https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de F.Serra.Pintor

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de F.Serra.Pintor

POETIZAR

 
POETIZAR
 
Desenho de F.Serra

Eu queria poetizar o teu corpo,
Florir- te de beijos e sentir a tua pele de seda perfumar os meus lábios.
O teu cabelo vestido de viúva de longos trajes veste o teu pescoço.
O brilho inconfundível do teu sorriso alvo e marfim, com que tu mo mostras e eu tanto quero e desejo!
As tuas mãos de neve, delicadas como o voo das aves, são os movimentos com que me tocas...
Eu hoje meu amor, queria florir- te de beijos.
Queria hoje ter- te num quadro meu, um quadro em que a cada pincelada te sentisse suspirar de prazer ao rasgar a tela de cor, cores de paixão, de desejo, os nossos desejos incontidos onde sofrendo gritamos por um beijo…
Queria ter-te hoje num quadro meu, feito de recortes do teu corpo e em meu corpo tingidos dessa cor que nos queima, como o vermelho do sangue que dá vida …
Queria tanto amor, ter te hoje num quadro meu!

F.Serra
 
POETIZAR

MAIS ALÉM

 
MAIS ALÉM
 
Saudades de algo...
Que sei que existe mas que não toco!
Saudades de algo...
Que sei que tenho mas que não vivo!
Saudades de algo...
Que me faz feliz sem que saiba como!
Saudades de algo...
Que o tempo não apaga, porque não existe no tempo!
Saudades de algo...
Que o sonho me mostra, dum espaço onde não estou!
Saudades de algo...
Que me traz saudoso , como um lamento,
Que me traz o vento
Por saudades de algo...!

F. Serra
 
MAIS ALÉM

CAVALO DO TEMPLO

 
CAVALO DO TEMPLO
 
Nas tuas asas voa a liberdade,
Cavalo alado, galope constante,
Nas crinas o ondular do instante
Em que imortaliza a minha saudade.
As tuas patas pisam raios de luz
Onde floresce colorida esperança,
Da tua fúria corre a bonança
Desembestada nesse cavalgar.
Correria destravada, asas abertas,
Onde se perde o meu olhar!
Pégaso de ouro onde o sonho vive,
Minha fantasia, meu espaço louco
Onde a minha mente…
Desenfreada no desejo
Montada voa nessas asas soltas!
Quase por tão pouco…
Por um momento, quase nada!
Neste grito abafado, rouco…
Voa cavalo… corre solto
Nesses espaços infinitos,
Onde a alma… gentil fada
Ainda existe!

F.Serra
 
CAVALO DO TEMPLO

NOS BRAÇOS DE UM ANJO

 
NOS BRAÇOS DE UM ANJO
 
Silêncio!
Ouve-se o bater das asas de um anjo!
Ele voa sobre o homem.
Protege-lhe os pensamentos!
Guarda-lhe os sonhos!
Que às vezes, tristes, medonhos,
Lhe causam grandes tormentos...
Mas sempre...
E para sempre, sonhos!
E nesses momentos,
Recorda a vida.
Outrora vivida,
De lembranças, de memórias.
De perdas, ganhos, vitórias.
Lhe embrulham os sentimentos
E neste voar,
Se perde o homem a sonhar!

F.Serra
 
NOS BRAÇOS DE UM ANJO

VIAGENS SENTIDAS

 
VIAGENS SENTIDAS
 
Queria que meu dia florescesse em cada palavra que o vento me traz, naquela melancolia que a chuva no telhado me musiqueia. Olho da janela e vejo lá longe na serra as gotículas de agua, dançarem no embalo que a brisa lhes dá, são minúsculas, quase não se veem, mas sentimos que existem, quando quase num beijo, nos tocam o rosto!
Meus olhos perdem-se nessa lonjura onde a chuva baila num convite que o sentimento aceita. Todo o meu ser se acalma quando o tempo esta assim e uma voz diz-me que preciso pintar, desenhar ou apenas escrever. Algo me impele para que faça qualquer coisa e neste momento as tintas seriam o meu refúgio o meu mundo fantástico onde me recolho e medito, enquanto as cores mancham o branco da tela deixando nela tudo o que a minha mente descobre, cria ou inventa, fantasias que me são tao queridas e que vou construindo a cada pincelada, a cada borrão que o dedo ajeita.
Queria, quero, desejo entrar nesse mundo que vou desbravando entrando nele todo …fazendo eu também parte daquilo que eu próprio vou construindo.

