Poemas, frases e mensagens de gil de olive

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de gil de olive

MENSAGEM DE AMIZADE

 
Texto

MENSAGEM DE AMIZADE

Desejo a voce,

que nesse ano, veio me prestigiar,
que meus rabiscos, gentilmente leu,
espero, novamente de encontrar,
nesse novo ano, que entre nós ja nasceu.

Desejo ,

e quero continuar seu companheiro,
lendo o que voce escreve, poema ou carta,
desejo em seu bolso, o suficiente em dinheiro,
e que sua mesa, seja sempre muito farta.

Quero,

e desejo ver realizada sua fantasia,
sei que não e a fonte da juventude,
o que desejo? Inspiração para a poesia,
e um montão, muita fartura em saúde.

Desejo,

que prá voce, nunca falte um espaço,
para receber o que chamo de felicidade,
agora estou te enviando meu abraço,
como prova, de minha sincera amizade.

GIL DE OLIVE
 
MENSAGEM DE AMIZADE

SUA ULTIMA FLOR

 
SUA ÚLTIMA FLOR

Ouvindo o cachorro, que lá fora late,
fui atender, era o meu amigo mascate,
ao me ver até minha porta se dirigiu.
-Estou aqui trazendo a encomenda
que é um vestido rosa, cheio de renda,
que sua esposa a um tempo me pediu.

-A mulher que queria a roupa vistosa,
infelizmente, com doença contagiosa,
partiu,não esta morando mais aqui.
-Se eu soubesse, não teria aqui voltado,
sem querer, fui mexer com seu passado,
mas te confesso, o dinheiro já recebí.

-Mas que pena.Tanto que caprichei...
A, tem uma coisa que não plantei,
que ela tinha me dado de presente.
Não sei se vai mexer com suas dores,
isso aqui, ela colheu junto as flores,
vou te devolver, o pacote de semente.

A tarde, beijei o vestido, que ternura,
e deixei o cobrindo sua sepultura,
sai com o coração triturado pela dor.
Plantei a semente, junto com a solidão,
será na vida, mais uma recordação,
quando florescer, sua última flor...

GIL DE OLIVE
 
SUA  ULTIMA FLOR

O DIA DO POETA

 
O DIA DO POETA

Ele assim escreveu.Se voce sarasse,
queria tanto que sua saúde voltasse,
seria lindo, seria muito mais feliz.
Com essa tristeza que me consome,
vivo rezando tanto em seu nome,
pela felicidade que sempre quiz.
Ve la no terreiro,
com olhar faceiro,
tratando da perdiz.

Sei que fazer isso nunca se deve,
mas fui ler o que o poeta escreve,
vi, uma lágrima em seu rosto derrama.
Tive tanta pena de sua tirana sorte,
ao ver seu amor próximo da morte,
um monte de ossos sobre sua cama.
Doença sem cura
piora a amargura
a alma reclama.

Leio. Nessa minha tremenda agonia,
tantas vezes para a divindade pedia,
mas foi como se nada a ninguém falasse.
Esperei tanto por um milagre, pela cura,
para afasta la do horrenda sepultura,
não adiantou, por mais que por ti rezasse.
Com a alma recaída
vejo o corpo sem vida,
sem que ninguém ajudasse.

Pobre poeta, com seu relato de dia a dia,
contando sua tristeza e dor na poesia
só para ele, para que ninguém lesse.
Carregou na vida, a cruz do calvário,
aprisionou sua alma num santuário,
para que nunca dela esquecesse.
A vida que os uniu,
deu a doença, ela partiu,
queria que não amanhecesse.

Nunca mais, alguma coisa escreveu,
a poesia, o poema, com o poeta morreu,
nunca mais, nem simples e nem rimada.
Para sempre, divorciou do lápis e papel,
mas continuou olhando as estrelas no céu,
já fraco e cambaleante pela calçada.
Escureceu a lua,
poeta caido na rua,
fim de sua estrada.

E meu amigo poeta, nada mais escreveu,
onde chorou ele, agora está chorando eu,
uma tristeza que de onde vem não sei.
Para aliviar um pouco a minha loucura,
fiz para os dois, uma só sepultura,
e essa poesia, sobre eles deixei.
A tarde quieta,
chora pelo poeta
que tanto admirei.

