https://www.poetris.com/

Textos políticos

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria textos políticos

"soneto da política de letras pútridas(e mesmos rostos sob máscaras prostitutas)"

 
 
"O inferno está deserto e os diabos estão todos aqui."

(A tempestade)

o déficit, desta corja ajuntada, é ato deplorável!
aspecto que os declara de sua alcunha, também
reles trejeitos calvos em descrédito ou desdém,
tais infecciosos, porosos a curto culto execrável,

sim, bestas-feras ao político fim de concluio vil!
malditos dizeres em luta tacanha, mesma moeda
quais lebres em acalamento da puta que os pariu
e célebres reis flácidos a cuspirem-se na tigela

das guelras destes, à dita: falsa curta-pesagem!
de seus olhares cabisbaixos rente à uma ofensa,
das suas vestes sujas, envergadas de auto-imagem

acaso à duvida, ou palma da mão fosse-lhes avulsa,
acaso seja inegável o sentido desta carta-oferenda,
retorne à linha primeira que te diz, seu filho da puta!

- e decomponha-se, lá.
 
"soneto da política de letras pútridas(e mesmos rostos sob máscaras prostitutas)"

Lembrando

 
Um poema da Poetamaldito("Somos um país de panelas"), que comentei, fez-me relembrar algo que escrevi, há um ano e uns meses, sobre o 25 de Abril.

Coloco-o aqui como homenagem.

-----------------------

Senhoras e Senhores, podem sentar-se.

A pantomina desceu á rua.

Riam, aplaudam. Os actores têm as gargantas calibradas.

Banda, ataque o Hino! Os senhores estão a chegar.

Os centuriões da GNR penteiam os carrapitos.

"É entrar, senhoria, a ver o que cá se passa; sete ratos, três enguias, uma cabra abracadabra..."

Um cravo vermelho para quem ainda se lembrar da letra. Da música. Do autor.

------

Gosto das paradas militares. Gosto de ver civis a passar revista a forças militares num passo forçado de marioneta. Gosto do que se diz ao ouvido entre senhoras dos camarotes de honra. Gosto da falta de treino de Mário Soares que já não consegue prender o cravo vermelho na lapela e, pragmaticamente, o enfia no bolso. E gosto de ver todos os outros a seguirem-lhe o exemplo. Todos perderam já o treino!

Gosto das entradas com passadeiras vermelhas. Dos alegados militares de Abril, de cabelos compridos apesar de brancos. Gosto da bandeira a adejar por sobre os mitos. Gosto de ouvir o Hino. Gosto de alguns discursos. Gosto dos que passam em frente à câmara porque não conseguem mascarar o seu fascínio pela notoriedade. Emplastros ou profissionais da pose.

Gosto da gravata azul e branca de Santana Lopes.

Gosto da gravata do discursante dos “Verdes”. Gostei que pelo menos um deputado não usasse gravata no uso da palavra, uma camisa sem colarinho e um casaco militarizado. Bravo! A luta continua!

Mas os cravos vermelhos são cada vez mais um mero adereço, até nos arranjos florais onde impera agora o verde dos fetos e quejandos artifícios ornamentais. Meros adereços. Os cravos vermelhos são cada vez mais a gaguez de alguns líderes que não sabem bem porque ainda estão ali. Ou porque já estão ali, eles que nem nascidos eram em 74. Pois, nada mais sabem fazer. Cresceram no carreirismo, na militância.

Mas, mais do que isso e perdoem-me a deformação jornalística, fica-me a imagem de um cravo caído no chão em que ninguém reparou, nem mesmo os guardiões – ou guardiães, quero lá saber – do cesto de onde mãos de políticos colhem, por encomenda, a flor de Abril. Para a fotografia.

Os senhores da história recente continuam a caminhar pela passadeira vermelha.

E o cravo continua ali, caído. No chão da pose. No mármore em que se sepultam os mitos.

E eu já não sei se a Assembleia da República é o monumento vivo da vida democrática ou o mausoléu dos ideais enterrados, um teatro de rotinas, um albergue espanhol. O tecto da cadeia carreirista.

