https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens sobre escrita

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares sobre escrita

Para todos os Luso-Poetas!

 
Para todos os Luso-Poetas!
 
Não te sintas pequenino,
Se as luzes da ribalta em teus pés não tocarem,
Sente-te feliz como um menino,
Diverte-te escrevendo, vivendo e rindo,
Pois só os cegos, não verão em ti, fascínio!

Não decaias por entre gigantes,
Que nada têm para te ensinar,
Vê-os apenas como os elefantes,
Que há muito cá andam e têm experiência para dar,
Que podem ajudar e momentos partilhar…

Não condenes os vencedores,
Por terem a fama conseguido,
Apenas chamaram mais atenções dos leitores,
Desta vida, deste livro,
Que por eles foi bem merecido!

Não desistas de tentar,
De batalhar por um momento,
Em que possas chorar, rir e contemplar,
Pois de nada serve o sentimento,
Senão for para o mostrar!

Cospe o que sentes, mas deixa para que outro possa pensar e interpretar…

Read more: http://ghostofpoetry.blogspot.com

________________________________________________
Dedico a todos os leitores e escritores do Luso-Poemas... Desde os mais lidos aos menos lidos (Sem disitnção).

Pois todos são dignos, e todos são escritores!

Abraços e Felicidades a todos!
 
Para todos os Luso-Poetas!

Vali-me da poesia para chegar a ti!

 
Vali-me da voz, através da escrita…essa maneira erudita, de poder chegar a ti.
 
Vali-me da poesia para chegar a ti!

Com e sem sol

 
talvez haja o sol,
uns desenhos sujos,
irrelevantes,
morrendo como sombras chinesas
nas paredes eternecidas,
do entardecer,...

com as cidades
a perecerem por trás da frase,
do complemento direto
destes segundos
que matam mais
que debitam,
a nascitura infelicidade
de milhões de anos
num copo de nada,...

e quando só há o breu,
a fútil certeza da desilusão,
fazes-me a mim mais mal,
que bem,...

sem sol
 
Com e sem sol

A MODERNA ESCRITA.

 
A MODERNA ESCRITA.

N’uma escrita moderna
Alguns aguardam umas bizarrices
Umas novas neologias
– perdoem-me a redundície -
Subalternas das orgias antigas

Aguardam d’eu entrar de cabeça
na rabeira dessa briga
Porque,
Agora, tem de a poética ser nova
Mesmo a idéia seja antiga

Gê Muniz
 
A MODERNA ESCRITA.

e ao máximo denominador comum do estar aqui

 
e depois daquelas noites em nó,
ao fim de estradas e estradas de
chuva em verso,
que nos tiravam a visão,
deixando nas
bermas os equívocos
alinhados em desilusão,...

aninhaste o fogo
seco do amor
aos meus pés,
razões para que
lá fora nem
se ouvisse o vento,
só os choros
inconsequentes de
quem nem nos conhece,
só ignora,...

e ao máximo
denominador
comum do estar aqui,
escolheste partir,
ficando para
trás um real,
dissecado
no bolor do
choro sem cheiro
 
e ao máximo denominador comum do estar aqui

O velho dilema do espaço e tempo

 
ainda assim escreve-se,
o velho que se fartou de viver,
e cheira fetidamente dos sovacos,
que já foram de uma pele de seda,
a parte escura de uma
mulher que nunca o chegou a ser,
o menino que morreu ao
primeiro toque de sua mãe,
e os adeuses,
as fartas porções de deixar tudo
ali,
sem retorno,...

escreve-se sempre,
porque parar de imaginar a
luz em que a
parte insubstituível da vida,
pode ser definida,
pararia o tempo,
e tornaria o espaço
sem resgate
 
O velho dilema do espaço e tempo

Menor crença no tempo

 
se somos os meses que não terminam,
haja ar que nos intervalos das hesitações
nos proíba de esperar,
avançando,
com passos soltos,
para desenrolar estes receios
de sentir o sangue a viver,...

e para que valha a pena o momento
contornado com húmus,
nem sei por onde continuar a refletir,
apenas acreditar,
que um ano arredonda o tempo
em chuva
 
Menor crença no tempo

POESIA É AMOR

 
POESIA É AMOR
 
“Poesia exalando perfume d’alma
Em cada momento um carinho
Em letras unificando sentimentos
Num universo chamado poesia”

-------------------------------------------------------------------

POR FAVOR, PARA MELHOR LEITURA, CLIQUE NO POEMA
 
POESIA É AMOR

O Meu Mundo das Palavras

 
Brinco com as palavras
E com elas tento tocar no céu.
Enfeitiçar-me com o brilho das estrelas,
Alcançar um mundo que não é o meu.

Não sou poeta,
Nem tão pouco sou escritor,
Apenas sou um sonhador.

Não sei os truques da escrita,
Nem tão pouco os quero conhecer.
O verdadeiro deixaria de ser a pepita,
E o malabarismo era apenas o que iriam ver.