O poeta, e sua namorada,
foram embora com a madrugada,
e por eles...Tanto chorei....


GIL DE OLIVE
 
O DIA DO POETA

SEU COMENTÁRIO

 
SEU COMENTÁRIO

Mas quantas vezes, ansioso procurava,
e o seu nome, entre tantos não estava,
triste e debruçado, só uma frase-Ela não leu...
A decepção, em minha alma não cabia,
parece, que ficava sem vida, a poesia,
que pra ela, meu coração escreveu...
Então, meu mundo em trevas ficava
quando nada ela comentava
a mensagem de amor, que pra ela escrevia...

Meu olhar, era certo que não brilhava,
pois o comentário de quem tanto amava,
não tinha, em minha página presente...
Fechando os olhos, numa linda fantasia,
entre nuvens e flores, seu nome via,
tentando deixar, meu coração contente...
Mas por dentro era um vazio, desprezado,
por que ela, não tinha lido e recado...
Em silêncio, uma lágrima escorria...

Dezenas de poesias, escritas com emoção,
tinha como destinatário, seu coração,
mas nem sempre, uma resposta vinha...
E isso, mostrava me-a cor da amargura,
que levava -me a beira da loucura,
ao ver aquele meu reino, sem sua rainha.
Mas hoje, sinto- me bem, muito diferente
por que ela, vejo constantemente
frequentando, essa mesma escrivaninha....


GIL DE OLIVE
 
SEU COMENTÁRIO

TRINTA E CINCO ANOS DE CASADOS

 
TRINTA E CINCO ANOS DE CASADOS

Trinta e cinco anos, que hoje comemoramos,
é o tempo, que vive nossas almas unidas,
ainda com ternura, frente a frente nos olhamos,
hoje, na mais linda data de nossas vidas.

Inesquecivéis momentos que juntos vivemos,
vamos agora a Nossa Senhora agradecer,
relembrando belos momentos que tivemos,
e esse amor, que por ti nunca vi morrer

Recordando ao ve la de branco no altar,
que linda recordação daquele belo dia,
A! Meu amor, a felicidade sabe falar,
está enfeitando essa nossa poesia.

Entre o céu e as estrelas, fui procurar,
uma companheira cheia de amores,
trinta e cinco anos depois, vou te beijar,
em minha vida, a mais bela das flores.

Tempos vividos com carinho e emoção,
vem do universo as rosas em nossa data,
é voce, o verso mais lindo de uma canção,
a mais bela música, de uma serenata.

Quanta felicidade nos olhos meus,
alegria de alguém que em Jesus crê,
estou agradecendo ao bondoso Deus,
sei que foi ele, que me enviou voce.
 
TRINTA E CINCO ANOS DE CASADOS

DESTINO CATIVO

 
DESTINO CATIVO

Entre muitas, entre milhões de plagas,
chegam até mim, por inúmeras vagas,
mensagens que envia, uma deusa do mar.
Eu que na vida, sempre cavando fossos,
não percerbi, a dormência nos ossos,
por que via um sorriso, na luz do luar.

Lancei meu grito, desafiador e horripilante,
grito com força, grito, com voz de um gigante,
-Venha escuridão, tire minha saudade de lá...
Mas, no horizonte, enorme e tão extenso,
num escuro nevoeiro, fechado e denso,
só consegui ouvir , os pios de um carcará.

Uma frieza, que na alma nada agasalha,
me impede de atravessar essa muralha,
mesmo que voasse como uma ave de rapina.
E meu corpo, tremendo,sente que desmaia,
ao perceber que não posso sair dessa praia,
que jamais consigo, romper essa cortina...

E essa saudade? Que de mim nunca larga,
que só me mostra a sua face tão amarga,
parece querer matar o meu lado guerreiro.
Mesmo que viajasse na cauda dos ventos,
não sairia do amaranhado de sentimentos,
não me deixa sair, desse destino cativeiro...


GIL DE OLIVE
 
DESTINO CATIVO

O PREFEITO DO AMOR

 
O PREFEITO DO AMOR

Meus caros amigos eleitores
caso venha vencer essa eleição,
construirei a praça dos amores
e a passarela da inspiração.

