https://www.poetris.com/
 
Textos : 

O grande caderno azul - XLI

 


XLI

Sexta-feira, 14.02
L'atelier de la vie
Amanheci com uma preguiça dos diabos, mas mesmo assim vou adiantar o serviço. Até agora não reclamo de Mann, o romance tem fluidez, ao contrario de Bitov que é estacionário, nuns diálogos que não levam a ligar nenhum. Jack, o rapaz da rua 19 que de vez enquanto empresto uns livros tem um bom nível intelectual vai para seu curso profissionalizante. Adiantei bastante a encomenda, amanhã apenas os chumbadores. Sr.Picwick decidido vai para a prisão,mas não paga a indenização que pedem os dois advogados safados. Homem de fibra que não se deixa abater quando esta crente de seus atos. Vamos com Mann - a bela alemã Johana fugindo do nazismo e sua amiga Karin.
10:10 - Seu Cardoso, o merceeiro e sua dolce vita - comprei um bucho para minha cunhada preparar uma boa buchada e um fígado. Vou ler mais um pouquinho.
11:00 - Eu não quero mais ser abestado, eufórico - achar que tudo deu certo e inflar muito o meu sofrível ego como um balão para depois esvaziar-se em zigue-zague em minutos. Nada de criar castelos de cartas porque vem o vento e os embaralha. Mann esta me surpreendendo com sua boa p´rosa e a estoria bem tramada. Também filho do grande Thomas Mann. A genética literária. Tenho vontade de lê-lo. Vou fazer a ronda alcoólica.

Tarde
13:10 - O álcool na Praça com a rapaziada da cachaça.Dois notebooks - um com Seu Pietro que fala ao celular e o outro com Larissa sobre a tábua de engomar. Paninnã, o baixinho estava nas suas funções como zelador do mercado já fechado, varria pacientemente e ajuntava o lixo e colocava-o num carro de mão. Alan Black, o psicótico do regae trouxe uma garrafa de "Caninha do Engenho" que bebi duas doses e vim para casa, com medo de embriagar-me atoa. Seu Jorge, malandro velho conchavava uma negra maluca que apareceu no recinto, eis a vida. Minha cunhada cansada cochilava deitada no sofá com a cabeça apoiada num puf improvisado. Vou banhar-me. Chegou o telefone convencional.

Noite chuvosa e fria
21:35 - Gostei de Klaus Mann, muito melhor do que o enjoado do Bitov, que terei que continuara a ler. Tendo uma daquelas crises de identidade, revoltado contra mim mesmo,injuriado,insatisfeito e sem futuro - mas é a minha sina desprezada, tudo de ruim conspira contra mim.
23:40 - Bebi o meu suco de tamarindo com pão e carne moída.O frio continua. Venho para os meus aposentos,uma roda de samba no Bar do ex-jogador Chita na Praça do Viva ou Praça das Sete Palmeiras. Vou a cozinha apanhar o meu litro com agua no congelador. Visto uma camisa e deito-me.
Obrigado Senhor!

 
Autor
r.n.rodrigues
 
Texto
Data
Leituras
304
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
28 pontos
4
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Sete
Publicado: 11/04/2016 00:57  Atualizado: 11/04/2016 00:57
Muito Participativo
Usuário desde: 28/02/2016
Localidade:
Mensagens: 81
 Re: O grande caderno azul - XLI
Vejo-te na escrita uma personalidade forte e marcante que apesar dos imprevistos e dissabores, segue com valentia procurando melhorar a vida.

Abraços, foi uma excelente leitura na minha concepção.

Enviado por Tópico
samisee
Publicado: 11/04/2016 05:35  Atualizado: 11/04/2016 05:35
Super Participativo
Usuário desde: 05/03/2016
Localidade:
Mensagens: 149
 Re: O grande caderno azul - XLI
Não tenha medo de sonhar, de construir seus castelos... Se as cartas caírem, se eles os castelos forem destruídos assim como os sonhos, comece outra vez e outra e outra e outra, nunca desista, sonhar vale a pena,lutar para o realizar também, se chegar lá... Bom! E se não... Valeu o percurso, cada segundo investido neles.
Sei que cansa e muitas vezes doí, mas cansado ou com dores, temos que seguir sempre em frente e para isso tem que haver um horizonte.

Boa semana e agradeço por ler mais um capitulo do seu grande Caderno Azul.

Enviado por Tópico
LuizMorais
Publicado: 11/04/2016 12:33  Atualizado: 11/04/2016 13:02
Luso de Ouro III
Usuário desde: 29/01/2012
Localidade: Piracicaba - SP
Mensagens: 2153
 Re: O grande caderno azul - XLI -p/ r.n.rodrigues
Mais nuances do nosso soldador poeta relatando venturas e agruras cotidianas. Uma duvida: o soldador solda o sabre do soldado se o saldo do soldo não salda a solda? Um abraço.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 11/04/2016 15:09  Atualizado: 11/04/2016 15:09
 Re: O grande caderno azul - XLI
Amigo Raimundo, grande escritor, que muito admiro, saúdo-o e felicito-o por seu grande caderno azul.
Thomas Mann marcou-me com A Montanha Mágica. Se bem que, agora que recordo, nunca li o livro. Mas vi um longo filme baseado na obra e impressionou-me. De qualquer forma estou no início da leitura da tetratologia, que o próprio Mann considerava ser sua obra-prima: José e seus irmãos.

Abraço