E não sendo poeta,
Nem tão pouco escritor,

Com as letras continuarei a brincar,
E com elas criar um mundo só meu.
Sem importar-me do que os outros vão achar,
Nem se o meu mundo é diferente do teu.
 
O Meu Mundo das Palavras

O teu adeus

 
Às vezes a escrita começa onde acaba
A música ou o trabalho ou a alegria
Assim o amor e a fome e os novelos
A noite emaranham
E o dia
O teu adeus
Que é dos mais belos
Naufrágios
De poesia
Numa branca página.
 
O teu adeus

Poema cansado de esperar

 
queria que me esperasses nesse tempos
onde preparas os intervalos,
das nossas existências,...

eu não sei de maldade,
não percebo se respirar assim,
com dores de saudades a escortanharem
uma voz que já nem viva está,
será digno,
será modelado ao presente
que ainda consigo ter,...

conjugar assim tantos verbos
reduzidos ao particípio,
da espera,
tira-me a força de um
argumento que só está desenhado,
de traço trémulo,
com um sol que desmaia pelo
meio desta chuva ácida cor de enegrecido,...

esquece que te pedi a espera,
prepara-me só a partida,
porque a dor entontece-me o argumento
 
Poema cansado de esperar

Sou eu quem escreve os poemas mais bonitos

 
Para o ou a boxer

:)

Sou eu quem escreve os poemas mais bonitos,
não só pela métrica nos rebordos,
como pela diferenciação entre morte e pratos de sopa,,..

não faço sentido a chamar as meninas quando saem do trabalho,
estendo um manto de cães mortos e digo-lhes que se casarão,
caso se atrevam a ter a coragem da irresponsabilidade momentânea na vida,...

sou eu quem escreve os poemas mais bonitos,
aliás,
não sou só eu quem o diz,
conheço quem os defina enquanto põe roupa a secar,
cantando fados de uma nota só,
disparados com arco e flecha em direção a alvos no céu,...

os meus poemas saltam num só pé,
e são cadavéricos quando se despedem da vida,
para fazerem uma multidão de raparigas imberbes apaixonar-se por eles logo a seguir,...

sou eu quem escreve os poemas mais bonitos,
talvez seja hora de os rasgar num féretro sem cor
 
Sou eu quem escreve os poemas mais bonitos

Serena não sou

 
Serena não sou
 
Escrevo para me manter lúcida
Para espantar o vil alzheimer
Ocupo a mente com desvarios
Fantasio uma saúde de ferro
Não me vejo anfitriã da senilidade
Eu nunca vos disse que temo a idade
Mas quero dela tirar o melhor proveito

Há na poesia um fitness completo
Metáforas feitas de quebra-cabeças
Um puzzle que é o meu predilecto
Palavras que nascem para ganhar vida
Cruzar os braços, não contem com isso
Impávida não fico, serena não sou
São batalhas que venço para estar activa

Maria Fernanda Reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Serena não sou

Dona das Letras

 
Dona das Letras
by Betha M. costa

Minha escrita não é semeadora de flores pelos verdes caminhos. Nem coletora ou pintora de astros no universo das palavras. É cacto que brota aqui ou ali, em terra árida e quente, ao acaso, de mãos preguiçosas, sem precisar de muita água para existir.

Domo os vocábulos para compor um quadro ou quebra-cabeças que diga de mim. Que deixe assinalada para a posteridade, parte dessa existência insípida, inodora, incolor, silenciosa e cega aos olhos, a transbordar de imaginação.

Escrevo como quem arranha as unhas vermelho desvario sobre uma superfície, em que a aspereza causada pelos ruídos, clama como as almas do meu purgatório interior, por alguns segundos no éter para que explodam e fluidas me espalhem no Cosmos.

Não pretendo com as letras redimir-me das dores, amores e mundos de ideias e sensações. Quero queimá-las ou gelá-las, e, através delas excomungar demônios, acercar-me das hostes celestes. Sobre eles exercer adoração, temor e obediência.
 
Dona das Letras

Metáforas Voadoras

 
Metáforas Voadoras
 
Metáforas Voadoras
by Betha M. Costa

Ser poeta é um dom com o qual a pessoa nasce e com interesse e estudo aprimora-se. Colocar num texto um monte de metáforas bonitas não faz de um texto poema.

O poema é um conjunto de idéias, sentimentos e/ou impressões, que disposto em versos tenha à leitura ritmo, musicalidade e dispare uma emoção (positiva ou negativa). Sem ritmo, o máximo que se escreve é uma prosa vertical, onde palavras e/ou imagens bonitas dão prazer ao leitor

Hoje uma competente colega de letras notou um poema meu que não passa de um amontoado de metáforas manjadas e que foi bem lido e comentado. Deu-me o toque que eu esperava quando o publiquei. O que é cheio de palavreado bonito e rebuscado, com um enorme “no sense” as pessoas acham diferente, algo reflexivo, de uma grande profundidade subtendida ou escondida. O poema direto, bem escrito, muita gente nem enxerga.

