https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Garrido

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Garrido

Silêncio

 
São parcas as palavras do silêncio,
Apenas as estritas e necessárias.

Voam amorfas, palavras hertzianas,
Pairam ao cimo das nossas cabeças.
Ruído trovejado de mar tempestuoso,
Na iminência de naufrágio tenebroso.

Tenta cada um, insuflar o seu balão,
(Enche mais, tanto mais ocas as palavras)
Até rebentar inchado, em mil farrapos,
Como na língua ter uma bola de trapos.

Abdique-se da sobre-razão de si mesma,
Sentindo o pensamento, sem pensar
O que se sente, sendo razão ela própria,
Sem forjá-la, sofrendo a vida sóbria.

Como as crianças, fechar a boca à chave,
Só abrindo para engolir a complexa cifra;
Só abrindo pela força maior do riso;
Para sempre, sem nunca ganhar juízo.

São parcas as palavras da tranquilidade,
Cristalinas, reflectindo apenas verdade.

Garrido Carvalho

Janeiro '09
 
Silêncio

Tu...

 
Tu...
 
Um poema deixado ao vento,
Na lonjura de um Oceano,
Te leve em menos de um ano,
Aquilo que diz meu sentimento.

Quem muito ama diz que saudade,
É sempre presente no coração.
No meu, há grande atrás de grades,
Vai muito além do astro Plutão.

Surpresa encontrar em Alcatraz,
Diamante que não conhecia,
E daí, perfume a maré traz…

Construir estradas, uma ponte,
Para quebrar esta distância,
Enfim, olhar-te no horizonte…

Garrido Carvalho
Outono ‘04

O primeiro poema para a mulher que está em primeiro no meu coração
 
Tu...

Pensamento Simples

 
Quando crianças, descobrimos o mundo a partir das coisas simples. Quando adultos, temos oportunidade de descobrir a simplicidade.

Garrido Carvalho

Maio '09
 
Pensamento Simples

Paladares

 
Gosto do gosto,
de gostar de ti.
E como é bom o paladar,
de um beijo amado,
que me vem provar,
o coração escravizado.

Gosto do gosto
da cereja, vermelha,
Que flameja.
E degustar... E degustar...

A fruta mais exótica,
é insossa e banal,
Se te provo ao natural.
E o ácido do ananás,
huefff....
É calafrio gostoso,
frescura gutural
de carinho saboroso.

E um dia... Um dia,
Somente restaria
o amargo tenebroso,
Sem meu doce apetitoso.

Garrido Carvalho

Agosto '09
 
Paladares

O Fiel da Balança

 
Aferido, é metrologia
Testada, registo da balança,
Indica na maior confiança,
O peso exacto, fiel guia.

Nunca foge da pura verdade,
Física de homem incrédulo,
Ajuda em, com simples pêndulo,
Enfrentar a cruel gravidade.

Ignorante de outra resposta
Ao amor, não à força desleal,
Pura verdade sempre imposta.

Mesmo que respeitado em geral,
Traição pensada, e sem outra,
Balanceado desejo carnal.

Garrido Carvalho
Julho ‘08
 
O Fiel da Balança

A Loucura da Poesia

 
Todo o poeta é louco,
Pelo menos o sincero,
Vivendo da honestidade.

Também pudera!
Cantar o triste, contente
De ter no peito uma dor refulgente,
De sentir, apertado, o cerco da morte
E o sofrimento da sorte.

Concerteza louco!

A loucura de estudar mais precisamente que o cientista,
Enumerando, uma a uma, todas as dores;
De melhor cuidar os humores que o psiquiatra,
Revelando os estados da alma e os dissabores;
De lutar por um mundo mais justo que o bom juiz,
Julgando no bico dos pés, como um petiz;
E ensinar o professor a aprender,
aprendendo às custas do ouvir, chorar e ver;
E ainda, ambicionar mais paz que o santo,
Às vezes, sem ela no coração, nem a um canto.

Não há Homem assim douto,
A não ser um louco!
E maior loucura, é viver sem poesia.

Garrido Carvalho

Maio '09
 
A Loucura da Poesia

Inquérito aos Pés

 
Movem-se os pés,
Um após outro.
Rápidos!
Ronceiros...

- Para onde ides pés?
Sabeis vós qual o caminho?