Foi há 34 anos.
Um ideal que durou uma semana. Quando, no 1.º de Maio, regressou a casa o povo. Depois da festa.

Como dizia Solnado, a festa dos cravos foi bonita, pá, mas o pior é quando chegar a conta da florista.
 
Lembrando

À SE EU FOSSE BUSCH!!!! (TEXTO POLITICO MAS DE OUTRAS POLITICAS)

 
À se eu fosse Georges Busch!!!
Já teria feito uma selecção de Países, ricos e inteligentes, num lado, e os outros, os pobres e não inteligentes, noutro lado.
Seria bom! assim se evitariam guerras, criticas constantes aos Países mais fracos e todos ficariam contentes, não acham? porque as criticas continuam todos os dias, e acho que é um prelúdio de guerra que se anuncia, porque as criticas já recomeçaram.
Fora com os pobres e não inteligentes! Viva os ricos e inteligentes!

Este texto não é um texto politico. Sou na verdade, contra a politica imperalista americana, mas este texto tem outros objectivos que não o da politica, politica!

A. da fonseca
 
À  SE EU  FOSSE BUSCH!!!!  (TEXTO POLITICO MAS DE OUTRAS POLITICAS)

Poeta castrado não

 
Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!

Os que entendem como eu
as linhas com que me escrevo
reconhecem o que é meu
em tudo quanto lhes devo:
ternura como já disse
sempre que faço um poema;
saudade que se partisse
me alagaria de pena;
e também uma alegria
uma coragem serena
em renegar a poesia
quando ela nos envenena.

Os que entendem como eu
a força que tem um verso
reconhecem o que é seu
quando lhes mostro o reverso:

Da fome já não se fala
- é tão vulgar que nos cansa -
mas que dizer de uma bala
num esqueleto de criança?

Do frio não reza a história
- a morte é branda e letal -
mas que dizer da memória
de uma bomba de napalm?

E o resto que pode ser
o poema dia a dia?
- Um bisturi a crescer
nas coxas de uma judia;
um filho que vai nascer
parido por asfixia?!
- Ah não me venham dizer
que é fonética a poesia!

Serei tudo o que disserem
por temor ou negação:
Demagogo mau profeta
falso médico ladrão
prostituta proxeneta
espoleta televisão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!
Ary dos Santos,José Carlos Pereira, Lisboa 1937-1984, poeta e declamador.
 
Poeta castrado não

Um breve comentário sobre Obama e seu antecessor

 
Obama bem que poderia ser branco
assim parariam de puxar o saco dele
se fosse branco pareceria com Hitler
da ordens e mais ordens ao mundo .
acaso lhe falta visão? dia a dia todos vêem o que se passa
nos mostrar o que se passa novamente,é como nos chamar de cegos
o seu antecessor cometeu o mesmo erro
pegou um sósia do tio Sadam e sentenciou a morte
como se isto fosse o final de todas as questões e problemas do mundo
tem sósias comicos de Sadans e Bin ladens em todo o canto
pegar um deles pros americanos é motivo de festa
e o que falar de estúpida O.N.U e O.T.A.N que tem seus comandantes ;
mas estão subordinados e amarrados a todas as ordens dos americanos
as leis e as ordens que eles criaram estão depositadas nos cofres americanos
um breve incentivo, a suposta cabeça de Sadam que pagou com seu sangue negro toda a guerra
e ainda esta pagando aos americanos e afiliados dos americanos com petróleo de sua origem
os países ricos voltam se pra la porque?não precisa entrar em comentários ;
de vez em quando estoura uma guerra as bandas de la !
 
Um breve comentário sobre Obama e seu antecessor

BOM DIA AMÉRICA, ADEUS MENTIROSO, PARABÉNS AO MUNDO

 
Bom dia América! Parabéns ao Mundo! Adeus mentiroso!

Bom dia América, felicidades Obama. Parabéns Presidente!
Estou feliz! tão feliz como se fosse americano de boa consciência.

