https://www.poetris.com/

Mensagens de desilusão

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares da categoria mensagens de desilusão

Corre o rio de tristezas devagar cor de sangue 🌹

 
Corre o rio de tristezas devagar cor de sangue 🌹
 
Corre o rio de tristezas devagar cor de sangue
Sangue, sangue de dor arma enferrujada
Veias de veneno lapidado sugado no escuro
Corpo estendido esquecido e sentido
Sangue derramado de um soldado
Com o coração partido perdido, magoado
Guerra estúpida, sem tempo, sem hora
Humanidade despida sem destino nas areias
Escaldantes do deserto desentendidos, ignorantes
Corre o rio de dor, de sangue de odor, podre, fede
Carne apodrecida deixada à sua sorte
Veias lapidadas de cores de uma guerra estúpida
Sem honra, sem respeito, sem compaixão
Feridas feitas no peito de sangue que deixam cicatrizes
Na fogueira das vaidades resplandecentes sentimentos
Lapidados de sangue nas veias de um corpo escondido
Onde as trevas cobiçam aquilo que não podem ter
Águas que correm com a força da natureza nas fragas
Da nossa lucidez na dor sentida tantas vezes em nós
Corre o rio de tristezas, devagar nas pedras cor de sangue
Desta humanidade que se esquece de conquistar a bondade .

Quando eu morrer serei pó
numa qualquer roseira
entre as saudades de alguém.
🌼🍂🌻🍁
Isabel Morais Ribeiro Fonseca
 
Corre o rio de tristezas devagar cor de sangue 🌹

Mentiroso

 
Não lembro de ter passado uma noite em claro por um motivo tão banal. Maldito! Foi o resultado de confiar demais no amor, em contos de fada, em um mentiroso nato. Eu já estava cansada de saber que essas coisas não existem e que homens são quase todos iguais( desculpe os impropérios, amigos, existem exceções), mas novamente me iludi. Paguei caro, lá se foi a noite e nada de sono. O dia também não preguei os olhos, engoli o choro, não tive fome, foi um esforço tremendo encarar a família com essa cara de dopada no velório. O pior é que no tempo de pandemia, todos estão confinados e eu tive que bancar minha melhor cara de muralha. Odeio chorar na frente dos outros, principalmente aqui em casa. Não derramei uma lágrima, Deus ouviu minhas preces, logo eu que choro por tudo. Não pude chorar até soluçar, que repressão, estou pior que os melões no sutiã. Minha cabeça fervilhou a noite inteira.Como irei lidar com isso?Logo eu que já estava imune(pensava). Enquanto uns adoram sofrer por quem não merece e resistem a esquecer, virar a página, eu tenho verdadeiro pavor. É como enjoar durante uma viagem. E que viagem! Então respiro, olho para o alto tentando evitar vomitar a tristeza. Sinto-me parindo novamente uma desilusão quando a última já entrou na puberdade e percebo-me totalmente despreparada( como marinheira de primeira viagem). É muito cinismo ter coragem de pronunciar: - Amo-te!
 
Mentiroso

Fidelidade

 
Fidelidade
 
Sem que veja o tempo
Passa
Parecendo até
Fumaça
Se esvaindo no ar sem que se possa segurar.
Fumaça inodora, insonsa,sem graça.
Não ha ondulacões é reta,certeira,com certeza na direção certa.
Tão curta ,se furta não escuta.
é obediente em sua caminhada, não ha retorno,não ha atalho.
Não me oponho a essa fidelidade, correndo atrás da felicidade, tão próximo do fim!

Nereida
https://novanereide.blogspot.com
 
Fidelidade

Devolvido

 
Devolvido
 
Não sei mesmo o que fazer em relação

ao amor.

Quando ele acontece(a dois) é sempre

unilateral.

Amo ou sou amada. Nunca, amo e sou

amada.

Almas gêmeas só na ficção.

Como dizem, no começo é um mar de

rosas, aos poucos, o espaço vai sendo

ocupado pelas lamentações.

Passamos muito tempo juntos,

murmurei enquanto lhe acenava com a

mão...

Parecia um livro na caixa de devolução.

Foi bom enquanto durou!
 
Devolvido

Folhas de outono

 
    Folhas de outono
 
Folha envelhecida
Foi ao chão!
Triste amarelecida
Findou sua missão.

Levada pelo vento
Diz adeus ao arvoredo
Vai rolando sem tento
Acenando para o passaredo.

Passa o tempo
Passa, passando
Levando à contento
Fragmentos chorando!

Nereida
https://novanereide.blogspot.com
 
    Folhas de outono

*ESSE TEU JEITO

 
*ESSE TEU JEITO
 
*Esse Teu Jeito

Esse teu jeito firme
De alcançar meu coração
A palavra bem define
Guardarei com emoção.

