Poemas, frases e mensagens de poètes

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de poètes

Sou os versos que componho.
Poètes

Nosso Mundo

 
Sistematicamente luto contra o precipício
que devora minha alma adormecida de mim,
e neste mar revolto que sou, todo vício,
encontra paz no meu corpo, luz do meu fim

Teu nome fixo na minha boca, é artifício,
doce veneno; faz-me brinquedo, arlequim
jogo de prazer, sem regras nem princípio,
noites mal dormidas, conversa de botequim.

Lua que inebria, és o mal que me faz bem,
delírio de loucura que não cessa, prende!
cortina do meu dia, verão insano, obscuro

Mesmo sendo dor, não há nesta vida ninguém,
sendo culpado, possa amar-me tão inocente...
e é neste pecado que me lavo e faço puro!
 
Nosso Mundo

Musa

 
Musa
 
Tenho sono e não consigo
adormecer de você...
Tenho sede e já não há água
na tua fonte que me dê prazer...
Tenho loucura e não encontro
a insana que habita teu ser...
Nada me prende e tudo me consome
neste nosso romance...
Talvez eu seja um estranho que te ame,
calado!
ou apenas um destino infame,
que te busca, sem muita explicação,
apaixonado!
Não sinto culpa, sinto poesia!
Não sou frio, sou o excesso
onde te perdes sem agonia...
És musa, eu inspiração,
e se amo melhor com a imaginação,
não lute não,
apenas dê vazão,
aprenda a dançar
com a minha canção...
o homem ama mais com a razão,
o poeta com intensa emoção,
desespero, egoísmo e solidão...
Não me cobre ação...
gosto de ser
a tua mais doce ilusão!
 
Musa

Inquietação

 
Inquietação
 
Dizem que é poeta aquel´alma com fome
Sem sofrer,finge que é sem o que não é ser
É o mais perto da palavra que consome
Em demasiada valia do que vale parecer

Mas será o poeta esse fogo de fingir dor?
O calafrio conturbado da pena canto do fado?
Ah, fosse possível saber qual a tarde do amor
Por toda a noite escreveria estrelas a seu lado!

Verdade é que não é possível conhecer a mão
Nem olhar os pés que caminham sobre o vento
Nem a estrada lida em que se esconde a fada

É perfeita a boca cálida que acalenta o pão
O corpo sem idade que faz da criança o tempo
Revelando a face apagada na água sem morada.
 
Inquietação

Prece

 
Prece
 
Da tristeza fugiria, se assim pudesse,
coração trocaria, se outro a vida me desse.
Que importa agora? Sou luz que anoitece...
Cheio ou vazio, tanto faz, nada me apetece...

Ando a ser sujeito que coisa alguma agradece,
Tu decidiste que a hora iluminada não me merece,
seja eu então, Ó Deus, ovelha que te enlouquece,
e de todas do teu rebanho, a que mais padece...

Espero minha redenção na próxima quermesse,
livra-me deste desatino que minha alma aquece,
lança-me para longe de tudo quanto empobrece

esta vida que estou a levar. Ouve minha prece!
Muda meus olhos tristes, de amor me enriquece,
acorda a felicidade, que em mim,hoje adormece...
 
Prece

A Hora da Tua Solidão

 
A Hora da Tua Solidão
 
Quantas personagens,
para fugir da solidão,
quanto devaneio
à toa e sem razão...
Quantos amores
no teu caminho,
em desatino,
quanto vazio!
Triste sina a tua,
fugir de si,
sonhar sem ter onde ir...
Passado, passado!
Tudo agora é passado!
morto e enterrado...
Não tenha medo,
sou teu novo enredo,
sonha comigo
um novo mundo,
volta a inocência
da infância,
não amo o que você
não é...
Te quero livre,
tira estas roupas,
que distorcem o teu ser,
deixa-me apreciar o nu
da tua alma verdadeira,
teus pecados todos
já foram lavados
nas tantas lágrimas
que derramei,
salva-me do martírio,
das noites aflitas
em que minha mente
implora solução,
não te suporto triste...
sela comigo
o pacto da vida,
seja o inverso
do que a corja atrevida
cospe agora
a todo universo.
 
A Hora da Tua Solidão

Tempo de Ser

 
Tempo de Ser
 
Solidão,
tempestade cruel,
arrasta sonhos
derruba-os ao chão,
desfaz monumentos
erguidos ao amor
e num só momento
tudo é pó,
tortura e dor.
As horas correm,
e não tenho tempo de ser...
Tudo é tão relativo,
-eu sei..
e não lembro
quando a tristeza
tornou-se
absoluta em mim

Preciso esquecer
o tempo que me falta
pra ser,
tudo o que
precisas ter.
 