É fim de um regime que com a mentira (des)governou.
Mentiu aos Americanos,mentiu ao Mundo e muito principalmente, mentiu ao povo!

Que fará Obama, o novo Presidente? Poucos o sabem, mas o que sei e que é um homem que deu pelos menos uma noite de esperança, ao povo americano.
Bush, com as suas mentiras, trouxe o desespero, trouxe a morte, governou mentindo arrastando nessa vaga chefes de outros Países que por interesses politicos se deixaram embalar, estou triste por saber que o governo do meu pais caíu no canto da sereia.

10 milhares de dólares por mès para sustentar uma guerra que nunca deveria de ter existido. Uma das gueras mais estupidas queo Mundo moderno conheceu.
Chefes militares que colaboram nessa guerra porque os seus intereses económicos falam mais alto do que a vida dos jóvens militares das crianças, das mulheres, de pessoas idosas. Quantas familias ainda hoje pederiam ser felizes e não o são, por causa de uma mentira?

Quantas coisas boas poderiam ter sido feitas ajudando os pobres nos Estados Unidos com o dinheiro gasto vergonhosamente.

Obama fez historia. Espero que que a democracia também!
Que vai fazer Obama? Desejo que consiga reconciliar o povo americano, que consiga reconciliar o Mundo com processos de Paz e consiga também acabar com o anti-americanismo que progrediu nos uúltimos 8 anos no Mundo inteiro.
Que ponha fim a essa vergonha de Guantanamo.

Que condene à morte por injecção letal... a mentira para que enfim, se possa acreditar nos homens politicos de boa vontade.

E sobretudo que faça o povo feliz!

O Mundo hoje, acordou sorrindo
O povo hoje, acordou com esperança.
Eu acordei dizendo...obrigado povo americano!

Bom dia Obama. Bom dia América.

FELICIDADES, PRESIDENTE.

Também me sinto feliz e com uma réstea de esperança para o futuro deste mundo que não devia de ser que um Paraíso.

A. da fonseca
 
BOM DIA AMÉRICA, ADEUS MENTIROSO, PARABÉNS AO MUNDO

Lula preso não é solução

 
Lutar é não esquecer
Uma vida de dedicação
Livre da dominação
A que o povo deve permanecer…

Prisioneiros da ideologia
Revoltados de plantão
Esquecem que o Brasil
Será sempre uma nação
Onde reinará a alegria…

Nunca na história desse país
Alguém poderá dizer
O que o povo não quer entender…

É agora que devo calar-me.

Sou uma voz que clama a liberdade
Onde a injustiça reina
Levo preso uma pessoa
Unindo as vozes das ruas
Cada sanguessuga solto
Apoiando a impunidade do
Ordenamento que ressoa.

Poema: Odair José, o Poeta Cacerense

www.odairpoetacacerense.blogspot.com.br
 
Lula preso não é solução

TELEGRAMA

 
TELEGRAMA
 
anotação de rodapé - made in brazil

PREVALEÇA PTVG CAUTELA VG DISTANCIA VG DESCONFIANCA PT ESTRELA VERMELHA ATRAI VICIO PATERNALISTA VG TRAI EUFORISMO DESACERBADO PT HOJE FRUSTRACAO SUPERA OLHAR PTVG PODRES ALIANCAS DECEPCIONAM CREDULOS ET INCREDULOS PT
 