Esse feito de querer-me
E os obstáculos vencendo
Derrubou-me, fez querer-te
Vassala me envolvendo.

Esse jeito que escrevias
Mesmo na longa distância
Foi torturas e alegrias
Foi momentos de bonanças.

Foi na escrita com jeito
Que o sonho se envolvia
E caiu sem nuvens, sem jeito
Na mesma palavra vazia.

Sonia Nogueira
 
*ESSE TEU JEITO

Hoje não

 
Hoje não
 
Hoje não. Eu quero o silêncio da palavra.
Hoje não.Poupe meu ser, eu quero a paz.
Hoje eu quero ser passarinho voando em terras longínquas.
Eu quero ser águas em velocidade contínua.
Eu quero ser mar! Mar e céu na espera do anoitecer e, o milagre acontecer.
Hoje serei a estrela mais brilhante.
Serei perfeita luz carregada de amores cósmicos e triunfante.

Nereida
 
Hoje não

Palavras

 
Palavras
 
Se minha palavra interessou
Outras tantas tenho para dizer
Algumas que te abençoou
Outras tantas pra mal dizer.

Bem me quer- mal me quer
Palavras jogadas ao vento
Rebuscam até onde estiver
Paridas como um rebento.

Palavras, sementes e palavras
Te buscam mas não são lidas
Plantadas na terra que lavras
Palavras apenas palavras esquecidas.

Nereida
https//novanereide.blogspot.com
 
Palavras

O bilhete

 
    O bilhete
 
Meu despertar foi de surpresa
Não havia sol
Tempo encoberto , cinzento
Um bilhete sobre a mesa.

O que ele diria?
Bilhete de adeus, de amor?
À cima uma flor
O que importa ! jamais o leria.

Nereida
 
    O bilhete

Guardados

 
   Guardados
 
Sei que nada voltará, sem...
Meu sorriso ingênuo.
O meu brincar
O meu brinquedo
O meu segredo
O meu rezar.

A minha espera
O meu cantar
O meu contar
A minha esfera.

Sei que nada voltará, em termo...
Apenas o meu sorriso enfermo.

Nereida

https://novanereide.blogspot.com
 
   Guardados

Canta o galo em cima do telhado 👒

 
Canta o galo em cima do telhado 👒
 
Canta o galo em cima do telhado
Velho de podre a cair aos pedaços
Dormem os campos serenos
Agitam à passagem de uma suave brisa
Que acompanham os meus passos
Dormem sossegados já sem desassossego
Dos dias de férias passados na aldeia
Das idas à barragem do Azibo
Água fresca, limpa, de pedras e fragas
Caminhos de lama, trilhos de fragas, de pedras
Pelas ruas de casas caídas em ruínas
Onde as migalhas de pão caíam no chão
De soalho, tábuas corridas
Onde outrora não havia fome
Havia trabalho, trabalho duro, de sol a sol
Onde o pão não faltava e alegria também não
Ouvia-se o riso e o cantar das gentes
Das crianças a ir para escola alegres e felizes
Com um pedaço de pão na algibeira
Agora é só dor da partida, partida permanente
Onde vai-se e não voltam
Casas em agonias e tormentos onde
Os velhos gemem as suas mágoas, os seus desenganos
Embriagam-se nas dores que os atormentam
Prostram-se cansados pelos anos
Choram no banco da igreja, no banco de um jardim
Perdem o rumo da vida, da alegria
Como se navegassem sem mastro, sem leme
Das aldeias perdidas esquecidas e dizem
Estes velhos sábios das nossas aldeias
Hei-de morrer algum dia.

As saudades
São flores na alma
🌹👒
Isabel morais Ribeiro Fonseca
 
Canta o galo em cima do telhado 👒

O cair da tarde

 
O cair da tarde

O dia começa a declinar está uma tarde deliciosa,
a brisa muito suave está a refrescar um pouco mais,
o sol já mais baixo a desmaiar, a querer deixar-nos
e a pouco e pouco vai-se sumindo entre os pinhais,

que recortam a orla marítima que é interminável
atrás da linha do horizonte, uma auréola alaranjada
uma mistura que se esfuma em vários tons matizados
surgem e mais nos parece uma fogueira enfeitiçada.

O azul do céu conserva-se ainda, embora mais escuro
e começam a pontear, algumas pequenas estrelinhas.
Aromas subtis soltam-se e absorvemos o ar mais puro!

São assim as tardes que já antecedem o belo Outono,
estação das despedidas, dos belos passeios a beira-mar
e o Verão despede-se de nós! Amigo, até ao teu retorno.
 