Sou escritora amadora, pois considero escritor profissional quem ganha dinheiro com a escrita. Eu escrevo por que gosto e dou-me ao trabalho de estudar um pouco, até em respeito as pessoas que vão perder seu precioso tempo lendo.Mas, há quem julgue ser arrogância tentar escrever melhor e sem ao menos passar um corretor ortográfico, publica nos sites de literatura qualquer meia dúzia de palavras. E ai de quem der um toque para que melhore!Se não for para aplaudir as garatujas que se cale para sempre!

Devemos pensar que muitos leitores vêm ao site a procura de distraírem-se com boa leitura, outros são estudantes em pesquisa para trabalhos escolares. Nós temos que primar pelo que escrevemos para que tais pessoas não aprendam de modo errado.

Meu "pseudopoema" Tiara de Estrelas foi muito apreciado: um monte de nada que vai a lugar nenhum. Já o Canto ao Tirano Senhor, todo em redondilha ninguém nem "tchuns", exceto a colega Roque Silveira que viu hoje o primeiro e foi direto ao ponto. Coisas da literatura: por ser amador, não se preocupe em estudar e escrever direito, por que pode sempre usar a desculpa de que a escrita para si é um hobby. Mas, até para hobby é necessário dedicação!

Por fim todo mundo fala de Camões, mas não percebe que na sua genialidade, em “Os Lusíadas”, todos os versos são decassílabos heróicos (tônicas na 6ª e 10ª sílabas poéticas).

Ninguém precisa ser um Camões, fazer poema metrificado e rimado. Existem versos livres que dão de mil em outros dentro das regras formais. Mas, mais cuidado com a escrita não faz mal para ninguém. Como já disse, volto a repetir: um poema não é feito só de metáforas voadoras.
 
Metáforas Voadoras

P E R E G R I N A Ç Ã O

 
dispersei o meu ser no desprender das folhas
às suplicas do solstício. talvez assim também fosse
na essência dos verbos da noite. mas fui levado
para as terras inertes da lembrança cega.
não procurava as palavras revestidas.
e julguei-me perdido nas aparências das sombras.

por estas partes,
o desfiar do destino era ausente. assim, esperei
que as orlas enrugassem para me soltar, agora, no desconhecido
e reunir-me nas escarpas suspensas da luz.

foi o facho do farol da saudade que indicou o sentido.
a ânsia do regresso animou-me
e senti os lábios da esperança. até que, escorrido,
nos campos das framboesas laranjas,
o meu alvéolo finito se enxugou.

e, apesar de mortalmente ferido,
permaneço nas avenidas ocres do poente.

ressuscitarei.
uma e outra vez.

sim. ressuscitarei!
uma.
e outra vez.

pelo som da mão que molda os gestos da criação.
pela escrita da voz que forma as letras primevas do cosmos.

qualquer dia.
um dia!

in Comentários na face da Noite
 
P E R E G R I N A Ç Ã O

Obrigando-me a escrever

 
Vasculho á pressa o meu intìmo.
Necessito de motivos válidos que me forcem a pena.
Deixando-me enlear pelo fumo que sempre me rodeiou constato, sem mágoa, que já pouco tenho a dizer a mim mesmo.
Descanso a mente, adormeço o ego e arregaçando as mangas parto para aquilo que pede para ser feito e não descrito.
Poderão ser as palavras aquilo que nos afasta do que desejamos?
 
Obrigando-me a escrever

Escrever

 
Escrevo, escrevo, escrevo
com a caneta em minha mão
Para que a minha ansiedade
não consuma a minha razão

Escrevo, escrevo, escrevo
mas eu tenho uma missão
Descarregar meus sentimentos
para não adoecer meu coração

Escrevo, escrevo, escrevo
mas tudo isso não é em vão
Estou salvando a mim mesma
usando a caneta em minha mão...
 
Escrever

Anquilosante

 
diz-me agora,
pela forma como a água passa
por entre as nossas vozes,
se esta tarde acontece como
nos apetece namorar,
com uma distância anquilosante
entre os medos,
pelo meio dos formatos
do que ficou por chorar,....

não há ladainha que nos atormente,
nem a forma por explorar
dos abraços que nos encoraje,
há só um dia,
enquadrado no outro,
dois dias que fortalecidos pela
hora que não chega,
se tornam neste segundo do qual
não abdicamos,...

diz-me se vale a pena,
depois de tudo isto,
escrever algo
a menos que um testamento
de coisas por dizer
 
Anquilosante

O poeta sem a sua escrita

 
O que é um poeta sem poder escrever?
Uma águia sem asas,
um imortal numa terra mortal,
que dá e destroí a própria vida,
nada...
um simples copista a escrever banais versos de amor,
um apaixonado que perdeu as suas musas,
um sucumbir doloroso em direcção ao Inferno.
 
O poeta sem a sua escrita