Quererão seguir os pés,
O mesmo carreirinho
Que a ideia quer trilhar?
Seguirão o rebanho,
Tocados pelo cajado do pastor;
Ou irão livres e despassarados,
Ou libertinos desarvorados?

- Sentis o equilíbrio pés?
Conheceis vós tão fina linha?

Haverá maior firmeza
No instinto, alma minha,
Que o vínculo animal?
Selvageria frenética,
Furiosa antropofagia;
Ou consciência pessoal,
Ou positivismo social?

Sei bem que não!
Não sois assim conhecedores.
Sois apenas pés,
Pés com os pés no chão.

Garrido Carvalho

Setembro '09
 
Inquérito aos Pés

As Voltas das Serpentinas (I)

 
Três dias. Três dias de festa. Ano após ano, reina a folia, mesmo para personagens menos prováveis. Aliás, o caso do Anselmo. Trezentos e sessenta e dois dias fazendo pela vida. Três para jogar ao Carnaval. Anselmo é homem pacato e esmerado. Para sua glória, disse-lhe um dia a Rita: - «Ai que original!» A exclamação soava a falso. Ir no corso com a associação cultural, dava-lhe uma pincelada de cor, ainda longe do arco-íris. A imagem do homem, alguns anos de trabalho em comum e muita conversa de circunstância desenganavam quase todos. Chegava a ser irritante, o anúncio do próximo aparelhinho de brincar, quando cantarolava as músicas da rádio mais ouvida, ainda sem alguém as ter notado, ou quando divulgava, pomposamente, o lugar mais badalado para beber um copo, uma reminiscência dos tempos juvenis. Um gosto popular, sem o ser ele próprio, pelo menos tal como gostaria.

Garrido Carvalho

Carnaval '10
 
As Voltas das Serpentinas (I)

Ciência ao Vivo e a Cores

 
Ciência ao Vivo e a Cores
 
O que lembra a palavra ciência? Algo ininteligível, encerrado num laboratório ou na massa cinzenta de alguém miudinho, entre tubos de ensaio, ou às voltas com máquinas infernais. Um coca-bichinhos à procura da infinidade ou da imensidão. Ser-se cientista é afinal, profissão de cérebros, quase génios, ou pelo contrário, acessível a todos e qualquer um? Independentemente disso, ciência é algo sério. Requer concentração e trabalho sistemático. Muito trabalho sistemático. Divulgando resultados em troca de pouco mais que prestígio, dentro de comunidades científicas praticamente desconhecidas do grande público. Porquê então, fazer investigação? Porque há o desafio de inovar, explorar o que ainda não foi explorado, estar onde ninguém esteve, enfim, quebrar sucessivas barreiras pessoais, até chegar à adrenalina de estar à frente numa dada área. Avançar passo a passo, conhecer profundamente a maior minudência, ou o mais ínfimo pormenor universal. Fundamentar fenómenos, alertar para problemas, apoiar e divulgar soluções que implicam o dia-a-dia. Contribuir de forma parcial ou integrada para a superação dos limites que nos estão impostos a vários níveis: doenças, fontes de energia, comunicações, agricultura... Em todos os domínios associados à actividade humana, temos uma multiplicidade de trabalhadores a pensar o futuro.

Será comum a todos, a curiosidade de compreender o que nos rodeia e de contribuir para os próximos gestos das nossas vidas? É certo que muitas pessoas têm em casa um micro-ondas, que utiliza perfeitamente, desconhecendo o comprimento de onda em que funcionam. Todos sabemos que os objectos caem ao chão, mas teremos a percepção do porquê? É importante perceber o DNA, se os nossos antepassados o carregaram desde sempre desconhecendo-o, tendo a espécie sobrevivido perfeitamente? Parece que sim, pois podemos transpor para o trabalho, lazer ou descanso muitos desses ensinamentos, ganhando em riqueza e tolerância, e ajudando também a divulgá-los, trocando pontos de vista. Como se diz habitualmente, o saber não ocupa lugar, além de que nunca se sabe quando um conhecimento será proveitoso. Mas nós, os comuns trabalhadores teremos tempo e paciência para “estudar”, nem que seja superficialmente, os principais fundamentos científicos? Existirá outra abordagem a um tema tão vasto e em relação ao qual não dispomos de todo o tempo para dedicar? Como podemos dar o primeiro passo em direcção à descoberta e à interpretação dos fenómenos do dia-a-dia? Como relativizar essa aprendizagem, retirando-lhe uma carga negativa, como a um átomo, restando um ião positivo, a parte divertida e lúdica desse mundo?