Se eu merecer o seu valioso voto
cumpro tudo o que já prometia,
e não preciso de ganhar na loto
para construir a rua da poesia.

Não ficará guardado nas gavetas
quero ver realizada essa meta,
já tenho local, para a casa das letras
onde teremos o cantinho do poeta.

Estou premetendo, que se eleito for
isso é, se faturar essa eleição,
abrirei logo, a biblioteca do amor
parque das trovas e parque do coração.

Não prometo a todos uma Mona Lisa
so prometo o que falo nesse discurso,
quero ver a eleição da melhor poetisa
podem se inscrever nesse concurso.

Nesse meu plano de governo atual
só aceitarei poetas, como meus vereadores,
e não me chamem de prefeito cara de pau
mas sim, de prefeito dos trovadores.

GIL DE OLIVE
 
O PREFEITO DO AMOR

SINGELOS POEMAS

 
SINGELOS POEMAS

Muito bonita, diferente,essa sua poesia,
escrever uma tão bela assim, também queria,
mas bem diferente de voce, falta me os temas.
Isso já sei, somos totalmente ao contrário,
sobre rimas, tem em sua mente um dicionário,
eu não, por isso só escrevo singelos poemas.

Dói lá no fundo da alma, atinge na profundeza,
quando leio alguma sua poesia de tristeza,
admiro como isso, consegue assim montar.
São lindas! O que é verdade a gente admite,
talvez sem saber, cada palavra transmite,
nas poesias de amor, sobre isso não vou falar.

É uma poetisa completa, cheia de qualidades,
que mostra nas rimas, as puras realidades,
mas, sou simples fã, que diariamente te lê.
Não te invejo, mas nas letras quero crescer,
e um dia, juro que quero ainda escrever,
uma bela poesia, igual hoje escreve voce.

GIL DE OLIVE
 
SINGELOS POEMAS

NÁUFRAGO DA VIDA

 
NÁUFRAGO DA VIDA

Cultivei tanto o medo de uma escuridão,
jamais tive coragem de ir ao necrotério,
tudo chegou ao fim, acabou a depressão,
quando, tive que dormir num cemitério.

Na vida, sempre tive aversão aos judeus,
brigava com os barulhentos estudantes,
foram as judias, cuidaram dos filhos meus,
jovens atenderam meus gritos alucinantes.

Rejeitava comida, por que não tinha fome,
pelos mendigos, nunca sentia a tristeza,
agora vejo, o que eu, e ele, tambem come,
depois que tudo me levou a correnteza.

Envergonho, nunca gostei da cor escura,
mas lembro, que a água tudo me roubou...
Foi uma mão forte,com força e muito segura,
negra ,que de uma boca de lobo me retirou...

Negros,judeus,estudantes, nem reconhecia,
mas, agradecendo , ajoelhado estou aqui,
não posso dizer tudo numa única poesia,
com suas ajudas, as inundações sobrevivi...

As águas, conseguiram, os bens tudo levar,
a enchente não tem vida, e só um arrastão,
estou aqui vivo, posso tudo agora recomeçar,
tendo, para meu viver, uma nova visão...

GIL DE OLIVE
 
NÁUFRAGO DA VIDA

QUERO UM DICIONÁRIO

 
QUERO UM DICIONÁRIO

Preciso melhorar o meu vocabulário
muita coisa já não estou mais entendendo,
terei mesmo, que apelar para um dicionário
para saber, o que é que estou escrevendo.

Como estudei pouco mais que o primário
minha letra esta saindo pior que enxurrada,
ou volto a ter umas aulas no educandário
ou já que ninguém vai entender mais nada.

Tá ruim, muito pior que receita de veterinário
daqui a pouco, dos leitores só levarei gancho,
será preciso pedir ajuda para o Santo Sudário
para conseguir ler esse monte de garrancho.

Vão acabar mandando as poesias pro relicário
ja que as palavras não tem um significado,
não sei o que dizer, isso já e problema diário
para ler um pouco, so com ajuda de advogado.

Se não estudar, só me resta ser um missionário
se não estudar, e não melhorar essa letra,
no meu serviço, já cortaram o meu salário
não conseguiram ler, nem com ajuda de luneta.

