https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

A sesta

 
Estava na hora da sesta e de deixar os gambuzinos poisar ao som distante de uma música pimba.

Tanto fazia que o pó se acumulasse no jardim ou a relva ficasse um pouco desalinhada. Era dia de sorrir e visitar as assoalhadas que estavam à venda na feira da Ladra.

Amanhã outro pavão cantará e os papagaios ficarão de vigia no rochedo mais alto do monte.

Pediu em troca da sesta uma navalha para cortar o queijo, mas de certeza que estava a brincar, há queijos que se comem à noite enquanto o sono vagueia pelas festas da cidade.

É verdade que fecharam o portão a sete chaves até a Santa acordar, mas, há sempre um "mas" por trás de um homem de garra, de um gato a chafurdar na lama ou de um periquito que rompe as peúgas do diretor geral, eleito numa manhã de primavera, sem contar aos transeuntes do burgo.

Quase vimos as cenas apocalípticas do concurso das aves canoras, mas uma fugiu a rir, era a mais velha e caquética do grupo.

Penso que as caminhadas resultam em excesso de riso, fazem bem aos perdigotos e acalmam a alma.


Carolina

 
Autor
Carolina
Autor
 
Texto
Data
Leituras
225
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 24/07/2017 03:49  Atualizado: 24/07/2017 03:49
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1599
 Re: A sesta
Mais um registo de prosa poética que está assente na metáfora com conteúdo eliptico, personificações, comparações...
Com muito estilo o teu poema.
O pavão do teu último repete-se, mas também o tom de ironia.

Começas com a hora da sesta para nos situares no tempo e avanças por esses incríveis animais mitológicos, os gambuzinos.
A caça deles já teve muito sucesso.
Depois no segundo parágrafo simulas desleixos, o pó que poise!
O papel dos papagaios parece-me ingrato (a imagem que me deixas é duma certa solidão e dum impropério que tenham dum antigo dono: AMO-TE!).
A troca do descanso pelo esquecimento (no queijo comido) soa-me a um caminho ingrato para loucura dos insones.
O burgo tem destas coisas.
Personagens cheias de histórias.

O último parágrafo não se faz...

As caminhadas fazem bem aos perdigotos?!
Se encontrares o meu alter-ego, o cheiramázedo, diz-lhe. Ele adora.
E eu também.

Venham próximos capítulos.

Bj


Enviado por Tópico
cavaleiro.sem.dama
Publicado: 24/07/2017 12:14  Atualizado: 24/07/2017 12:14
Da casa!
Usuário desde: 28/01/2017
Localidade:
Mensagens: 332
 Re: A sesta
Gostei do texto, só não entendi porque trocou ele a sesta pela navalha se podia ter as duas? :)