vermelho?
Eu sinto...
Papoilas a dançar misticamente,
Largando sem pudor sua modesta fragrância.

Observa agora o azul do céu e do mar,
Distingues o princípio e o fim de um e de outro?
Eu vejo...
Um só, unificado significando ribalta de paz.

Sabes que mais vejo neste remoto horizonte?
Sinto algo...
Um existente, sexto sentido, ouço e vejo as mil cores do teu sorriso, cascalhar...
Será tudo minha visão, uma utopia, o meu sonhar?

Utopia? O sentir do poeta com seu verbo pintar
Uma tela na composição do que pensa ser...
Do que julga que é...
Do que sente e ver...

No todo do mundo a realçar, o belo da rotina
O extraordinário que salta a sua retina
Que se coloca a mapear o seu mundo e o do outro
Num resultado que só na arte salta ao olhar...

E se sonha alto e faz a alma brilhar
Põe maior realidade nos seus versos
Onde viu e sentiu a natureza, de si, se aproximar
E viveu aquele encontro indefinido entre o céu e o mar...

Símile do conflito da alma no dualismo a pairar
Entre tantos entes habitantes de terra, céu e mar
Anjos a cuidar de aves, flores, terra... Natureza e lugar.
Tudo num sorriso... Seria isto a utopia de cada versejar.

Alcina
USA (29.07.2009
Ibernise
Indiara (Goiás/Brasil) 31.07.2009
 
DOCE UTOPIA DO VERSEJAR ( Dueto)

NOITE FATAL

 
Noite Fatal

(O Leito decorado como num conto fadas...)

A brisa se sente leve e suave . As cortinas dançam á deriva velando a lua cheia.
Em fascos de cristal se encontram pequenas luzes com aroma a ervas doces.
A única iluminação naquele quarto de paixão.
Os lençois brancos de cetim reluzem com semelhante luz.
A sinfonia dos grilos se mistura nesta sedução romântica.
Dois copos de cristal repousam ansiosos nesta sedução prestes a começar.

Esta noite te...
Quero entre meus braços
Quero sentir teus beijos na minha pele macia de perfume de orquídeas.
Quero sentir o ritmo do teu coração aumentar com tanta paixão.
Quero ouvir tua respiração acelerar com a emoção.
Quero viajar ás estrelas e nelas brincar.
Quero estar perto da lua a tal que se chama Lua de Mel.
Quero que esta noite seije fatal.

( O jogo da sedução começou... te enamoro e te enrolo...)

Chegas á porta do quarto e ficas paralisado.
Não sonhavas com semelhante acontecimento.
Teus olhos se encontram com os meus.
Te deixas cair num sorriso de garoto maroto.
Ias dizer algo mas te interrompi com um dedo no meus lábios.
Dás uns passos e queres te ver livre das calças.
Eu te aceno que não e te chamo com a minha mão.
Te juntas a mim, no leito do amor.

Ias dizer algo mas te interrompi com os meus dedos nos teus lábios.
Foi quando compreendeste o que se estava passando ali.
Sedução...
Beijas-te meus dedos de um a um, subindo até chegares á alça do meu cetim.
Fiz-te cair uma a uma... para revelar diante a ti o corpo nu pretencente só a ti.
Eu te livrei dos teus trajes...
Um beijo aqui e outro ali...
Um abraço tenro, um carinho fofo... o passar da lingua e...
Se vêem as sombras dos movimentos com a semi luz.
Os olhos se cerram, um no outro nos fundimos
Chegamos às estrelas e nelas brincamos.
Com o final do rumo chegamos á tal Lua de Mel...
Que noite fatal!
 
NOITE FATAL

BEIJO DA MEIA-NOITE

 
BEIJO DA MEIA-NOITE

Beijo da meia-noite
Cai o último segundo
É meia-noite!

Lábios se encontram
Num beijo da meia-noite.
Começam outro dia outro ano
Com um beijo da meia-noite.

Beijo da meia-noite
Enamorados se prolongam neste beijo mágico
Dando asas a fantasias nunca vividas
Pois é o beijo da meia-noite.

Logo, logo começa a chuva
De beijos da meia-noite
Alegria se espalha contagiando
Pequenos e grandes.

Beijo da meia-noite
Beijo de esperança... um novo caminhar
Beijo do amor... se quer espalhar
Beijo de amizade... se deve guardar e procurar

Beijo da meia-noite
Para todo o mundo saboriar
O desfolhar de outra página
Onde o destino de cada um se vai encontrar.

Um beijo da meia-noite
Para todos que eu encontrar
Envolto de carinho para teu coração eu contagiar.
 
BEIJO DA MEIA-NOITE

Floresta: Te Alimentam Labaredas De Inferno

 
Paraíso tropical entre giestas e carumas
És o simbolo de elegância com tuas vestes de esmeralda.
Danças ao som do vento de todas as estações presentes.
Mergulhas no ar com tuas essências precisas.

Careces de carinhos, e abraços não os tens.
Quando te crucificam, choras baixinho uma oração.
Defendes-te furiosa, em rugidos mortificantes.
Quando a ti te levam o inferno tirando-te todos os bens.

Teu manto verde se esfuma entre labaredas de inferno
Vingas-te sufocando-me a alma sem uma gota de oxigénio.
Vento sopra tuas cinzas já desgastadas da maldição, sem perdão.
Sim, isto não tem perdão!

Apresentas-te de luto forçado, por aqueles que te alimentaram o inferno.
Expandes teu odor num cortejo fúnebre.
Roubaram-te a vida, com fogo te consumiram.
Não comprendes a razão para tal quando te atiraram para este abismo...
 
Floresta: Te Alimentam Labaredas De Inferno

ABISMO

 
Acordei dentro dum abismo
Minha alma se vê negra
Meu corpo desapareceu
Esta não sou eu...
Estou trancada numa corrente astral
Sem luz... Tudo é abismal
Tento recuperar em vão
Um sorriso que se me escapa...
Quero andar e não posso
Fico colada a este chão
Algo poderoso toma conta do corpo
Quero gritar, me falta a voz...
Quero chorar mas não encontro a foz...
As forças dissipam-se contra um barranco...
Não tenho tecto... Sinto o piso fujir quando lhe toco...
Só quero morrer...tornar a renascer...
Porque Entrei Neste Abismo?
Se apodera de mim... Não sinto forças como outrora
Para lutar com tamanha fera...
 
ABISMO

CARA...

 
CARA...

Fisionomia radiante de luz em prece de paz
Caramelo gostoso dentro de chocolate em retina capaz
Veludo percorre as fontes das maçãs primaz
Rosa vermelha se abre num sorriso fugaz.

No topo reluzem madeixas o sol entranhou
O olfacto a mel em narinas perfeitas encontrou
Robustos campos delineados sobre olhar doce apaixonou
Complemento de audição em pequenez léu.

Olhar chocante, penetrante dos meus olhos
Pele suave de bebé onde amacio meus lábios
Boca que presenteia beijos de delírios

Teus cabelos louros nas minhas mãos eu acarinho
Teu nariz de contornos acetinados aceita meu cheiro a rosmaninho
Orelhas pequeninas, sensíveis fonte de prazer naquele cantinho.
 
CARA...

Cina De Moura