As respostas a todas estas perguntas estão bem acessíveis no Visionárium, em Santa Maria da Feira, bem perto do Porto. Brincar à ciência, sem compromisso, sem necessidade de uma base prévia. Ouvir um caracol comer, experimentar num laboratório a sério. Puxar, empurrar, sentir, ver, ouvir e cheirar o mundo, ao ritmo do apetite, investindo no que desperta maior curiosidade, a sós ou em família. Talvez uma boa desculpa seja mesmo essa, uma criança. Um filho, sobrinho, vizinho ou irmão podem ser a razão para decidir uma visita. Muitos dos conteúdos e actividades estão orientados às crianças, sendo uma óptima oportunidade de brincar à ciência, nós e elas em conjunto, descobrindo-a e descobrindo-nos. Dentro das possibilidades de cada um, de tempo e economias. Como se pode verificar facilmente na página do Visionárium, na internet, são muitas as possibilidades de actividades para escolas, grupos ou indivíduos. Visitar simplesmente a exposição, um tema de cada vez, pois os temas são vastos, ou tudo de uma assentada. Realizar actividades no Laboratorium, ou não, a escolha é sua, podendo programar cada visita à sua medida. Vai ver que a ciência está mais acessível e divertida do que nunca.

Garrido Carvalho
Setembro ‘08

Foto: cortesia Visionárium
 
Ciência ao Vivo e a Cores

Da Minha Janela

 
Vejo o mundo da minha janela,
Como o melrro na gaiola,
A cantar o seu enfado.
Da minha janela,
Vejo apenas a minha rua,
Ouço passos de gente,
Aqueço-me ao sol e à lua.
À minha janela,
Provo o doce e o amargo,
E meço a bondade pela altura,
Se é franca, e o que dura.
Me parece, da minha janela,
Que minha mão não auxilia,
Suficientemente,
Quem dela precisa um dia.
Que minhas palavras não reforçam,
Sufucientemente,
O juízo que os inocentes clamam.
Entra-me o mundo pela minha janela,
E o cheiro da minha rua: sofrimento e alegria.
E o que mais admiro nela,
É poder fechá-la ao fim do dia,
Quando estou cansado,
Desligar o botão, aliviado,
E ler então,
Ler o mundo devagar.

Garrido Carvalho

Janeiro '09
 
Da Minha Janela

Ocio

 
O ócio encurva, o trabalho endireita.

Garrido Carvalho

Maio '10
 
Ocio

Para Ti

 
Para ti, que vives só, comigo,
Para ti, que amo só, contigo.

Enches-me a vida de mil cores,
Ofereces-me o arco-íris,
Delícias delicadas de sabores,
A cidreira, a salsa e o anis.

Um segundo apenas, de magia,
O conhecimento é fecundo,
Nos teus lábios um sorriso, alegria,
É completo o meu mundo.

Garrido Carvalho

Março '08
 
Para Ti

O Desentupidor de Canos e a Frustração

 
Haverá algo mais elementar que o desentupidor de canos?
Há. Mas não é disso que vos quero falar.
Haverá algo mais frustrante que não saber usar tão intuitivo instrumento?
Há. Mas não me lembro agora.

Aparentemente evidentes,
Podem abrir o sorriso a muita gente,
Tão estapafúrdias perguntas.
E é verdade me fazerem corar,
Talvez porque vos imagine
Desprezar tão simplório pensar.

A verdade, Se uma existe,
É a complicação de entender
Quão complexo é o universo,
Mesmo para coisas tão reles,
Impondo-se-nos a cada momento.

Tudo se inicia num problema,
Nem simples, que desses não há,
Nem complexo, pois evidente,
E incómodo até:
Ai a sujidade que se não some!

Num repente, degenera em dois ou três problemazinhos,
Ainda antes de resolvido o padrasto deles!

Com a afamada ventosa na mão:
- Ai que vai disto, e com isto há-de ir!
Mas será que vai? E não é que custa a ir...
Empurra-se, injectando uma golfada de água
no esgoto... Sem efeito... Empurra-se de novo...
Ainda sem efeito... E outra vez... E nada?