TELEGRAMA

Andam a brincar com esta MERDA

 
Ontem no I.P.O. de Coimbra, uma vez mais lamentei por um Pais chamado Portugal, pelo povo português e pela mentalidade vaidosa e tão sem essência do Sr. Estado deste pais
Uma ambulância, uma enfermeira, um pai com a filha ao colo, procuravam ajuda para a menina ser ligada “à máquina”(desconheço qual)
No fim de esperarem, saíram na procura de uma máquina vaga já…que a do I.P.O de Coimbra, estava ocupada com outra criança
A ambulância, a enfermeira, o pai com a filha ao colo…lá partiram para outro destino onde a tal máquina estivesse vaga
É de conhecimento público, a desgarrada competição dos conselhos e freguesias em apresentar ARVORES DE NATAL com INFINDAVEIS LUZINHAS que acendem e apagam
Gritam aos sete ventos que cada uma é a maior
Pois muito bem, “METAM AS LUZINHAS NOS… BOLSOS” e poupem para salvar vidas
É vergonhoso...se não fosse ser tão tristemente triste seria anedótico
Sua Ex. Sr. Estado, enquanto brinca ao poder, abanando obras e eventos sem motivos, uma ambulância, uma enfermeira e um pai com a filha nos braços procuram pelo pais uma máquina vaga
E o povinho vai batendo muitas palminhas a cada passagem do Sr. Estado Poderoso
Bate palminhas Zé povinho, engana-te bastante enquanto teus filhos morrem por culpa do teu pacifico desencanto

(Provavelmente por andar com os fígados azedos e a moral indisposta o meu sentido critico-social ficou meio que acicatado...um pouco intolerante e bastante osso duro de roer.Chamem texto, coluna ou indignação eu por mim...é muito enjoada e enojada desta mentalidade portuguesa ...de nada fazer. Desculpem se poderem pelo meu abuso deste espaço que é de todos.Ahhhh já esquecia…FELIZ NATAL com muitas LUZINHAS que acendem e apagam)
 
Andam a brincar com esta MERDA

soneto à ceia prostituta

 
 
"O inferno está deserto e os diabos estão todos aqui."

(A Tempestade)

ainda resiste, com fervor, a infestação desinformada
há o conto de almas pobres, há proles podres destas castas
primatas em sêlo editado à carta-alforria de meu país
primatas, ainda! aborígenes e ensaios copiados de giz,

libidinosos à literária convulsão puta que os entretém
pois apaga! é rastro de pó curto à cauda que os mantém
um exame meticuloso daquilo que jaz roto, impotente
de tais putas cadentes, "a mendigar" o culto inconsequente

bichos-loucos e outros(!!) desgostos em procissão visceral!
há quixotes! e lanças armadas destas pragas acopladas ao rabo
eis a cúpula da burrice estagnada em palmas ao reles-nada

qual depósito de perfis falsos da mesma crina que se rasga..
coagindo a letra a crime de rebaixar-se e copiada, a sua versão
uns cágados que lerão shakespeare, e de quatro, permanecerão

pois não entendem o que vêem,
(embora saibam o que são)
 
soneto à ceia prostituta

Diga Não à Corrupção!

 
Diga Não à Corrupção!
 
Diga Não à Corrupção!
by Betha M. Costa

O povo brasileiro assiste atônito aos (des) mandos da grande maioria dos políticos que governam a nação.

Em todas as esferas (executivo, legislativo e judiciário) vemos diuturnamente a Constituição da República ser aviltada ante o mar de lama institucionalizado por aqueles que mantêm o povo refém da sua falta de caráter e pela banalização dos ditos Crimes de Colarinho Branco.

Do Planalto Central aos outros Estados da Federação há sucessão de escândalos. Muitos daqueles que são pagos - muito bem, diga-se de passagem - para cuidar dos interesses coletivos usam os cargos para fraudar, sonegar, desviar, usar e abusar do poder em benefício próprio, de amigos e familiares. Poder que lhes foi concedido no voto da incauta população, ou seja, nós.

Assim, montanhas de dinheiro que o pobre assalariado não ganha em uma vida inteira de labuta escoa nos ralos de bolsas, malas, cuecas, meias... E temo até pensar aonde esses sanguessugas são capazes de esconder as verbas das suas falcatruas!

Enquanto a maioria da classe política está no bem bom, em mansões, carros importados e com segurança paga; o povo morre nas filas dos hospitais públicos sucateados, nas enchentes e nos desmoronamentos por falta de saneamento básico. Têm vidas ceifadas ou com seqüelas como fruto da violência, da guerra urbana devido à convulsão social, onde o crime é mais organizado que os governos. Sem falar na educação de péssimo nível a formar profissionais cada vez menos capacitados...

