https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

A loucura virada do avesso

 
Tem, por vezes, um lado calmo
em que nada o perturba ou move
sente o palmo de testa a um palmo,
ainda que agora e nunca, chove.

Inspira pelo nariz,
expira pela boca,
e sempre por um triz,
falha a hora louca.

Faz as suas rezas, tempestades,
por vezes nessa acalmia, suspira,
no jogo das liberdades, verdades,
muitas vezes fala-se só a mentira.

Cria no seu interior
uma paisagem bela,
em salmos de amor,
pintura a aguarela.

Tem, por vezes, um lado doce
em que nada vale um preço,
como se anjo sem asas fosse
com a loucura virada do avesso.





Sou fiel ao ardor,
amo esta espécie de verão
que de longe me vem morrer às mãos
e juro que ao fazer da palavra
morada do silêncio
não há outra razão.

Eugénio de Andrade

Saibam que agradeço todos os comentários.
Por regra, não respondo.

 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
726
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
29 pontos
3
5
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 23/09/2016 20:33  Atualizado: 23/09/2016 20:33
Usuário desde: 07/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 16049
 Re: A loucura virada do avesso
Poesia de primeira grandeza e do jeito que eu gosto, com rimas ricas, mansidão, com estilo e estética. Nota-se a preocupação do autor na arte de tecer versos e o talento necessário para tanto. um forte abraço e tudo de bom.

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 23/09/2016 20:47  Atualizado: 23/09/2016 20:47
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5714
 Re: A loucura virada do avesso
Faço das palavras do Gyl, as minhas. Ficou muito bom!

bj

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 30/09/2016 20:53  Atualizado: 30/09/2016 20:54
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12485
 Re: A loucura virada do avesso P/Rogério Beça
Olá! Gostei e achei muito interessantes os seus versos
abraço Vólena

Diz o ditado que de louco,
todos nós temos um pouco
mas para as palavras ocas
temos as orelhas moucas!

Não há nada que se faça
que não tenha o seu preço,
fazer tudo bem às vistas
não querer nada do avesso!