Raios!
Também os desentupidores deveriam
ser vendidos com livro de instruções!

Imagine-se o funcionamento da geringonça:
Imagine-se o fluxo da água no cano, forçada
pela sobre-pressão da campânula, acelerando...
Imagine-se o efeito do rápido refluxo. Invertido
O sentido, a depressão... abalando, remexendo;
Imagine-se agora um rápido sacudir (o segredo),
Agitado, quase frenético, quase tremura!

Eis o turbilhão!... Eis o turbilhão!
Arre!... Passou a frustração!
Afirma-se a auto-confiança,
sacudindo a vida e a esperança.

Garrido Carvalho

Junho '09
 
O Desentupidor de Canos e a Frustração

Uma flor!

 
Uma flor!
 
Uma flor!

Reclamo luminoso,
Doce odor.

Porque morre uma flor?
Obstinação das plantas,
E gastou Deus a imaginação.
E num repente...
Esvai-se o seu fulgor.

Sacrificam-se em prol de miríades
De sementes espalhadas à sorte,
Ou se esgotam sem fecundação.
Todas se cansam de nos olhar.

Porque morre uma flor?
Sacrifício de renovado esplendor.

Garrido Carvalho

Junho '09
 
Uma flor!

As Marés do Marinheiro

 
As Marés do Marinheiro
 
Mar adentro até à praia,
Até à costa do teu sorriso.
De onde, um destroço embarcaria,
Se assim entenderes preciso.

Amo os peixes em cardume,
Que habitam o teu pensamento;
Ai... Se os pescam o ciúme,
Deste namoro ao firmamento.

Ainda me cheiram as algas,
Do mar negro do teu cabelo.
Afogo o amor, se ordenas suspendê-lo.

Se as marés para trás andassem,
Também eu, para trás recuaria,
Agarrar o mar, o que hoje conservaria.

Garrido Carvalho

Janeiro '09
 
As Marés do Marinheiro

Poesia (Definição segundo o Dicionário Enciclopédico de Português)