Os programas sociais melhoraram a vida de milhões de brasileiros e tiraram da miséria outro tanto... Mas, mantêm no cabresto um mundão de eleitores! Os benefícios deveriam ter uma duração para que o beneficiado arrumasse um emprego. Dois anos, três... Com a indefinição de tempo quem vai se mexer para procurar entrar na cadeia de trabalho?

Precisamos ficar vigilantes!Esse ano tem eleição presidencial, para governadores, senadores, deputados federais e estaduais. É hora de a gente abrir os olhos e não reeleger os corruptos e aqueles que estão com processos na justiça.

No site Transparência Brasil (e em outros meios de comunicação de massa) você pode pesquisar sobre o passado e presente de alguns candidatos. Lute contra a corrupção!Depois de eleger um corrupto você não pode e nem tem a quem reclamar!...

Site Transparência Brasil

http://www.transparencia.org.br/index.html

===================================
Poema de Regis Camargo

Minha terra tem políticos
Que noutras por aí não há
Roubam até pensamento
Do tico-tico, o fubá

Não permita Deus que eu morra
Sem que veja a hora agá
De ver esses salafrários mortos
Fedendo mais do que gambá.

E se até censuram o crítico
Que no vespeiro faz fuá
Foda vai ser levantar o tapete
Covil de cobra corá

Mas os bichos têm o macete
Que do Oiapoque ao Chuí está,
Pau neles classe esclarecida
Que uma nova nascerá
No chão de encantos mil
Que ainda tem palmeiras
Onde ouve-se o triste pio
Do amotinado sabiá:

"fiu-fiu-fiu
Que fizeram co' Brasil
fiu-fiu-fiuuuuuuuuuuuu
Do branco amarelo sarará
Vergonha, ó
Quem te encontrará."

O canto pode ser duma Behta
Que em repúdio traça meta
De impassiva não pecar
No mar de escândalo
No preâmbulo
Dum grito a alertar.
 
Diga Não à Corrupção!

25 DE ABRIL, O DIA MAIS TRISTE DA MINHA VIDA

 
25 de Abril 1974
Tanta e tanta gente recorda este dia. O povo português festeja este aniversário. Aniversário em que os valorosos e corajosos capitães do exército português decidiram de acabar com a ditadura Salazarista e oferecer a liberdade ao povo, obrigado nossos capitães

Para mim, o 25 de Abril de 1974, foi o dia mais triste da minha vida (falando da sociedade em que vivemos) e porquê, vão-me perguntar. Então não deveria de estar contente? Pois devia e estou mesmo feliz.
Porquê o dia mais triste, então?
Pela simples razão, que sonhei durante tantos e tantos de ver essa ditadura cair. Caiu, mas eu não vi, não assisti e quanto eu daria para poder estar presente nesse dia. Não estava, porque essa ditadura fez com que eu e milhares de compatriotas meus, tivesse de deixar o País que nos viu nascer, procurando fora a liberdade e uma vida melhor, coisa que essa ditadura nunca nos deu.

Bati-me contra essa ditadura com as minhas poucas forças. Fiz parte de um núcleo anti- Salazarista com todos os riscos que daí poderiam ocorrer. Tive a felicidade e a honra, de estar ao lado do General Humberto Delgado na sua sede de candidatura na Avenida da Liberdade em Lisboa. Ouvi-o lá dar as suas ordens para as regras a seguir no dia seguinte , dia das eleições para a presidência da Republica, era ele o candidato da oposição.

Tentei por várias vezes deixar o País o que sempre me foi negado e por ironia do destino, foi um dos agentes da PIDE, (policia politica) que era o chefe da casa onde trabalhava, que sem saber das minhas intenções, conseguiu que um passaporte me fosse dado.