Continuar assim, só terei leitor presidiário
mas vou mudar, por que isso nada me custa,
ou serei expulso daqui, como um corsário,
por que assim, até analfabeto se assusta.

Essa poesia foi inspirada num texto da minha amiga poetisa Nanda.
GIL DE OLIVE
 
QUERO UM DICIONÁRIO

O CAPITÃO DO NAVIO

 
O CAPITÃO DO NAVIO

Hoje estou retornando para o mar,
serei do navio, novamente o capitão,
mas de ti, para sempre vou lembrar,
vendo em sua imagem a pura emoção.

Tristeza? É o que mais sinto,
não verei mais o labirinto,
que me levava a seu coração.

A noite, quando sozinho no navio,
olhando para a lua,altair, antares,
lembrando do marinheiro que partiu,
sem voce, navegando pelos mares.

Meu veleiro errante,
vai para lugar distante,
longe de seus olhares.

Deu me amor, ternura,tantos carinhos,
desde o dia que nessa baía ancorei,
foram tão lindos, nossos caminhos,
certeza, os mais belos que naveguei.

Adeus a ti, e ao verde monte,
terá só água no horizonte,
no mar, seu rosto verei.

Voltar a te ver, nenhuma esperança,
triste verdade, uma dor que esmaga,
mas sei, não morrerá sua lembrança,
então, o coração do marinheiro naufraga.

Vejo a dolorosa saudade,
dos dias de felicidade
chama que não apaga.

No leito macio que tantas vezes deitei,
estou sabendo, outros irão frequentar,
não sentirá o perfume que lá deixei,
seus olhos verão outros em meu lugar.

Ondas, água e o mar azul,
estou rumando para o sul
com a tristeza a me fitar.

Está na mente essa lembrança viva,
que ninguém vê, não sabe a tripulação,
mas que trás minha mente tão cativa,
nas águas, nos mares, nos portos da solidão.

A onda, que na noite ecoa,
mexe comigo, lá na proa,
só vejo a escuridão.

Está sem rumo, o meu possante veleiro,
e não acredito o quanto em dias mudei,
não sou mais livre, do amor prisioneiro,
desde o dia que essa linda mulher deixei.

Mundo de uma fantasia,
dorme lá minha poesia,
e eu, até hoje não acordei.

GIL DE OLIVE
 
O CAPITÃO DO NAVIO

MEU PEQUENO RIBEIRÃO

 
MEU PEQUENO RIBEIRÃO

Leve tudo isso do meu pensamento,
leve junto com o suave vento,
leve, minha tristeza para o mar...
Vivo aqui, nesse rancho, no mato,
tendo por companhia, o regato,
que nunca escuta, o meu chorar...

Vivendo a tanto tempo sozinho,
companhia? Só um passarinho,
e a saudade, aqui sempre presente...
E o vento, com seu triste assobio,
que acompanha o pequeno rio,
sempre rimando, com sua corrente...

Em noites escuras, e com neblina,
quando saio lá fora com a lamparina,
ouço o rio, e seus sons na escuridão...
Aí sim,sinto na alma, de verdade
a dor, que vem de uma saudade,
seus barulhos, são letras de solidão...

Àgua, que ao bater na pedra, grita,
som, que atinge a alma do eremita,
mas seguem ,vão diretas para o mar...
Meu regato, vizinho, pequeno ribeirão,
em uma serenata, pediu meu coração,
para um dia,também daqui me levar...

GIL DE OLIVE
 
MEU PEQUENO RIBEIRÃO

O BARULHO DAS ÁGUAS

 
O BARULHO DAS ÁGUAS

Pequena cabana, no meio da mata,
onde mora um poeta, e um viralata,
no quintal, por enquanto, nenhuma flor...

Ao longe, uma cachoeira que deságua,
trazendo para a mente, triste mágua,
e saudade, de tão distante amor...

Do leito do rio, os vagos ruídos,
fazem recordar, tempos perdidos,
que se transformam em dor...

Ouvindo dos pássaros, os belos piados,
transportam me, para tempos passados,
tristeza, invadindo a alma e o coração...