 
Poesia, nm LITERATURA. As concepções de poesia são muito diversas, segundo as épocas, os países e os autores. Defini-la é para alguns quase sacrilégio e não se pode dar mais do que uma ideia aproximada da sua natureza instintiva e irracional. O encantamento não é susceptível de racionalização: a poesia é fruto de um arrebatamento, de uma paixão, de um delírio que a lógica não consegue apreender. Por vezes, é mesmo aventura mística, que segundo Bremond chega a confundir-se com a oração. Para alguns a poesia é conhecimento. «É preciso chegar ao desconhecido pelo desregramento de todos os sentidos» - diz Rimbaud. E os parnasianos exaltam a aliança da ciência e da arte numa poesia erudita cuja finalidade é realizar a beleza. Paul Valéry insiste na palavra grega poiésis, cujo sentido etimológico é fazer, para ele, a poesia é fruto de um trabalho consciente. Enfim, para o surrealismo a poesia deve procurar o insólito. É tanto o instrumento de uma descoberta do inconsciente como o de uma libertação de servidões morais e estéticas. Comprometida, deve reflectir a imagem atormentada do nosso mundo.
Se da prosa é possível dizer que pode ter uma função utilitária (veicula informações, nomeia os objectos), para o poeta as palavras não são instrumentos: isto explica que ele crie uma linguagem específica, com regras próprias. O ritmo, a rima, a musicalidade, a imagem são elementos essenciais dela. O ritmo, ligado à respiração, traduz os sentimentos humanos, desde a brevidade do grito até às sinuosidades da melopeia. Toma a cadência do verso que, disposto tipograficamente numa linha, soma um certo número de sílabas, igual para cada verso, na poesia clássica. O ritmo marca as pausas do poema. Segundo a fantasia da sua inspiração, os poetas utilizaram diversas formas: a estrofe (ou estância), comparável ao parágrafo num texto em prosa, constitui um todo orgânico dentro do poema. Assim, na terça rima, os versos apresentam-se em tercetos (como na Divina Comédia de Dante). A quadra é correntemente utilizada desde a antiguidade (Epigramas de Marcial): estrofe de quatro versos, basta-se a si própria pelo sentido. A sextilha data do século XII: é composta por seis estrofes, todas com seis versos, e por uma meia estrofe de três versos no final; as palavras que rimam encontram-se em cada estrofe, mas numa ordem diferente. Um dos versos mais sonoros é o alexandrino, composto de doze sílabas. Diz-se que um verso é monosilábico quando cada palavra que o constitui tem só uma sílaba. Repetição simétrica de um som no fim de cada verso, a rima era na arte poética tradicional objecto de leis precisas. Além dos versos regulares, distinguem-se os versos livres, que os simbolistas, sobretudo, usaram. A extensão do verso e a estrutura da estrofe não estão submetidas a regras fixas como, por exemplo, no soneto. A emoção ou o devaneio dita o ritmo do poema. A rima atenua-se em assonância ou desaparece mesmo. Mas, para lá da música, as imagens e as metáforas (simples comparações, perífrases, etc.) acrescentam ao encantamento verbal um poder como que mágico. Como os poetas clássicos, Hölderlin considerava que a divisão em géneros era necessária. Distinguia a poesia épica da poesia trágica (ou dramática) e da poesia lírica. A poesia épica celebra um feito heróico. Compreende um argumento e põe em cena personagens fabulosas. A este género pertencem a epopeia e a balada épica, que era na Idade Média uma canção popular dançada. A poesia dramática compreende também uma história em forma de monólogo ou de diálogo. Tem correlação com o teatro (tragádia, comédia ou drama) e a ópera. A poesia lírica sobre os temas do amor, da morte e da fuga do tempo exprime a personalidade e a sensibilidade do autor. A elegia, a ode, o soneto pertencem a este género. A balada compõe-se de três estrofes de seis, oito ou dez versos, de medida e rimas idênticas. O rondel e o rondó são peças breves que compreendem só duas rimas e em que um dos versos é repetido várias vezes. Por último, o lai, criado por Maria de França, confunde-se facilmente com o romance em verso. A estes três géneros poéticos principais pode-se acrescentar a poesia didáctica, que procura instruir (fábulas, sátiras, epístolas), e a poesia bucólica, que descreve a vida campestre: a écloga, muitas vezes dialogada, inspirou os antigos: Teócrito, depois Virgílio, Petrarca e Ronsard. Nos idílios o tema é amoroso e pastoral.
A poesia acompanhou todas as transformações, sobressaltos e movimentos artísticos do século XX, resultando não na abolição dos géneros tradicionais, mas na recusa das suas convenções. O poeta moderno impõe-se as suas próprias regras: vê-se constrangido a inventar uma linguagem nova para lançar um olhar, também novo, sobre um mundo em transformação incessante.

Citado de: Dicionário Enciclopédico de Português, Editorial Verbo, S.A., 2006

Ainda não me satisfaz suficientemente esta definição, mas é um início...

Garrido Carvalho
 
Poesia (Definição segundo o Dicionário Enciclopédico de Português)

A Brisa Também É Tempestade

 
É suave a brisa,
- Murmúrio entalado -
A varrer a erva rasteira,
E vigorosos montados.

Abana uma margarida.
Dobra-se. Cai de joelhos,
Oca por dentro. Revoltada!
Parece suave, a brisa
Da insignificante mentira,
Dos pequenos equívocos,
Da intriga miudinha...

