https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Soneto do sedento inato

 


Open in new window





Não tema esta vida por ser desmedida, sedento,
para o beneplácito de não haver tímido contato.
Aceitar lavorando, do poder da fé tirar o talento,
carregar nas cores para não atenuar o retrato.

Surgindo de chofre, rechaço a zombaria, altivo,
careça a razão – mormente prejudicial e mediato.
Senhorial palavra que antes do reles substantivo,
se vê subjugado diante dela, ingente o desbarato.

A dizer a palavra na boca rota repetir compassivo,
se fruição de vida, não surge sequer compreensivo
e o sentimento desperto novamente terá intuitivo

Mas a velha voz foi ouvida novamente como fato,
toda geração genefluxada em dorso de imediato,
será gloriosa a obra que transmite sedento inato.


 
Autor
ReflexoContrito
 
Texto
Data
Leituras
421
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
23 pontos
3
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 03/02/2016 00:52  Atualizado: 03/02/2016 00:52
 Re: Soneto do sedento inato
quanto ao soneto e à direção deste, não vou dizer.. mas,
pergunto:

oq que tem a ver essa questão de "cópias", a que vc tem se referido?
alguem anda copiando os seus textos?