Relembrando o rosto, da antiga namorada,
torna muito mais longa essa madrugada,
tudo, se transformando em solidão...

Mas nem tudo e tão deserto,
por que ouço aqui bem perto,
o barulho das águas, do ribeirão...

GIL DE OLIVE
 
O BARULHO DAS ÁGUAS

O MEU SUL DE MINAS

 
O MEU SUL DE MINAS

Que bela região! Esse sul de Minas,
que, com suas águas tão cristalinas,
é uma tremenda riqueza, de nossa nação.
Do inimitável doce de leite, de Muzambinho,
falando do Pé de Moleque, de Piranguinho,
das famosas malhas , de Monte Sião.

Das belas cidades,Serra da Mantiqueira,
de Ouro Fino, e seu Menino da Porteira,
da pacata e tão tranquila Congonhal.
É esse, um belo pedaço do mundo,
as terras verdejantes, lá em Poço Fundo,
o café de Cristina, minha terra natal.

Tantas jóias,como a bonita Lambarí,
outras pequenas, como Tocos do Mogí,
outras tão famosas,como é Caxambú.
De São Lourenço, e seu lago admirado,
dos rios tão piscosos, lá em Machado,
não esqueço, as montanhas, de Piranguçú.

Belezas naturais, campos de Guaxupé,
a mais alta de todas, linda Maria da Fé,
e em Cachoeira de Minas, festa de São João.
Parece uma fantasia,uma terra de duendes,
sem esquecer da serena Elói Mendes,
e da tranquilidade, de Bueno Brandão.

Pelo verde, são todas elas enfeitadas,
como ví, nas redondezas de Andradas,
tambén nos belos campos de Itanhandú.
De Paraisópolis,e seu pastel do mercado,
uma das delícias, do sul do estado,
ia esquecendo, dos peixes, de Paraguaçú.

Pouso Alegre,Poços de Caldas, Consolação,
que e vizinha, da paulista Campos do Jordão,
Extrema,Itajubá, que charme e beleza derrama!
Conceição dos Ouros, e a festa do polvilho,
que enfeita e região, com tanto brilho,
linda cidade, como a represa lá de Fama.

Cidades Sul Mineiras.Temas de emoções,
Campanha,Estiva, Três Pontas,Três Corações,
do soboroso queijo que produz, Itamonte.
Boa Esperança,enfeita a regiâo Mineira,
Virgínia,Campo do Meio,Carmo da Cachoeira,
orgulhos da capital, nossa Belo Horizonte.

De tantas que não citei, são dezenas,
Passa Quatro,Sapucaí Mirim, e Alfenas,
Camanducaia, e sua vizinha, bela Cambuí!
Ufa! Já com meus olhos bem vermelhos,
recordo com saudades, da pequena Botelhos,
todas no Sul de Minas, região que nascí.

GIL DE OLIVE
 
O MEU SUL DE MINAS

POESIAS PRA VOCE

 
POESIAS PRA VOCE

Quiz escrever uma poesia pra voce,
mas sou diferente desse seu modernismo,
ao dizer me que queria gravado em cd,
matou na hora, todo o meu otimismo.

É que ainda escrevo no caderno
é lá, que fica gravada minha poesia,
como ainda, não sou um poeta moderno,
foi seu jeito, de dizer que não queria.

Mas não quebrou minha auto estima,
não fiquei triste, nem caído no chão,
só queria te dizer que minha rima
não e feia, ela nasce no coração.

Não escrevo mais poesia pra voce,
tipo de escrita que nunca deu valor,
melhor ficar no seu mundo do dvd,
que ficar lendo poesias de amor.

Sou um poeta bem bobão, compreendo,
que ainda ouço minhas músicas do vinil,
mas sou inteligente, por que vivo lendo,
os grandes poetas do Brasil.

GIL DE OLIVE
 
POESIAS PRA VOCE

AS FLORES ERAM BELAS

 
AS FLORES ERAM BELAS

As flores, eram tão belas,
não vejo, nem sinal delas,
que enfeitavam, nossa cabana.
Lírios, camélias, e bocas de leão,
morreram, como o meu coração,
foram, com a cabocla serrana...

