https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Arrebol

 
Tags:  diana    meu amor  
 


Há tanto tempo o céu deixou de ser
azul simples
quando eu o penso
Teu

ao tempo que
as águas transbordaram
e sob a pele das nuvens
correu um rio de sangue

ao limbo do madrugar das asas
ou do anoitecer dos dias,
não sei bem

há quanto tempo
a cor da fonte inversa
do magenta
beijou a cor de ciano
dos meus lábios

pincéis sem o saber
irisando a foz das lágrimas
em mistérios de pastel
e formas lentas
de aguarela

ao tempo
que isso aconteceu
e o sol se entregou
diluindo ouro e fogo frio,
e o mar por dentro
pressentiu
a flor das tuas asas
ascendendo

há quanto tempo, meu amor,
mudei a cor de seda da saudade -
de azul, para matizes de aura mística,
miscível anil de alma impura,
por celeste filtro dispersada
em tons de infância
e algodão-doce

ao tempo que eu teço os teus vestidos
dessas cores tão delicadas!

e é sempre assim que eu penso o Céu
fascinada
(porque sei que ele te guarda)
e te protejo a eternidade
nesse espanto!

ao tempo que as nuvens com que brincas
se iluminam dos meus olhos de mãe doce

ao arrebol
quase noite
minha vida
quase filha
a adormecer.


Teresa Teixeira


 
Autor
Sterea
Autor
 
Texto
Data
Leituras
424
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
50 pontos
6
6
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/04/2016 06:41  Atualizado: 15/04/2016 06:41
 Re: Arrebol
Bem colorido e fático.



Abraço ,




Colectivo...


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/04/2016 10:49  Atualizado: 15/04/2016 10:49
 Re: Arrebol
Muito belo esse poema de mãe.

Abraço


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 15/04/2016 13:01  Atualizado: 15/04/2016 13:01
 Re: Arrebol
Texto lindo!

Um amor de mãe para além da eternidade...

O céu entra em festa!

Um beijo doce,

Anggela

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 18/05/2016 10:27  Atualizado: 18/05/2016 10:27
 Re: Arrebol
...como não favoritar essa tua declarada doçura?! Muito lindo e tocante esse texto, um grande abraço querida Poetisa.