O cair da tarde

Vigília

 
Vigília
 
Nesse silêncio congelante
Tendo a alma congelada
Pululam os pensamentos
Na madrugada sem amante.

Só, estou triste, acordada
Não sei dos teus passos
Uma oração então eu faço
Nessa fria madrugada.

A noite assim pede
Para o dia nascer
Você não veio dizer
A vigília existiu e,pronto se despede.

Nereida
 
Vigília

Sou triste

 
Sou  triste
 
Bom dia tristeza!
Que me acompanha
Até a noite e me apanha
Melancólica, sem firmeza.

O dia perdeu suas cores
Ou meus olhos se recusam
A ver o belo, as flores recuam
fogem de mim, de minhas dores.

Bom dia tristeza
Agarrada à mim
Não me deixa, segue até o fim
Porque sou triste:--Sou tristeza!

Nereida
https://novanereide.blogspot.com
 
Sou  triste

Basta

 
            Basta
 
Meu desejo que mude,
O tempo o vento.
Tire esse tom nude,
O cálice seja bento.

Viva sejam as cores.
As flores não sejam,
Pálidas, sem olores,
Suave perfume tenham.

Desejo que mude,
A oferenda seja farta.
Preciso que ajude.
Preciso dar um basta.

Basta! mudança,
Radical, bem vinda.
Desejo a esperança,
Pois meu coração bate ainda.

Nereida
 
            Basta

PRIMAVERA DE ILUSÕES

 
Desce o sol sobre o solstício da mãe primavera
Um anjo palhaço voa, à anunciar novos sonhos
Ilusões para empurrar, no mar o barco à vela.
Utopias e devaneios de poetas tristonhos...

Terras do sem fim, ai de mim que as conheço!
Ai do meu poema que viu, e ouviu as verdades...
A dor que ignoraram, as senti e sinto__ Padeço!
Quando a ventania usurpou-me, má, as vontades

E de todas as incertezas desta vida. Sã loucura...
Das solidões que invadem as almas nas madrugadas
A minha é aquela que para a qual não houve cura.

Mas danço ainda o bolero dos que fingem alegria
E fingindo permito que a noite abra suas asas...
E a noite não tem luar. Eu, nem amor ou poesia.

Elisa Salles
(Direitos autorais reservados)

Fonte: Formatação da designer Marilda Amaral
 
PRIMAVERA DE ILUSÕES

Revolta

 
Estou zangada com a vida

Revoltada e possuída

Tenho saudades de ser recruta

Tenho saudades de dormir em pé, numa praxe cruel

Tenho saudades da mochila com ração de combate

Tenho saudades de matar galinhas com os dentes

Tenho saudades do peso das botas a mil, acrescido do peso do cantil

Tenho saudades do desafio com cheiro a perigo

Tenho saudades de rastejar e de na lama andar

Tenho saudades de pular o muro fora de horas para que o castigo não me chegasse

Tenho saudades de tudo o que já não me aborrece

E agora de mochila em punho em missão eu ia

Rumo ao desconhecido desafio com sabor a magia

Numa missão não somos nada e somos toda a diferença

Ana Cristina Duarte

*@
Na praia à noite ao luar
X
 
Revolta

Ricardo

 
Caros amigos.

Alguém me sabe dizer se o senhor Ricardo ( mais conhecido por Trábis) desapareceu, se ele finou ou se simpesmente ele não liga nenhuma aos poetas que por aqui publicam
(eu publico, mas não sou poeta )
É que eu enviei-lhe varias mensagens desde do mês de Agosto e não tive a honra de receber ao menos uma resposta que fosse.

Sendo assim e condiderando este senhor, tenho andado preocupado com a sua ausência.

Obrigado

A. da Fonseca
 
Ricardo

Ainda

 
  Ainda
 
Ainda que preservasse
Bondade e formosura
Sabia que só a mesura
Não bastaria nesse impasse.

Ainda que prevalecesse
Um fio de esperança
Havia a semelhança
Como motivo e...esqueceste.

Ainda que lembranças esquecidas
Marcaram o fundo da alma
Momentos de paz e calma
Flores ,espinhos,uma flor esmaecida.

Nereida

https://novanereide.blogspot.com
 
  Ainda

Dormente sonhar

 
Dormente  sonhar
 
Minha vós se calará
Um dia cessará minha escrita
Haverá uma oração na cripta?
Mas tardia não valerá!

O tempo sendo inclemente
Deixará palavras esquecidas
Dormente sonhar aquecidas
Não terá germinado a semente.

Minha vós emudecida
Não mais terá validade
Desculpa mas, sem humildade
Escrita no canto, sem encanto
Falecida!
Nereida
 
Dormente  sonhar