Luso-Poemas
Registre-se agora!     Entrar

Links patrocinados



Menu de poemas

Quem está aqui

187 visitantes online (78 na seção: Poemas e Frases)

Escritores: 3
Leitores: 184

aquazulis, cavenatti, ValdomiroPoeta, mais...

Licença

Licença Creative Commons

Proteção anti-cópia

Protegendo os seus poemas com Tynt

Leia também

RSS Feed

(1) 2 3 4 ... 111 »
Textos deste autor
Offline
HSERPA Crónicas LIÇÃO PARA GANHAR NAMORADOS OU NAMORADAS
LIÇÃO PARA GANHAR NAMORADOS OU NAMORADAS Para quem me conheceu em outros tempos haverá de dizer ...
Enviado por HSERPA
em 24/10/2014 23:00:32
Textos deste autor
Offline
Figas Crónicas A FORÇA DUM FODA-SE!
A força dum foda-se! Sobre o cinzento do pavimento, ao longe, em rota de colisão com este observa...
Enviado por Figas
em 23/10/2014 22:15:40
Textos deste autor
Offline
JoeWeirdo Crónicas O despertar da alvorada e o adormecer de um estranho qualquer (Synergy)
Os ócios em clara denúncia despontam o lado abstruso de minha percepção. Eu era fato, eu era tato...
Enviado por JoeWeirdo
em 23/10/2014 09:35:11
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas ESSES VELHOS (E NOVOS) TEMPOS
ESSES VELHOS (E NOVOS) TEMPOS Sinto saudades de muitas coisas de minha adolescência. Muitas veze...
Enviado por MaryFioratti
em 23/10/2014 02:33:30
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas O TRABALHO É ESSENCIAL EM MINHA VIDA
O TRABALHO É ESSENCIAL EM MINHA VIDA Comecei a trabalhar quando tinha 19 anos. Apaixonei-me ...
Enviado por MaryFioratti
em 19/10/2014 01:44:23
Textos deste autor
Offline
fred_só Crónicas Sabedoria de um cego de coração
Ser grato a uma pessoa que com tão pouco tempo fez com que um coração escuro e triste restourasse...
Enviado por fred_só
em 16/10/2014 22:15:06
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas O LIVRO INVISÍVEL DE MINHA MÃE
O LIVRO INVISÍVEL DE MINHA MÃE A cada dia tem algo que me lembra você, seja em qualquer cois...
Enviado por MaryFioratti
em 15/10/2014 03:08:22
Textos deste autor
Offline
FabioVillela Crónicas O fim da Filosofia e da Sociologia no Ensino Médio
Ouvi há poucos dias, entremeio a uma entrevista da candidata à Presidência da República, Dilma Ro...
Enviado por FabioVillela
em 13/10/2014 20:25:38
Textos deste autor
Offline
GELComposicoes Crónicas Na oitava latinha... (divagações ébrias)
É engraçado como a cabeça da gente começa a funcionar "melhor" depois da oitava latinha...
Enviado por GELComposicoes
em 12/10/2014 14:21:50
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas O QUE APRENDI HOJE?
O QUE EU APRENDI HOJE? Adoro o verão! É um tempo que me faz reciclar, junto todas minhas ene...
Enviado por MaryFioratti
em 10/10/2014 03:07:45
Textos deste autor
Offline
marcelooso Crónicas Livro Sobrevivendo
SOBREVIVENDO Atenção pessoal! Já está à venda o livro de crônicas Sobrevivendo, que versa sob...
Enviado por marcelooso
em 09/10/2014 11:51:04
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas SEGREDOS DA ALMA
SEGREDOS DA ALMA Quantos segredos guardam nossa alma! Sempre a espreita, parece um cofre onde ...
Enviado por MaryFioratti
em 06/10/2014 03:59:30
Textos deste autor
Offline
JoséCorreia Crónicas desde que um arrepio
No blog: http://ondeficaesperarpor.wordpress.c ... /04/desde-que-um-arrepio/ para Frumi perd...
Enviado por JoséCorreia
em 04/10/2014 12:44:10
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas CAMINHANDO COM MEUS VELHINHOS
(Esta é a minha velhinha preferida, Laura Martin) CAMINHANDO COM MEUS VELHINHOS ...
Enviado por MaryFioratti
em 03/10/2014 03:56:27
Textos deste autor
Offline
FilamposKanoziro Crónicas cravo e mel drapejam corpos flutuantes na certeza das madressilvas que ela virá outra vez
Ela virá outra vez. Talvez não do espaço sideral, nem fazendo entrada triunfal. Tenha certeza ...
Enviado por FilamposKanoziro
em 30/09/2014 15:41:30
Textos deste autor
Offline
Shepherd Moon Crónicas Lisboa às cores
Álvaro de Campos escreveu, no seu poema “Lisboa com suas casas”, acerca das cores das casas de Li...
Enviado por Shepherd Moon
em 29/09/2014 15:01:44
Textos deste autor
Offline
FilamposKanoziro Crónicas Ninguém poderia reclamar
Pertinaz que fosse ou não, ao menos seriam acirrados os ânimos. Obstinados com atuação de pe...
Enviado por FilamposKanoziro
em 28/09/2014 09:41:06
Textos deste autor
Offline
HSERPA Crónicas O PASSEIO DO CÃOZINHO E O DESAMOR
O PASSEIO DO CÃOZINHO E O DESAMOR Tenho reparado, andando pelas ruas da cidade, pessoas levando ...
Enviado por HSERPA
em 26/09/2014 23:34:48
Textos deste autor
Offline
PedroGeraldo Crónicas É assim, ou quase assim, no Vale
Não muito distante do local em que me encontro, uma praça pequena, próxima ao centro de uma cidad...
Enviado por PedroGeraldo
em 26/09/2014 13:07:56
Textos deste autor
Offline
MaryFioratti Crónicas QUANDO ME TORNEI MÃE
QUANDO ME TORNEI MÃE Quanta fragilidade existe numa criança. Ela vem ao mundo ...
Enviado por MaryFioratti
em 26/09/2014 02:29:00
(1) 2 3 4 ... 111 »