F.Serra
 
VIAGENS SENTIDAS

TROVA NO DESENCANTO

 
TROVA NO DESENCANTO
 
Ai amor…
Quem foi que tirou
Esse teu encanto
Esse envolvimento,
Nos doces momentos
Que estivemos sós!
Ai amor…
Que me vejo em pranto
Na falta que sinto tanto,
Desse brilho lindo
Que a noite apagou!
Ai amor…
Minha doce quimera
Minha primavera,
Que invernou meus dias
Em que te esfumaste!
Ai amor…
Ai amor…!

F.Serra
 
TROVA NO DESENCANTO

ESPERANÇA

 
ESPERANÇA
 
Voando no lado direito do sol.
Aonde o brilho é mais intenso,
E a alma se perde nos campos verdes de infinito,
Onde os teus olhos azuis esmeralda descansam,
Na brisa deusa de incenso!
Não há um espaço…
Não há um tempo…
Existe apenas uma constante, onde a vida floresce
Numa outra…
E numa outra amanhece!
Vivemos prisioneiros de nós próprios,
Onde o corpo nos amortalha e não nos deixa voar!
Voando no lado direito do sol.
Num voo planado e nesse planar,
Encontramo-nos a nós próprios,
Sem medos…
Sem regras…
O universo e nós apenas uno.
Vivemos nele e ele em nós
Somos o nosso farol!

F.Serra
 
ESPERANÇA

A TUA FOTO...

 
Na tua foto eu educo o meu olhar
Em cada movimento escondido,
Em cada passo perdido
Onde minha mente vagueia,
Quase sem sentido…
É apenas uma foto tua!
E esse sorriso?
Esse corpo à lua,
Onde os mistérios se escondem!
Na tua foto eu educo o meu sentir
Nessa forma inigualável de sorrir
Mesmo parado no tempo,
Nessa imagem estática.
Meu Deus como eu lamento
Não estar dentro,
Dessa fotografia…
O que eu daria, como eu queria,
Na tua foto educar o meu amor!

F.Serra
 
A TUA FOTO...

MÃE MEU ANJO DOCE PROTETOR

 
MÃE MEU ANJO DOCE PROTETOR
 
Eras o meu mundo de segurança!
Aninhado em teu colo…
Meus anos vindouros eram esperança.
No fundo dos teus olhos via vida,
Iluminada no aconchego do teu regaço.
Não havia tempo…
Não havia espaço…
Apenas o momento em que sorrindo me beijavas.
Que saudades dessa altura…
Em que menino sentia o mundo meu.
Nessa ingenuidade e candura,
Minha mãe…
De ter um abraço teu!

F.Serra
 
MÃE MEU ANJO DOCE PROTETOR

ALINHAVOS NUM QUERER

 
ALINHAVOS NUM QUERER
 
Queria cantar-te…
As mais belas árias de amor,
Desenhar assim a flor
Que saísse dos meus lábios.
Ser teu poeta…
Ser teu cantor…
Ser o melhor trovador
Que cativasse o teu âmago!
Porque canta o rouxinol na madrugada?
Porque cora a lua, quando o sol nasce na alvorada,
E lhe abraça o brilho que a noite lhe dá?
Porque existo eu, será porque existes tu?
Queria sentir-te…
Queria tocar-te…
Queria ter-te…
Não dum outro lado, senão o lado de cá!
Deste lado onde o abraço é quente,
Onde o trinar agasalhasse a gente
Nessa minha trova!
Queria louvar-te…
Queria enaltecer-te…
Mas não sei se o aceitas,
Ou mesmo ate se o rejeitas
Por teres um outro canto,
E assim no entretanto…
Queria cantar-te!

