Poemas : 

Tormenta

 
Lágrimas caem feito pétalas no outono
Meus olhos desbotam, com o monótono gotejar
Triste canção que me afasta o sono
- ao invés de acalentar

Olho a janela, as luzes se movem
As nuvens do céu se dissolvem no mar
Sonho acordada que sou tempestade
Mas nunca aprendi a trovejar

Cravo as unhas sobre a face
Meu disfarce já vai se desmanchar
Mancho os lençóis com meu sangue vermelho
Vejo o espelho me denunciar

O arco que atravessa a íris
Um raio me rouba o ar
Arrepios febris sacodem meu corpo
Que parece evaporar

Minha alma se transmuta
Mas o penar nunca se esgota
Sou tempestade em conta-gotas
Trovão de uma garganta muda
 
Autor
nataliarcorrea
 
Texto
Data
Leituras
1012
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Affonso
Publicado: 08/06/2012 19:34  Atualizado: 08/06/2012 19:34
Colaborador
Usuário desde: 09/04/2011
Localidade:
Mensagens: 1144
 Re: Tormenta para nataliarcorrea
Olá Natália

Trovão de uma garganta muda..... e que poema bonito, muito bem construído, parabéns. Affonso


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 08/06/2012 19:40  Atualizado: 08/06/2012 19:40
 Re: Tormenta
Bonito mesmo teu poema!
Niki

Enviado por Tópico
EdmilsonOliveira
Publicado: 08/06/2012 23:47  Atualizado: 08/06/2012 23:47
Membro de honra
Usuário desde: 07/10/2009
Localidade: Resende - Rio de Janeiro - Brasil
Mensagens: 228
 Re: Tormenta
...boa noite

...Natália, parabéns pelo seu lindo poema, forte e triste com uma linguagem poeticamente perfeita, abraços.