Soube em França, por um colega de trabalho, um francês, que o regime em Portugal tinha caído.
As lágrimas caíram sem conta, caíram de tristeza, não só pela queda do regime mas sim porque eu não estava presente no meu Portugal,e caíram também de alegria pelo acontecimento.
Teria dado anos da minha vida para assistir a esse momento mas a vida é assim, é o destino que nos comanda.

Viva Os Capitães de Abril, viva a Liberdade

A. da fonseca
 
25 DE ABRIL, O DIA MAIS TRISTE DA MINHA VIDA

E EU QUE JULAGAVA QUE APRENDIA COM OS INTELECTUAIS.

 
Sempre ouvi dizer que a justiça é cega.
Agora passou a ser cega e muda, não vê, não pode ler, e não ouve, é uma tristeza, passa ao lado assobiando como se nada se tivesse passado de grave, é caso para perguntar, para onde vai a sociedade.
As vitimas são culpadas porque barafustam, os prevaricadores tendo muitos e bons advogados de defesa e alguns até amigos do Juiz, ainda acabam por se andar a pavonear com uma medalha pendurada ao umbigo.

É a bela sociedade intelectual que temos e eu que tanto gostava apesar os meus 78 anos de aprendizagem de aprender com os intelectuais, mas começo a chegar à conclusão, que aprendo mais com as pessoas do baixo nível social, são mais puros, e quando se guerreiam, é por uma causa justa.

A. da fonseca
 
E EU QUE JULAGAVA QUE APRENDIA COM OS INTELECTUAIS.

25 de abril de 1974

 
As ditaduras travam, entravam, impedem as revoluções de que é feita a vida e a sociedade, revoluções silenciosas e persistentes, ou nem tanto, que cada um de nós faz ou pode fazer. As ditaduras são horríveis, são máquinas de autoridade, de pensamento único, que empoderam apenas aqueles que alinham e se conformam, normalmente por conveniência e interesse particular. Elas produzam os seus mitos e propagam-nos sem constrangimentos. Mas acabam por ser vítimas de si próprias, do seu próprio veneno, das suas próprias sombras e dos seus próprios algozes.
Em democracia, também ocorrem muitos desses problemas endémicos às estruturas de poder e à rigidez hierárquica das organizações, com os seus sistemas de controlo, de competição e de soberbias por benesses, favores, vantagens e acréscimos pecuniários/estatutários, mas não podemos deixar de valorizar sobretudo a liberdade de expressão e de reconhecer a importância de poder escrutinar os poderes, de os denunciar e de os fazer sentar nos bancos dos réus.
E que a revolução, as revoluções, prossigam o seu curso, porque a revolução pode ser cada um de nós, em vez de a esperarmos, em vez de as esperarmos, as revoluções, que estão a acontecer, mais rapidamente do que nos apercebemos.
Infelizmente, muitos dos que, oportunisticamente, apanharam o comboio do 25 de abril de 1974, viram na liberdade uma oportunidade de conquistarem o poder e tantos privilégios criminosos.
Os resultados estão à vista, mas não estariam à vista numa ditadura.
 
25 de abril de 1974

RECADO A PASSOS COELHO

 
Ilustre "doutor" Passos Coelho
Venha pelas ruas andar
Ouça bem cada conselho
Que as pessoas têm para lhe dar

Pegue nos seus " doutores "
E escute o nosso País real
Sinta o povo e as suas dores
Sofrendo como não há igual

Onde chegou a minha Nação
A situação é nua e crua
Tanta gente sem proteção
E a culpa é completamente sua

Reformados e pensionistas
Descontaram toda uma vida
Para você e os seus artistas
Lhe roubarem agora a comida

Há muito que aperto o cinto
Acreditem que falo verdade
Tanta vergonha que sinto
Em ver tamanha atrocidade

Vivo num País de crueldades
Onde os pobres são degolados
Os abastados têm imunidades
E os governos são condecorados

JORGE BRITES
Partilhando o meu sorriso
e mais um desabafo pela
situação do meu País.
 