F.Serra
 
ALINHAVOS NUM QUERER

NOITES

 
NOITES
 
Deita aqui comigo...
Em lençóis de lua,
Descansem nossos corpos!
Deixa que a noite nos tape,
Com o brilho das estrelas...
e em madrugadas, de paixão,
Beije em seda a tua pele nua!
Deita aqui comigo meu amor,
Deita comigo...
Enxuga os meus olhos em pranto,
Que choram por não te ter!
Deixa beber de ti o sorriso, o olhar...
E ficar assim contigo…
Ate que a manhã nos abrace!

F.Serra
 
NOITES

SÁTIRAS DO MEU EU

 
SÁTIRAS DO MEU EU
 
Astro rei iluminado está
Tosco baldio onde me afago
No crepúsculo límpido sofá
Estéril chão que causa estrago

No roto, terra rasgada
Semente insípida, inchada,
Neste solo, morto infecundo
Funéreo fundo a ânsia enxada

Nasce trémula semente
No desenxabido mundo
Deste que já, jaz inerente
Ás mãos dum ser profundo

De pouca monta verna
Sem força e já febril
Do começo primaveril
Conspurca e logo inverna

Eis-me aqui em tal sêmen
Devoto aquilo p`ra que vim
Nesta inconstância fico enfim
Até que dê o triste ámen

F.Serra
 
SÁTIRAS DO MEU EU

NO GRITO DO TEU GOZO

 
NO GRITO DO TEU GOZO
 
Todo o teu corpo treme,
Grita, esbraceja e geme
A cada toque do meu.
Saltam teus seios
Endurecem teus mamilos,
Rebolam e avermelham
Os meus beijos ao senti-los.
Rebusco em ti esse prazer
Nos teus ais…
Nos teus gemidos…
E dos teus cinco sentidos…
Já não são cinco, são mais!
Cama revolta, prazer louco,
Intensamente e pouco a pouco
Vou beijando as tuas coxas.
É no teu gozo que me banho
Que me entranho…
Que me ajeito…
Que avidamente petisca
As caricias no teu peito.
Olhares abertos…
Sorrisos que comem…
Corpos nus que se entrelaçam,
Tu a mulher, eu o homem…
E todo o teu corpo treme!

F.Serra
 
NO GRITO DO TEU GOZO

SEM ELO

 
SEM ELO
 
Tenho o meu abraço,
Vazio…
Oco e quase frio
No longo espaço,
Em que medeia meu peito!
Tenho o meu abraço,
Desfeito…
Meio sem jeito
No nó em que me enlaço,
Na ausência de um carinho!
Tenho o meu abraço,
Sem ninho…
Sem um caminho
Sem norteio onde me acho,
Num amor que não avisto!
Tenho o meu abraço,
Meu Deus…
Como tenho o meu abraço…!

F.Serra
 
SEM ELO

NÚMEN

 
NÚMEN
 
Musa minha...
Senhora, de sonhos trajada
Te vi um dia…
Nesse corpo musa em que floriste!
Musa minha...
Na elegância o fino porte,
Em que deusa encarnaste!
Triste de mim malfadada sorte
De voar na minha mente,
Vivendo eu descontente
A ventura do encanto.
Musa minha…
Voa-me liberto o pensamento
Sem grilhões que o amarrem,
Que o atem…
Que o impeçam de encontrar-te
E mesmo até de amar-te,
Sabendo-te inalcançável.
Estável… sempre estável,
Este sentir…
Este querer…
Esta ânsia de viver,
Nas claras e límpidas águas,
Em que meus olhos te bebem!
Musa minha...
Tua alma de pétalas envergada
Pele alva, perfumada
Que embebeda meus sentidos!
Musa minha...
Vendo-te assim…
Esfumares-te…
Volátil…
Colorida,
Senhora de sonhos vestida!
F.Serra
 
NÚMEN

QUERO...