Vejo no pensamento a seta,
que indica, a tristeza completa,
que ficou, onde era a choupana.
Lembrança, de uma antiga era,
que hoje, não recebe a primavera,
onde morou, a tão bela cigana...

Sim, belas, eram nossas flores,
que só pra nós tinham amores,
desfilavam como uma caravana.
Mas, um dia, saiu mundo afora...
Voltei aqui, e minha alma chora,
sem flores, sem vida, sem Juliana...


GIL DE OLIVE
 
AS FLORES ERAM BELAS

POETISA DA SAUDADE

 
POETISA DA SAUDADE

Sinto falta de seu nome na tela
é que á dias, vendo não mais estou,
já está doendo-me a saudade dela
tristemente, vejo que se afastou...

Ve-la, tornou-se uma rotina de todo dia
e agora...não sei por que razão desapareceu,
acabou-se todo o brilho da poesia
até parece que minha tela escureceu...

Sinto que alguma coisa está faltando
sem ela, o site deixou de brilhar,
só sei que não está mais postando
também não sei ,se algum dia vai voltar...

Até sinto que diminuiu a felicidae
depois que seus lindos textos não mais li,
volte logo, poetisa da minha saudade,
sem voce, tudo está deserto por aqui.

Volte, poetisa, não faça alguém sofrer
volte, os seus lindos poemas a postar,
volte, mesmo que nunca chegue a saber
que tem um poeta, vivendo a te amar...

GIL DE OLIVE
 
POETISA DA SAUDADE

A ÚLTIMA SERENATA

 
A ÚLTIMA SERENATA

Não vi mais alguém nessa vila cantar
sinto falta de suas serenatas ao luar
não ouvi mais a sua linda canção...
Suas músicas que a noite enfeitava
eu sei que até minha estrela gostava
esta sentindo sua falta, meu coração.

Está faltando a voz desse trovador
ele, que enchia minha noite de amor
que trazia mais romance para os casais.
Mas que falta, está fazendo sua seresta
nunca mais minha noite ficou em festa
estou triste, por que ele não canta mais.

Que saudade, de seu violão e sua melodia
que numa madrugada, com uma linda poesia
cantando, desse lugar se despediu...
Desde que sua serenata chegou ao fim
baixou um desespero dentro de mim
sua saudade...Nunca mais daqui saiu...

Mas guardo dele, uma linda recordação
achei no banco, uma corda de seu violão
que ele lá deixou, naquele inicio de dia...
Cantou a última vez, minha música predileta
em seguida...Foi embora o meu poeta
que eu amava tanto, mas não sabia...

GIL DE OLIVE
 
A ÚLTIMA SERENATA

QUE DECOTE...

 
QUE DECOTE...
Quando dançava um xote
fui passando a mão na Inêis,
fui apalpando o seu decote
apalpei mais de uma veiz,
mas,ja me pularam no cangote,
achei que era um chineis.

No meio daquele pelote
estava apanhando de treis,
pulei mais que um coiote,
quando levei um sôco ingleis,
quase que fui para o caixote
dentadura partiu em seis...

Perdi ate o meu capote
adoecí durante um meis,
mas fui saindo de pinoti
para escapar do xadreis,
aí tropecei num caixote
levei um murro dum japoneis...

Perdi ate o meu malote
cheguei a falar franceis,
me bateram com o chicote
so faltou corredor poloneis,
Não quero ver na frente decote
e nunca mais a Inêis...
GIL DE OLIVE
 
QUE DECOTE...

ESCREVA UM POEMA

 
ESCREVA UM POEMA

Será isso uma magia?
Não, é apenas a poesia,
coisa linda para ler.
Ao mundo da fantasia,
pode ir onde queria,
é livre para escrever.

Não deixe escondido,
um tema adormecido,
escreva quando puder.
Fale de coisa querida,
fale de sua vida,
deve amar uma mulher.

Fale de alguma espera,
das flores da primavera,
escolha qualquer tema.
Escreva sobre o amor,
fale sobre uma flor,
ficará lindo seu poema!

Ninguém proibe nem veta,
solte sua alma de poeta,
fale de sua emoção.
Escreva, que quero ler,
nunca canse de escrever,
isso faz bem ao coração.

GIL DE OLIVE
 
ESCREVA UM POEMA