RECADO A PASSOS COELHO

Indignai-vos

 
 
Não é racional esperarmos que os políticos actuais e os partidos actuais façam o que devia ter sido feito, mesmo antes do desvelar dos "buracos", que era encontrar as causas, os responsáveis e que fossem eles a suportar as consequências dos seus actos. Na realidade, eles não vão condenar-se a eles próprios. Mas todos sabemos que as dívidas do Estado não foram contraídas pelo cidadão comum, que sempre fez o que o obrigaram a fazer e pagou o que tinha de pagar. Quem geriu os dinheiros e o património do Estado, quem efectuou e assinou(?) as despesas é quem deve, em primeira linha responder. Quantas vezes teremos nós, cidadãos trabalhadores e contribuintes na fonte, de pagar contas que tão-pouco nos são minimamente explicadas e justificadas?
Que raio de ditadura "sagrada" é esta? E a maioria não está silenciosa.
Não podemos continuar à mercê de quem tudo fez para cairmos no abismo. A primeira medida necessária é afastar do poder todo e qualquer indivíduo que tenha feito parte dos partidos e dos governos dos últimos trinta anos. Continuam a repetir inocuidades para eles próprios, em vez de explicarem o que aconteceu, o que está a acontecer e como aconteceu. Quando eles falam, esperamos que digam algo mais do que aquilo que toda a gente está farta de saber. A segunda medida é dar-lhes a oportunidade de demonstrarem o que andaram a fazer enquanto membros dos órgãos políticos. A terceira é julgá-los. Ao mesmo tempo, apurar responsabilidades civis e criminais quanto à alegada dívida pública e aos chamados buracos.
O país e os interesses dos cidadãos não podem continuar nas mãos dessa gente. Ontem estávamos mal, hoje estamos muito pior e amanhã como é que estaremos?
As propaladas reformas deviam ter começado pelo sistema político, pelo aparelho político do Estado e pela defesa do Estado contra o "assalto" de poderosos interesses organizados.
Se o Estado e os seus órgãos de soberania não têm controle sobre os efeitos da globalização e estão "desarmados" contra pressões e mecanismos externos, então é tempo de repensar o Estado e os poderes. O perigo é fingir que tudo continua a funcionar como dantes. Os nossos políticos nunca se pareceram tanto como hoje com actores que representam um triste e desacreditado papel.
 
Indignai-vos

Viva o descanso!

 
Há quem não tenha nascido para trabalhar;
Há quem dedique a vida ao trabalho e se esqueça de viver;
Quem viva do rendimento minímo e tenha uma trabalheira a fazer filhos para o estado criar;
Quem esteja desempregado e se dê ao luxo de recusar trabalho, porque não está de acordo com o seu perfil;
Quem queira trabalhar e a crise lhe tenha batido à porta e não lhe traga contrapartidas.
"Há de tudo, como na farmácia".
Mas de uma coisa eu estou certa. Só pode saborear o descanso (férias, feriados, pontes) quem trabalha afincadamente um ano inteiro.
Viva o descanso!
Viva os feriados!
Viva as férias!
Viva as pontes, se no-las derem!
Viva o subsídio de férias e de natal, sem cortes!
Viva o 10 de Junho!
Viva Portugal e o poeta maior.

Maria Fernanda reis Esteves
50 anos
natural: Setúbal
 
Viva o descanso!

"caras-metade"

 
 
“O vosso rosto, meu senhor, é como um livro em que os homens podem ler estranhas coisas. Para iludirdes as circunstâncias, tomai a fisionomia das circunstâncias, mostrai-vos prazenteiro nos olhares, nas mãos, nos lábios; imitai a inocência da flor, mas sede a serpente nela escondida.”

