https://www.poetris.com/
Poemas : 

Soneto da aniquilação

 


Pela extensão indefinida que os abrange e abafa,
na aniquilação - fagocitose dita por autodigestão;
nega aos corpos daquela imensidade parca diafa,
o anarquismo na extensão dos ares é a sideração.

Cinge meta-corpos que celestes jorram do sidéreo,
cancha de porção alva entre meteoros de argúcia,
pela extensão tão indefinida que o sofreia etéreo,
das iniquidades [lugar comum] dita naquela minúcia.

Clama orgia que nomeia todas operações não triviais,
anarquizante quando o corpo cai livremente e range,
se posterga, os espaços protela tê-los dimensionais.

Prescinde louco acabrunhado seu lancinado ingurgitar,
zurzindo vergasta nos templos da dizimação abrange,
todo parvo corpo ido daquela imensidade irá abarcar.



.
.






.
.
.
.
.
.
.
.
.
antes tarde do que nunca

he

he


ainda é quinta no Brasil


oras.....


.
.
.
.
.
.
.
..
argh!!!!!!

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
198
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.