https://www.poetris.com/
Poemas : 

Quando Se Ama

 
Quando se ama e se é amado
Nada no mundo nos é preciso
É ter descortinado o Eldorado
E nunca ser expulso do Paraíso.

Se se ama outro do outro lado
Nos foge a razão e nosso juízo
O coração pulsante fica calado
Quando no peito eu te enraízo.

O amor e seus vários tentáculos
Entra pelas portas e persianas
Sem ao menos pedir permissão.

Servimos apenas de receptáculos
Para as várias sensações ciganas:
Mente sadia, corpo e alma são.



 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
72
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
4
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Carii
Publicado: 12/04/2018 09:29  Atualizado: 12/04/2018 09:29
Colaborador
Usuário desde: 28/11/2017
Localidade:
Mensagens: 682
 Re: Quando Se Ama
O amor mesmo chegando sem permissão.. quando se é amado nada mais é preciso.. ou ser dito. As acções falam por si! Lindo! Beijos.


Enviado por Tópico
atizviegas68
Publicado: 12/04/2018 13:48  Atualizado: 12/04/2018 13:49
Colaborador
Usuário desde: 09/08/2014
Localidade: Açores
Mensagens: 1297
 Re: Quando Se Ama...pelos dois
Open in new window


https://www.letras.mus.br/salvador-sobral/amar-pelos-dois/

(...)"Se o teu coração não quiser ceder
Não sentir paixão, não quiser sofrer
Sem fazer planos do que virá depois
O meu coração pode amar pelos dois"
Luísa Sobral


Um abraço

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 12/04/2018 14:54  Atualizado: 12/04/2018 14:58
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1388
 Re: Quando Se Ama
Devo dizer que uma persistente escolha de mote, ou de tema, por vezes interfere com alguma busca de originalidade que eu, inconscientemente, procuro. Tem acontecido isso, nas leituras que tenho feito dos teus poemas.
Mas a inspiração é um "bicho" difícil de perceber. Nisso pouco há a fazer e acredito que estejas dependente dela.

Este poema não é assim tão diferente dos teus referidos últimos, mas tem qualquer coisa que o torna especial, para mim.

Tecnicamente estás quase exemplar. Fora num verso que me parece duas sílabas mais curto (11). Desculpa se te avalio também dessa forma. Podes dizer que não é um soneto por fugires dos alexandrinos, etc...

Mas gostei muito da inteligência das rimas nos quartetos. A rima de ado não é complicada já a dos ízos é um desafio um pouco maior.
Nos tercetos é que te superaste. Em qualquer das rimas achaste vocábulos magníficos, "...para as várias sensações ciganas...",.
"...quando no peito te enzaízo..." verso muito bem conseguido, na metáfora bem idealizada...

Globalmente perto do perfeito.
Favoritei.
Abraço irmão