https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Azul

 
Búzios na barra azul da areia
guardam música do céu em silêncio,
escutam a maresia que espreita
o quarteto das estações
no intimo pedaço de fundo.
A onda embalada pela nuvem auroreal chumbo,
venda o raio dourado do astro
espelhado no chá bebido na penumbra
da sala azul floral, prenhe de umbrais
vigilantes de névoas e de rugas acesas.
Comigo o deserto nas mãos
pousa devagar nos joelhos e
em olhar azul avisto a barca das magnólias
trazendo perfume de memórias,
lugar onde o coração se esconde
como flores em solitude.
Segreda o Verão o sossego da infância
traçando cor na harpa do rosto,
entrevendo céu e terra em simultâneo, coração poente, em emotivo abraço,
busca o lusco-fusco no ladrilho dos dias
enquanto as gaivotas anunciam na noite índigo poesia.


Zita Viegas















 
Autor
atizviegas68
 
Texto
Data
Leituras
516
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Namas-tibet
Publicado: 29/08/2018 17:13  Atualizado: 08/07/2019 18:22
Colaborador
Usuário desde: 17/07/2018
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 868
 Indigno eu










Escritor mecânico, doente incurável, monstro,
Indigno eu, organismo morto sem paladar
Ou gosto, aroma sequer, eu vulgar sol-posto
Com talento apenas de brisa indolente