https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Soneto da vida tirada a duas parelhas

 



Inacessível ora a vejo, ó soberana escopo da cega idolatria,
personificação máxima, mas jamais aquiesceu ser regente,
retificar as renques das duras rochas findas num monólito,
obelisco quedo do estuário da sarjeta d’uma existência fútil.

Desnudo-me sem pejo. Impudico, abro e sangro até o peito,
para que os ouça - como se os cantares do poeta angustiado,
fossem mais que sonhos inconsistentes , ilusões que acalenta;
quimeras criadas quando num átimo, a sentiu tão confinante.

Pois de fato quase a tive! Mas não ficou, se foi bruxuleando,
nas semi trevas dos crepúsculos agoniados das incertezas;
pois me iludiram cegantes prazeres venais que deslumbravam.

E foi numa alucinação que concebi a vida tirada a duas parelhas,
uma oportunidade de transcender concretas as suas metáforas.
O mais perto do topo chegar, gratificante pairar acima da terra!


 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
393
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
0
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.