Garrido Carvalho

Janeiro '10
 
A Brisa Também É Tempestade

Acção Local e Global - Agir Para Viver

 
Acordar, sair da cama, agir, comunicar. Todos nos repetimos no essencial, nos gestos e nas acções. Basta pensar na respiração e no batimento cardíaco. Quem os não tem e esteja vivo? A alimentação, o trabalho, actividades sociais, recreativas e outras estão na base da nossa existência e desenvolvimento pessoal. Consciente ou inconscientemente, todos influenciamos o meio que nos rodeia, uns para viver, outros para sobreviver. Cada um dos indivíduos que abundam por aí, e que se formos francos não teremos dificuldades em reconhecer-lhes direitos de vida iguais, pensam diariamente como vão pressionar a sua bolha de influência, para usufruírem das melhores condições de vida ao seu alcance. Algo tão natural que é comum a todos os seres vivos, independentemente do tamanho, da complexidade e do seu reino. Aparentemente tudo está bem, então, já que segue a sua natureza. Há no entanto um problema, e grande, um grande problema de escala. Não no número de almas, que esse ajusta-se sempre de forma automática ao potencial de sobrevivência de cada área. O problema reside na dimensão crescente em que a acção humana tem vindo a transformar a dinâmica da natureza. Até à revolução industrial, a actividade humana era limitada pela força própria, dos animais, e de engenhos mais ou menos rudimentares, mas em geral limitados no seu impacto. Foi o surgimento da exploração de formas energéticas mais densas que, na sua extracção, transformação e utilização, trouxeram consequências nefastas em troca de conforto, bens e serviços. É quase unânime que os aspectos negativos são um mal necessário para melhorar o nível de vida que temos, ou no mínimo, para não o perdermos, e assim são aceites passivamente, atitude que degenerou no agravamento das consequências até ao ponto actual. Embora ainda estejamos próximos do ponto de não retorno, segundo uns, ou já em cima dele, com irreversibilidades graves, segundo outros, a inércia de mudança vai atirar-nos muito para além dessa charneira. De agora em diante é o tempo de corrermos atrás do prejuízo, também pelos nossos filhos e netos, mas sobretudo por nós próprios, pois começamos a sentir na pele algumas transformações mais ou menos subtis. Alguns recursos começam a rarear, petróleo, ar limpo e água, para nomear os mais sonantes. De qualquer forma, rapidamente se consegue saber que as reservas de combustíveis fósseis ainda são razoáveis para os níveis de consumo actuais. Mas, com a continuação da carburação desta energia de forma crescente, o ar limpo tenderá a rarear ainda mais. Com a continuação da produção de bens para satisfazer os nossos caprichos, existe cada vez menos água potável, menos floresta, menos factores de produção. Os equilíbrios biodinâmicos, o verdadeiro suporte da vida no nosso jardim global, desaparecem rapidamente com a desflorestação, com a monocultura em grande escala e com as químicas que garantem a produtividade que nos alimenta a todos. Portanto, à medida que vamos resolvendo os problemas com soluções mais fáceis, vamos agravando-os, dificultando no futuro a sua verdadeira resolução. Já não podemos esperar confortavelmente que eles, sejam lá cientistas, engenheiros ou políticos, resolvam a situação. É urgente pensar no impacto de cada gesto da nossa pequena vida, no sistema global que nos acolhe. Procurar e reflectir sobre as alternativas de que dispomos, tentando dar um sentido de grupo às nossas vidas. Reorientarmo-nos para objectivos comunitários, e não só para objectivos pessoais. Serão as pequenas acções de todos, e não as de meia dúzia de pessoas, a resolver este problema de uma escala desconhecida para o homem. Vivemos uma oportunidade de reformular os nossos objectivos de indivíduos inseridos em comunidades, de nos unirmos em torno de uma causa comum, com entusiasmo e respeito mútuo.

Garrido Carvalho

Julho '08
 
Acção Local e Global - Agir Para Viver

Perdão!

 
Perdão!
Grita o morto, já na tumba.
Estás perdoado!
Faz coro, o cortejo aliviado.

Não há santo sem pecado,
Quem aprende sem errar?
Dívidas todos temos,
Todos temos de as pagar.
A mim não!
A eternidade não desculpa,
O medo não redime,
A consciência não alivia.

O livro dos assentos,
Quero livre de faltas,
Como riscar apontamentos,
Sem a morte fazer contas?
Cada dia que passa,
É uma oportunidade mais,
Findar a hipocrisia que grassa,
Perdoar família e os demais.
Perdão só há um,
Perdoa sem condicionador,
É o amor e mais nenhum!
Mas… quem perdoa o amor.

Garrido Carvalho

Março 08
 
Perdão!

Da Primavera

 
Trazes um brinco de cerejinhas,
Enches a cesta, da fruta amada.
A tua face, tão rosadinha,
A mais formosa, e delicada.

Nossa colheita bem preciosa,
És invencível em tal canseira,
Uma coragem deliciosa,
Dás coração, ganhas brincadeira.

A alegria duma cantiga,
Fazendo eco, na tarde calma,
É perdição por uma amiga,
Oh Companheira, meu par na alma.

Fazem seus ninhos, os passarinhos,
Cantam, encantam, na primavera,
Voam ao vento, fazem carinhos,
Visão sincera, duma quimera.

Garrido Carvalho
Maio ‘08

É primavera haja alegria!
 
Da Primavera

Boa semana!