https://www.poetris.com/
Poemas -> Desilusão : 

Condessa Vermelha

 
Tags:  reflexão    rimas    Juvenis    desamor    superação  
 
Condessa Vermelha
 
Ela nem mesmo sabe que eu existo
Não se importa com o que sinto
Mas quando é preciso, diz que sou seu amigo
Como que ela quer que eu acredite nisso
Simplesmente é impossível, sem sentindo
Estou preso em um cubo de vidro
Me trata como um frágil cão de estimação
Brinca comigo, maltrata em qualquer ocasião
Acho que a linha do limite está se aproximando
Estou me distanciando, me afastando
Mas lá no fundo, há uma parte que segue acreditando,
Que ela me trata como um objeto por que me ama
Sei que meus sentimentos me enganam, estão se revelando
Enquanto isso a frieza dela avança.

Colocando meus pensamentos como soldados,
E os lógicos como sargentos respeitados
O general guarda consigo o que sinto por ela
Não posso deixar que o interesse dela derrote minha defesa
Mas que posso fazer se quando a vejo, meu ar congela?
Não sei o que fazer, ela é formada em esperteza.

Sei que se eu disser que a amo,
Voltarei para casa com o peito em prantos
Não será um engano, eu não suponho, eu sei
Assim que eu falar, de mim debochará, já vi isso uma vez
Tenho muito medo, pois o sentimento passional que sustento,
Simplesmente não possuí freio
Se esses versos eu não tivesse feito
Se eu ao menos fosse um poeta, seria perfeito
Mas não, sou apenas um qualquer na multidão
Sem qualidade para me identificar, preso na escuridão
Me vejo rodeado de paredes, mostrando a mesma ilusão,
Onde estou segurando aquelas pequenas mãos.

Não existe um preço para o que sinto, já procurei
Mas existe um limite, e eu o alcancei
Estou cansado de ser pisoteado
Meu peito grita de dor, está sufocado
Já não possuo mais a imagem de uma princesa,
Essa pintura se revelou ser uma cruel condessa vermelha
Causadora de grande parte de minha tristeza
Sofro muito com as feridas que ela me deixa
Não aguento mais este sofrimento
Já não sei mais o que fazer para escapar desse tormento
Essa dor nunca que se muda para o esquecimento
Revivo ela todos os momentos.

Eu sempre estive ao seu lado
Sempre enxuguei suas lágrimas
E sempre a ajudei quando estava em pedaços
Impedindo-a de ter uma eutanásia
Tentei fazer usas dores desaparecerem feito mágica
Mas parece que ela se esqueceu do que fiz
Hoje não sabe mais quem sou eu, apenas um infeliz
Não a seguia por popularidade, "socialite"
Eu a amava de verdade, e sei que eu era o único
Porém, no presente, ela me faz sentir um inútil.

As trancas do coração dela estão soldadas para mim
Acho que ela não irá mudar, chegou meu fim
Me esforcei, mas fora tudo em vão
Hoje irão cessar as mensagens de atenção
Hoje eu irei me despedir daquela que um dia estava na solidão
Daquela que fora a dona do meu coração.

 
Autor
AteopPensador
 
Texto
Data
Leituras
141
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.