Poemas : 

Silêncios da Lua

 
No silêncio da Lua
descalço
sem medos
longe dos enredos
de pele nua
crua
adormeço
nas noites perdidas
aonde encontro a minha mão na tua

No silêncio da Lua
despido
quimérico
adormeço
aconchegando o vivido
o querido
o sonhado
naquela história, de encantar
de ninar
aonde o amor se sente amado


"Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que nela habita!"



 
Autor
Gothicum
Autor
 
Texto
Data
Leituras
907
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
18 pontos
0
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.