https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Avis rara

 
Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que nela habita!"

Um ser de extremos, um homem, um menino, uma criança eterna que vive entre a realidade áspera ditada ao corpo e o sonho contado à alma. Um ser de extremos, uma alma viva, um solfejo incandescente que se desdobra entre a possibilidade de ter e uma mistura de emoções a percorrer-lhe a mente, uma tortura gélida que o impossibilita de se emaranhar, profundamente, nesse novelo que o tem ensinado a desapertar nós, apertando os mesmo na luta por apenas quererem existir. Um ser de Extremos, uma personagem que se mostra distante, intocável, sem a possibilidade de ser atingido e um figura que chora, que se dá, que se emociona com a mais pequena lucidez de carinho que lhe transmitem. Um ser de extremos, uma armadura feita de puro titânio, uma fronteira de pedra, um castelo frio, onde existe um calabouço para as emoções e um ser perdido, um autêntico castelo de cartas que se esbate no chão ao mínimo toque, à mínima brisa que por ele passa. Ele, um ser de extremos entre os extremos do pensamento vivo onde a emoção não se esconde . Frágil, amedrontado, incapaz de suportar a ausência, a troca, uma sensibilidade tão ínfima que se entranha nas pontas dos dedos, um menino que olha para o longe, que não suporta a transferência de peles, de essências, que não consegue imaginar a possibilidade do abismo quando imagina a dádiva de sabores, que não dorme porque o sono amedronta-o, porque nessa altura não está desperto.
Quanto mais tem, quanto mais sente, quanto mais se dá, maior será o desespero de um sentimento que se espalha, preenche, que atinge todos os poros por onde a pele respira, que abarca todas a ínfimas partes de um organismo que se ajoelha, olhando para a Terra e respirando em si mesmo pensa "apenas quero ser feliz".
...é uma alma feita de pequenos morfemas, de palavras simples, carregadas pelas ondas de um (a)Mar percorridas pela (br)isa, onde a sonoridade carregada de R se transforma na fluência simples de uma corrente branda em uma assimilação à pele onde a palavra fica tatuada.
Um ser de extremos, perdido, encontrado, que ri, chora, que tem, todos os dias, aprendido a caminhar, a andar, a voar para além de ele mesmo,

e se o encontrares na cave, lá no canto, naquele espaço contiguo ao inferno, de olhos lavados em lágrimas, não tenhas receios, porque apenas se encontra lá para se proteger, esconder a sua fragilidade...porque é tão simples ter medo!

...e se o medo existe, talvez seja porque tu também existas!

Um ser de extremos, apenas e só!


"Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que nela habita!"



 
Autor
Gothicum
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1354
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
36 pontos
4
4
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 05/04/2014 22:14  Atualizado: 05/04/2014 22:14
Membro de honra
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8095
 Re: Avis rara
adorei ler, de uma sensibilidade, lúcidez e capacidade de análise que me emocionou.
abraço

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 05/04/2014 23:00  Atualizado: 05/04/2014 23:01
 Re: Avis rara
Senti-me sugada pelo encanto.
Parabéns!

Enviado por Tópico
TrabisDeMentia
Publicado: 07/04/2014 22:14  Atualizado: 07/04/2014 22:14
Webmaster
Usuário desde: 25/01/2006
Localidade: Bombarral
Mensagens: 2331
 Re: Avis rara
Algures julguei escutar uma declaração de amor.

Abracei.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/05/2017 10:58  Atualizado: 19/05/2017 10:58
 Re: Avis rara
Que lindo!
E quão frágil me acho dentro desta armadura na qual me escondo.

Beijo