Tempo de Ser

Pedra

 
Era só o que me faltava... na hora da despedida
Esta poeira de nada que me arde em ferida
contra-nada de minh´alma sem guarida
ser na palma a arma que me sangra, retorcida

Não conheço o Deus da tua boca que me nega
Tenho encontro marcado com o Pilatos que me prega
És desamor, acção em rejeição que me entrega

À pergunta sem resposta dos reis que me querem
No túmulo onde te irás rir das preces que me ferem
finalmente vou dormir, com as pedras que me derem

Poètes, 05/Abril/2011
 
Pedra

Nada Além de Nós

 
Nada Além de Nós
 
Tanta alma
clama por alívio
dum corpo amaldiçoado,
desde o berço,
e meu corpo são,
grita, cansado, por sossego,
a minh'alma atormentada
pelas esferas repletas de feras,
sem destino nem morada,
onde minha cabeça espera,
o dia feliz da ausência
destes monstros saídos d'outros
contos,
do teu passado,
que me ocupam
o dia
e roubam tua alegria...
O meu sorriso,
nesta hora,
é o resultado
da analgesia
de todo o meu ser
e já não sinto a dor
que tenta nos afligir,
ah, meu amor,
estas sobras,
estes restos
de gente
tão carente
dum pouquinho de afeto
e atenção,
estas chagas abertas,
em plena praça,
desbotando a paisagem,
são apenas
o retrato
da miséria humana...
Nada vai roubar
o brilho da nossa paixão,
enquanto no meu peito
bater um coração...
...E é teu!
 
Nada Além de Nós

Démodé

 
Démodé
 
Sinto que tudo
é tão finito,
neste céu cinza
que é a vida
sem o teu sorriso...
ó, precipício de mim!
Nenhuma outra voz
satisfaz a canção que é
ouvir o teu sussurrar
ao "pé" d'ouvido,
nenhum outro ser
possui a tua grandeza
e já não duvido
que a minha vida começa
quando teus olhos vibram
ao amanhecer
e termina
quando não sei
absolutamente
nada do teu ser...
 
Démodé

Canção

 
Canção
 
Não me fales da cor,exacta ou não,
dos teus passos em alcance largo
nem dos ombros carecidos do coração
revolta contra o muro de tom pardo

Muda-me,revira-me o olhar,para o teu lar
lugar d´anseio do que escrevo em loucura
em qualquer tempo do verbo desejar
preenche a saudação do braço em tremura

Quero aprender a morrer para o mundo
és bálsamo para todo o meu tempo
cura para toda a minha insegurança

Vês que és júbilo profundo?
que palavra poderia alargar o vento
senão o nome que lavra a criança?
 
Canção

Coração

 
Meu coração apaixonado, da fama que não conhece
Anda batendo em furacão, rejeitado, mas prevalece
Por aquele sonho que não me olha e me endoidece
Com seu compasso na rua que me desfavorece

Pobre coitado, no meu peito aprisionado!
Sofre pela vida que suspira a cada ai amordaçado
Se ao menos eu não fosse corpo rejeitado
Talvez eu renascesse para o mais legítimo pecado

Ilusão, esta minha secreta adoração
Me entrego à espada duma dor sem razão
Me mata,por favor,de mim não tenhas compaixão
Me deixa abandonado, sangue gelado na tua mão

Poètes, 04/Abril/2011
 
Coração

Da Nau Sem Direção

 
Da Nau Sem Direção
 
Tombada sobre ilusão tão triste
de que o tempo que se foi voltaria,
ergueu vela em fúria e inda persiste,
voltar a reinar a nau que jazia...

Certo é que o que perdura ou resiste,
para além deste tempo viveria...
Doutro modo, se ainda tu insiste,
em agarrar-se ao que não mais é, ria

deste teu caminho tão sem norte,
nada irá impedir a destruição,
que tão triunfantemente tu almejas

sela teu destino que é o da morte
ou vestígio d'amor no coração
tua cegueira é o capitão, que seja!
 
Da Nau Sem Direção

Fado

 
Fado
 
Saberia a cor exata dos teus sonhos,
se meus passos alcançassem os teus,
se a vida não me pesasse nos ombros,
ou o destino desobedecesse a Deus...

