https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto das almas simplórias – “Simplices animae “

 

Pois então me condenou qual safardana,
ordenou que doutra bem-aventurança
não haveria a sofreguidão à meridiana,
não queria sequer a mais tenra fiança.

Pelas decisões havidas na hora sexta,
acarretou eflúvios da dor mais dura;
em silêncio sofrer na alva pretexta,
desconhecido do sentimento a jura.

Remoto e ignaro para o cerne que era
o sentimento da preterição, tal a fera.
Desdém... finda festa em clivo inglório.

Resta um átrio estéril para memórias,
mementos lentos de almas simplórias.
Sentimento? Houve sim, mas ilusório.

 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
276
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
14 pontos
2
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/03/2016 11:16  Atualizado: 23/03/2016 11:16
 Re: Soneto das almas simplórias – “Simplices animae “

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 23/03/2016 11:20  Atualizado: 07/05/2016 04:37
 Re: Soneto das almas simplórias – “Simplices animae “