(Macbeth)

ainda resiste, com fervor, a infestação desinformada
há o conto de almas pobres, há proles podres destas castas
um exame meticuloso daquilo que jaz roto, impotente
de tais putas cadentes, "a mendigar" o culto inconsequente

bichos-loucos e outros(!!) desgostos em procissão visceral!
um rei-eunuco à frente com seus dogmas e revisão global
há quixotes! e lanças armadas destas pragas acopladas ao rabo
eis que quando comprometem-se, pedem os votos usados,

eis a cúpula da burrice estagnada em palmas ao reles-nada
ao político de sempre, burro, prepotente e prometendo-se
um laço de oitenta gatos-pingados, viscosos, e. lambendo-se

qual depósito de perfis falsos da mesma crina que se rasga..
coagindo a letra a crime de rebaixar-se e copiada, a sua versão
uns cágados que lerão shakespeare, e de quatro, permanecerão

.

"Quixote de la.."

não o deixe ver aquela vã hélice girar!
nem incomode o pouco ar que lhe faltar
é apenas, uma encenação da guerrilha
pitoresco, casa do nu, sem chão e mobília

ei-lo, a compadrio e sem a vergonha afã!
ei-lo, a pagar suas promessas. só, amanhã
pois, agora darão alguma atenção ao tolo!
em seus círculos famintos de tigela e lodo..

a sua arma é lembrar da cauda que levanta
defender-se rente, trás e frente da saliva..
em capa da loucura calva à cena prestativa!

o seu exercício de imitar, é decepção tanta!
a sua curva de costas o difere d'onde zurrar!
sua lealdade de cócoras qual distanciar-se-á!

..e as suas troças!! e as suas troças!!
(e coça-se, após, e. então)
 
"caras-metade"

"soneto das patas adestradas,"

 
 
"...porque a roupa revela o homem...."

(Hamlet) Cena III, Ato I

ah, essas patas tacanhas.. uniformes e tão medonhas
quais dentes rasgados em pauta crua de quem não sonha
ah, essas cartas de limpar a bunda das que tanto ostentam!
todos rotos! peranto ao canto frívolo do lodo onde tentam

e tentam, e tentam, e tentam, essas lebres vis e carniceiras!
emancipando a palavra que os detenha, mesmo que, à feira!
em venda célebre de riscos e textos breves, a carpir o soneto!
filhos de uma imagem mútipla que os deságua a este esterco,

uni-vos! quais vestes rudimentares e danem-se pela moral!
pela luta-armada de passos primatas de um mesmo lamaçal..
ah, essas almas carentes de serem flageladas por sua conduta

ah, essas férias de uns astros relapsos neste mundo de putas..
queimaram-lhe, as costas e acimaram-lhe o ventre nú e pagão
ah, esses deuses adoradores da mesma merda, do mesmo chão,

uni-vos!(então, fdps)
 
"soneto das patas adestradas,"

As notícias de amanhã

 
Hoje a notícia do dia perguntou-me pela saúde dos meus óculos. É que já anda há uma semana à procura deles e as certezas vão-se sumindo no ralo de um sorriso sem palavra. As notícias cada vez chegam mais adiantadas, mas isso todos já estamos carecas de não saber, porque adivinhamos ratos roliços entre as páginas da vida. Que chatice porque eu tinha recortado um anúncio para as próximas abstenções às urnas e senti uma dentada nas nádegas. Na desordem, os dentes dianteiros ficaram cravados no tarot da ginástica chinesa onde também os sapos saltavam todos para trás a negar a falência do dinheiro. Procurei pela fava que nunca me calhou para lá encaminhar todos os barrigudos mas o meu dedo colou-se à tomada eléctrica e fundiu todos os fusíveis no meu cérebro. Quis ficar séria mas o choque arreganhou-me as beiças roxas da dúvida, e qualquer coisa me caiu do céu da boca. Debrucei-me para apanhar do chão o pensamento para dentro de mim, mas já o sol queimava a madrugada dos meus botões. Nem a chuva de areia soube o caminho do esgoto das mentiras. A propaganda contra o voto de castidade, de um bando de tansos pardais que corrompiam as camadas mais amáveis dos crédulos numa luta sem tréguas, fez nascer toneladas de preservativos para a consciência.
Quase que me afoguei.
Quando encontrei os óculos escondi-me dentro deles.
As notícias de amanhã vou sabê-las de óculos escuros…
 
As notícias de amanhã