Saberia mudar teus olhos tristonhos,
se os desejos do teu ser fossem meus,
e mesmo a noite trazendo assombros...
jamais deixaria-te no vazio dum adeus.

Não te posso ensinar a viver no mundo,
sem machucar-se, mas posso te segurar
nos meus braços, com afeto e com amor,

mesmo quando o desespero for profundo,
e o tempo que não passa, nos torturar,
ainda assim, seguirei por onde você for.
 
Fado

Desencanto

 
Desencanto
 
Coração sentimental, mero objeto
dum sistema carnal,vida sem teto,
luz vagando na escuridão mundana,
assim jaz o amor da raça humana...

Finda vida minha,deste vazio repleto,
e morra eu cá, na solidão, decrépito,
e já não vejo nas alturas, Oh Hosana!
Donde anda minha razão, mente insana?

Mares levam meus sonhos em ondas além,
ventos espalham restos perdidos de mim,
e o inverno habitou de vez meu peito...

Se ao menos no mundo houvesse mais alguém,
que ouvisse dos pássaros o canto sem fim,
talvez pudesse na dor do meu eu dar jeito...
 
Desencanto

Do Ondular Do Coração

 
Do Ondular Do Coração
 
Sei que viste
o fundo da maresia
a superfície que te respira
afogo-te neste beijo
libertação da sufocação
mar em que volto
meus passos cruzam o abismo
através da ponte segura
sustentada no arco da tua palavra
certeira nas mãos
do anjo flecha de Cupido
metade daquilo que és
sou eu a teus pés
sim, brasão do meu nome
muralha da minha confissão
existo, resisto e insisto
sem ti
a minha asa é atingida
quebrada
pela saudade
pranto declamado
o pássaro quando se levanta
é água
cachoeira equatorial
procurando estancar no olhar
a lágrima que cai a voar
 
Do Ondular Do Coração

Velório

 
Velório
 
Minha alma d´esvaída
rola como uma bola pela ravina da vida,
à ausencia dos teus passos, dança perdida
qual rio abrindo os braços à triste despedida

Tens certa essa minha morte por asfixia
agonia é tudo o que resta e o resto angustia
que é tão pouco sem dó da respiração que à tua
quisera roubar a via ao instante de pobreza em
alegria de ser rei e louco.

Minha sina está apontada no fundo das águas
geladas e paradas, já nem sobra o silêncio
machucado não sobressaltes o teu ouvido, nas
chagas se perde o sentido

fúnebre amor sem pastor, finam-se as mágoas
no cortejo de flores, negras lágrimas sem pecado
de jamais haver lido o corpo que encerra o meu livro
 
Velório

Da Força do Teu Amor

 
Da Força do Teu Amor
 
Não fosse o teu amor,
eu me afundaria,
não fossem os teus beijos,
eu me perderia,
neste mar revolto,
neste abismo que se abre
a cada passo que dou...
Não fossem as tuas palavras
na hora certa,
diante do meu momento
mais incerto,
eu não seria,
metade daquilo que sou,
porque você é o meu escudo,
o meu refúgio,
a minha vida e salvação...
Sou o que sou,
porque você existe, resiste e insiste,
Sem você,
sou só pássaro em dor,
sem asas,
sem voo...
 
Da Força do Teu Amor

Rejeição

 
Rejeição
 
Minh´alma sonha e tanto busca o coração
luta guerra já vencida em terra estranha
posto que perdida está para toda a razão
Teimosia agarrando-se em inglória façanha

Queria amar-te,embora ensaie esta abdicação
Às tuas mãos que lançam ao chão a esperança
Recuso-me a sumir, valeta vil da tua negação
Erguer-me-ei e implorarei pela tua aliança

Como cega recusas o reinado da tua conquista,
Sê a corda que me enforca a alma de lés-a-lés
Sê a viuvez na minha gélida lápide sem memória

Chora ... porque p´ra sempre perderás de vista
Quem tudo te deu para seres além do que tu és
Ou ri-te deste meu ser: solidão cantando vitória!
 
Rejeição

 
Só
 
Não me deixe só,
acenda a luz do nosso amor,
ilumina o meu interior...
Acalma as águas da minha emoção,
desata duma vez esse nó,
foi só a tua imaginação...

Meu bem, o trem descarrilou
na estrada do teu coração,
as bagagens da nossa história
esparramaram-se pelo chão...

Mas se você ainda quiser,
eu posso tentar
nos salvar do vazio
em que você nos jogou: a solidão!
 
Só