https://www.poetris.com/
 
Homenagens : 

...história de uma abelha...

 
Tags:  ...a vida!  
 
<object width="375" height="344"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/O_XOlIm3ogM& ... t;</param><param name="allowFullScreen" value="true"></param><param name="allowscriptaccess" value="always"></param><embed src="http://www.youtube.com/v/O_XOlIm3ogM& ... 061&color2=0x9461ca" type="application/x-shockwave-flash" allowscriptaccess="always" allowfullscreen="true" width="375" height="344"></embed></object>

<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://2.bp.blogspot.com/_vitOQ5DfqUU ... beee.jpg"><img style="float:left; margin:0 10px 10px 0;cursor:pointer; cursor:hand;width: 308px; height: 400px;" src="http://2.bp.blogspot.com/_vitOQ5DfqUU ... J3qIA/s400/beee.jpg" border="0" alt=""id="BLOGGER_PHOTO_ID_5330241270787800690" /></a>
























Momentos, únicos, de lucidez destemperada, aqueles que assaltam o espírito no vocalismo silencioso das madrugas de Inverno. Sons que percorrem as folhagens desconcertantes na natura humana, frívola, densa, impotente para tamanha conspiração Ad Aeterno. Era uma vez, noutras eras, nos tempos passados, naqueles tempos da misericórdia sentida e vivida, da fé, da luz. Naqueles tempos onde o altruísmo se sobrepunha as demandas da simplicidade, naqueles tempos em que o mundo parece que cabe nas nossas mão, que somos donos dele e que nada nos consegue abater. Saboreavam-se todos os segundos, como se estes, fossem os últimos a emergir na tocaia da juventude. Então nesse tempo, nesse devir, nessa cumplicidade de vida, vivia uma simples abelha, pequena, mas doce, uma criatura que corria as pradarias dançando e cantando a felicidade da vida. Numa das suas viagens encontrou uma flor, uma resplandecente violeta, tímida, que emanava o seu perfume por todo o universo em seu redor. A abelha, desde esse dia, corria, incessantemente, mal o Sol subia no horizonte ao seu encontro. Não lhe falava, não lhe tocava, não pedia permissão para colher o pólen que transbordava da sua coroa. Simplesmente admirava a sua beleza, a sua pose, o seu vacilar com a brisa da manhã.
Com o passar dos dias, das semanas, dos meses a flor reparou na criatura que a abordava de longe, em silêncio, que a admirava. Um dia deu-se o encontro esperado, conversaram, falaram, tornaram-se amigos, as horas corriam tão depressa que pareciam breves segundos - tão poucos e fugazes. Mesmo assim, por medo de a ferir, a abelha nunca lhe pediu o seu pólen, sabia que era precioso demais, poderia deixa-lo cair com os ventos que circundavam aquela zona do paraíso. Quando os simples toques e os olhares começaram a ficar mais intensos veio a borrasca. Tempestade, o ciclone da vida. A planta graciosa começou a ser atacada pelos germes provenientes da terra, dilacerando o corpo da bela violeta, envenenando o seu existir, carcomendo as suas raízes, o seu caule, as suas folhas a sua flor. A sua existência torna-se ténue, frágil e, num último sufoco, pede às suas irmãs que a escondam dos olhos da abelha. Ela quer que o ser que a admira se recorde da sua beleza, do seu perfume e não da ruptura erosiva que a deplora. Quer, continuar a ser recordada a linda flor da pradaria, tímida, sensual e frágil. O tempo passa e, num piscar de olhos, vive a agonia dos últimos raios de Sol, dos últimos alentos de calor. Neste momento, o Jardineiro Mor, lá do alto, olhou, sentiu a dor e cortou-a, levando-a para sempre daquele jardim à beira Eden plantado. Pereceu para todo o sempre. A abelha, singela criatura, tornou-se um espectro, frio, corrosivo, caustico durante longos tempos. Percorreu os vales e as serras, as montanhas e os mares sempre como um noitibó da demanda, Perdeu a fé, perdeu o altruísmo, a sinceridade…perdeu-se a ele próprio. Foram precisos anos e anos para que outra flor, outra ninfa dos vales encantados lhe tocasse ao coração…e lhe deu alguma luz…ténue mas que ajuda a caminhar nas noites mais escuras, aquelas noites da cegueira da alma.Hoje o ser recorda a musa da sua juventude e a ninfa que o conseguiu trazer até à sua velhice. <span style="font-weight:bold;">Ab Aeterno Tempore</span>!


"Quanto maior a armadura, mais frágil é o ser que nela habita!"



"Saudade é uma coisa que não tem medida, é um vazio que a gente só pode preencher com a lembrança."
(Irene de Albuquerque)
 
Autor
Gothicum
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1631
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
10
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 31/05/2009 14:48  Atualizado: 31/05/2009 14:48
Membro de honra
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 11251
 Re: ...história de uma abelha...
Uma homenagem tocante e metaforicamente muito bem escrita.
Adoro a tua forma de escrever.

Beijos


Enviado por Tópico
SofiaDuarte
Publicado: 02/06/2009 20:53  Atualizado: 02/06/2009 20:53
Da casa!
Usuário desde: 19/12/2008
Localidade: Portugal
Mensagens: 338
 Re: ...história de uma abelha...
Como uma história de uma simples abelha nos seus dias de vida se demonstra um sentir intemporal que atravessa várias vidas...

Adoro a forma como escreves, a forma como tornas tudo melodioso e rico!

abraços,
Sofia Duarte


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 04/06/2009 13:33  Atualizado: 04/06/2009 13:33
 Re: ...história de uma abelha...
Inconfundível a tua escrita...gostei de te saber por aqui também...


Beijinho


Dolores


Enviado por Tópico
Nanda
Publicado: 05/06/2009 12:04  Atualizado: 05/06/2009 12:04
Membro de honra
Usuário desde: 14/08/2007
Localidade: Setúbal
Mensagens: 11076
 Re: ...história de uma abelha...
Gothicum,
Toda a sensibilidade de uma alma pura neste conto que fala dos efeitos da erosão da vida sobre as criaturas e da existência de seres capazes de bondade e gestos altruístas.
Apreciei e muito.
Beijinhos na alma
Nanda


Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 12/06/2009 22:57  Atualizado: 12/06/2009 22:57
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3731
 Re: ...história de uma abelha...
É por textos como este, que vale a pena ler até ao fim!
Adorei e comovi-me com a sensibilidade de quem escreveu tamanha beleza.

Muito obrigado por este "pedaço de vida e fantasia"(bem sei que é o título de um livro de um grande senhor e escritor desta casa, mas não resisti... porque assenta no que te queria dizer, como uma luva)!

Beijo

PS. A envolvente música deliciou-me e perfumou a minha leitura.