 
QUERO...
 
Quero teu coração em meu peito,
Batendo fundo...
Tocando a alma!
Meu corpo, enraizado em tua carne,
Bebe de ti o beijo,
Que a minha inquietude acalma!
Quero teu coração em meu peito,
Suavizar esta carência
Entrando em ti de desejo,
Batendo forte a cada compasso!
O teu sorriso na minha boca,
Respirando o ar que me da vida,
Quero teu olhar…
Quero teu sentir...
Quero-te por inteiro minha querida!
Quero teu coração em meu peito,
Que se abracem enleadas emoções
Corpos envoltos em paixões,
Entregando-se por inteiro sendo só um!

F.Serra
 
QUERO...

HOMENAGEM

 
HOMENAGEM
 
Antes de mais quero-te,
Antes de tudo desejo-te,
És o meu mundo de sonho,
Onde me enfronho
No teu querer!
É assim o meu viver,
Não tendo outro sequer,
És o universo onde moro,
És simplesmente mulher!

F.Serra
 
HOMENAGEM

OS MOMENTOS E A VIDA

 
OS MOMENTOS E A VIDA
 
A vida é feita de pequenas coisas que fazem grandes momentos …e grandes momentos que são destruídos por pequenas e estupidas coisas...!

F.Serra
 
OS MOMENTOS E A VIDA

ESSA COR QUE ME ALUA

 
ESSA COR QUE ME ALUA
 
Mergulhando na água cristalina dos teus olhos
Onde o sol poente se deita em graça tanta,
Enquanto a aurora luminosa se levanta
Teu sorriso luzente enfeito em beijos.
Cabelos cintilantes…
Onde as estrelas pousam,
Perfumados…
De desejos esvoaçantes,
Que a brisa acaricia em eterna dança!
Teu corpo jacente…
Altar supremo,
Dos mil amores que no meu habita,
Neste arrebatamento…
Paixão infinita!
Ao ver-te ali deitada,
Todo eu tremo!
Águas límpidas,
Transparentes e profundas,
Entranhando vai todo o meu ser
Na beleza pura dessa cor!
Lindos os teus olhos,
Da noite as estrelas,
Botão de rosa,
Perpétua flor…
A água cristalina dos teus olhos!

F.Serra
 
ESSA COR QUE ME ALUA

SENTIMENTOS ESTRANHOS

 
SENTIMENTOS ESTRANHOS
 
Queria pendurar um balancé nas estrelas
E baloiçar nele os meus pensamentos mais profundos!
Nesse silencio sentir o grito, na parte mais interior de mim mesmo…
Que me acalmasse…
Falasse comigo…
E no balanço do vai e vem…
Olhasse o infinito azul-cobalto que me pintasse os sonhos.
Por vezes o sossego conta-nos tantas coisas que é preciso,
Que é necessário estar atento para ouvi-las.
Quantos instantes estou desperto a cada momento que a brisa passa e me conta coisas que trás de outros lugares…
Cheiros que me fazem recordar outros momentos…
Outros espaços…!
Ouvir a quietude das coisas é dos ensinamentos mais sábios que a natureza nos dá e o homem pode aprender,
Não só ouvi-la, mas saber interpreta-la naquilo que ela nos diz.
Isso se nós sentirmos com o coração… a mente por arrasto e por cumplicidade faz luz no nosso espirito.
Talvez por isso me apetecesse hoje pendurar um balancé nas estrelas…
Balançar-me nas minhas fantasias…
Num apenas e só…
Dançar com o universo para me sentir vivo!

F.Serra
 
SENTIMENTOS ESTRANHOS