Login

Usuário:

Senha:

Recordar senha



Esqueceu a senha?

Registre-se gratuitamente!

Leia também

Comentários Recentes

Luso Pensamentos

Frase

É incrível que, no intuito de justificar as nossas crenças, coloquemos Deus na terra e o Homem no céu

(Garrido)



A folha

A folha cai no verão.
( Era folha de papel)
Não consigo pegá-la
Porque o vento é forte
E me leva para longe.

Matheus



Insanidade perfeita

Sinto-me cansada
Já me faltam as palavras!
As que saboreio entre dissabores
Da minha própria loucura
Já não sinto o meu corpo
As vogais consomem-no
Adormece em brandas consoantes
Ficam tantas frases por dizer
Aquelas,
Que já não consigo escrever,
Falta-me a força
A caneta começa a tremer
Soluça.
O meu olhar constrói
O que meu pensamento rejeita
Esta sou eu,
A doce mulher
A insana, poeta...

(ConceiçãoB)



Tempestades

Tudo em mim, são dias de tempestades...
Por isso entrego minha alma à poesia
E meus dias a escrever versos
E meto uns poemas em velhas garrafas
E as levo para as águas intermináveis dos mares
- revoltos e tristes -
E as lanço, na singela esperança
De que um dia alguém os leia
Ainda que meus pés não estejam mais sobre este chão
E meu corpo tenha sido já lançado no ventre desta terra impura
E minha alma tenha também partido
- para a imensidão do infinito com que sonho,
ou para o abismo solitário que me amendronta...

(Vanessa Marques)


vaga-lume

... beijar-te

- era ser
pássaro azul
dedilhando ugabe

era levitar
beber das nuvens
e desfolhar os céus

era um doce caminhar
sem tocar o chão
estirpes desaguando
em aljôfar...

era dédalo a calar-me
se acontecia
cascata de sonhar-me
na boca que feliz
se fenecia

- e era livre
sendo chama
toda asas
vaga-lume
brilhante
como quem ama.

(RoqueSilveira)


Nós de poesia

A vida é feita de incompletudes...
Como os bares de mesas vazias
Nas calçadas
Ou as longas estradas
Repletas de nada dos dois lados

Ainda assim, escrevo
Mesmo sabendo que em mim
desatam-se nós de poesia
E atam-se outros em seguida.

O fato é que
Daquilo que me resta
Faço-me humanamente completa
meramente humana...

(Vanessa Marques)



Frase

"Amor" é o presente dado sem esperança de retorno,
e o que esperamos é apenas que não seja rejeitado

(Junior A.)



Frase

Como posso explicar
Esta dor
Invasora
Da minha alma
Senão dizer
Que és a mentira
Mais verdadeira
Da minha vida...?

(Raquel Naranjo)



Frase

O amor é como a justiça:
Injusto e cego.

(TrabisDeMentia)



guardanapos

do nosso beijo,
muralhas

do nosso amor,
migalhas

do nosso verbo,
mortalhas

dos nossos papos
poemas
em guardanapos

(Niké)



Sexto sentido

Tenta ouvir o silêncio...
Ver a luz na escuridão profunda...
Cheirar o aroma da mais pura água...
Sentir a textura do vento...
Saborear a doçura do sal...
Quando o conseguires...
Irás te descobrir...

(gera)



Só saudade

Dor que sente
Dor que não se mede
Que vai e vem

Com a vida vou rolando
Com a dor vou buscando
Talvez alívio...

Quando doer que seja
Sem deixar morrer
Só saudade...

(amasol)



A foz

Se cada coisinha que eu sei correspondesse a um rio... E se cada um deles desaguasse na mesma foz...Esta não teria senão o tamanho de uma bacia bem pequenina na qual eu refresco os meus cansados pés. Os rios seriam tão curtos quanto a minha felicidade, tão estreitos quanto a minha existência, tão secos quanto a minha solidão. Mas talvez, talvez bem no fundo da bacia, talvez para lá das lágrimas turvas, e para que eu me possa orgulhar, talvez sorriam dois peixinhos, que eu, apesar da distância possa contemplar! E quem sabe... Uma flor se incline e faça nascer, na foz uma flor que eu possa colher!

(TrabisDeMentia)
Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...