https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Ode Aos Doidos

 
Sinto perto de mim uma sombra
Que pouco a pouco me envolve;
Confesso que isso me assombra
Pois algo me furta e não devolve.

Talvez corrompa a minha alma
Ou quem sabe me leve o sonho.
Sei é que ando a perder a calma
Por isso eu tresdobro, tristonho.

Sinto esvair-se minha ingenuidade
Quando interajo com suínos e símios,
Com certos muares (de verdade)
Que acham os próprios relinchos exímios.

Talvez eu seja o culpado pelos tormentos,
Pelos copos que se enchem e transbordam.
Plantei tempestades, hoje colho os ventos
Dos tecidos cosidos por mãos que não bordam.

Mas nem por isso deixarei de dar os meus recados,
De gritar para aqueles pobres que não teem juízo:
Que Alá escolheu aqueles que não teriam pecados;
Por isso os doido terão lugares certos... No Paraíso.




Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
370
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
22
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 15/07/2018 20:17  Atualizado: 15/07/2018 20:17
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15097
 Re: Ode Ao Doido
Atendendo a pedidos.




Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 15/07/2018 20:35  Atualizado: 31/07/2018 11:59
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1846
 .
.


Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 15/07/2018 20:50  Atualizado: 15/07/2018 20:50
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1837
 Re: Ode Ao Doido
Odeío tb o Doído


Enviado por Tópico
Rafael007
Publicado: 16/07/2018 02:04  Atualizado: 16/07/2018 02:04
Super Participativo
Usuário desde: 22/09/2017
Localidade: São Paulo, Brasil
Mensagens: 114
 Re: Ode Aos Doidos
Gostei!!!



Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 16/07/2018 03:19  Atualizado: 16/07/2018 03:19
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Sol Poente
Mensagens: 6299
 Re: Ode Aos Doidos
Eu odeio os diabos e todos os que asseguram em seus rabos atrás da sombra.

Que belo! Poema redigido à medida dos diabos que infestam o site.

Abraço, poeta de verdade.
upanhaca


Enviado por Tópico
nereida
Publicado: 16/07/2018 12:48  Atualizado: 16/07/2018 12:48
Colaborador
Usuário desde: 27/08/2017
Localidade: São Paulo
Mensagens: 1264
 Re: Ode Aos Doidos
Além de bonito poema, um recado bem dado.
Abraço


Enviado por Tópico
Joel-Matos
Publicado: 16/07/2018 13:01  Atualizado: 16/07/2018 17:05
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade:
Mensagens: 1846
 …Oh, animal ! animais !





…Oh, animal
Sou um insurgente do ...alho e é urgente que alargue meu pé esquerdo para dar certo e forte no corno direito dum Ídolo teu e no teu olho prenhe, o tal com duas letrinhas pouco cultas, com que preenches tomos e tomos de raquíticas afirmações, inflamadas de juízos finais, quer dizer, palermices, tal como o que Neymar produziu (ou não fez) na baliza nem no rabo do adversário, que perdeu de encontrar no meio dum pantanal Russo em 2018, (também no Barça não deu certo) não me atirarei desta vez para o chão quer fazendo birra, nem a rir descaradamente (talvez no vosso clube de stripper seja parte do espectáculo) nem a toalha da paz arrastarei, tal como num ring de box ou liça de luta livre; mas tu olha, não defendas animais, nem estrebuches, quando te matar como se fez aos Portuguezes de 1300, em Fez, perante as hostes dos Caifás (não de forma figurada mas com lança de fogo e ferro e à cornada) te matarei na tua própria arena, não me alcunhes de animal, livra-te disso, e o outra ou outros também, pois falo nos diagonais à tua índole que nem merecem a nobreza do estoque, não somos bodes expiatórios para os vossos excrementos neo nazis e as vossas gamelas suásticas, não são tão limpas quanto as nossas, fabricadas por mui-nobres partisans, claro que nem quando vocês abrilhantam e se envernizam com as sílabas da ladainha de defensores da perversão, do bem-estar social, quando estão-tão e tanto, totalmente inquinadas, inquinados das mais rudes maldições, pervertida a vossa água e ração, fede a podre e isto é transversal a dois ou três por aqui, felizmente ou infelizmente, porque um já seria superpopulação e demasiada promiscuidade para a minha cútis admirável, impecável e sempre limpa apesar de a tentarem conspurcar com toda a vossa (boa) maldade, desculpem queria dizer M…., sem troça, dou de graça as mais lerdas proposições, embora seja meu propósito ofender severa e punitivamente a quem e não oferecer algum apimentado ósculo a ambos os três, não em grupo porque como se diz em bom português, “não papo grupos”.
É de bom grado até, que traço uma diagonal nas vossas execrações pouco definidas, simplórias, sinto que seja por falta de bom mestre, pois nem afinadas são, nem refinadas como deveriam ser, digo educadas, polidas quanto as minhas, como disse, traço uma diagonal e outra em sentido contrário, inverso- se me subentendo- pois em termos de mnemónica sei que não estou pronunciando da forma heptástica, que me serve de apanágio, não troço como inda’gora, agora prefiro sofismas azedos, aziagos como vocês pronunciam falam e dizem da boca pra fora, fazendo garbo nas vossas opiniosas guelras, duma pronuncia de tal forma singular e tão bela quanto o vosso Português brasileiro (bem hajam) que é tão só poesia pura, sem necessidade de recursos, como nós outros, Euro espezinhados, pacíficos Portugas.
Pois eu sei que nem discurso para pessoas inteligentes, vocês dois ou três, que aqui estão e estarão sempre e certamente que não são os mais indulgentes ou fluentes deste mundo, nem lá perto/ longe andam vossas enxovalhadas, monossilábicas, monofónicas paráfrases, hepáticas metástases.
Redigir uma epístola a S. Macário é todavia menos eficiente e oportuno, do ponto de vista litúrgico do que aos peixes segundo Neptuno ou um santo homem de nome António em Itálico ou um S. Patrício trevo-verde-trevo, daltónico, dicotómico, causa de invicta e salutar, saudável discórdia apesar das baixas de um e outro lado se somarem por milhares, além dos órfãos e viúvas e nem só no reino dos Anglos anões Saxónicos.
Já agora, Viva a Sérvia, três vivas à Servia e a Belgrado …Montenegro, abaixo a França, viva Asterix.
Preocupa-me o sobreaquecimento global, assim como o esquecimento em que cairei sem dúvida, num futuro próximo, mas sei que nenhum de vocês será lembrado, nem ontem nem amanhã pela Grei, como porta-estandartes ou arautos de elevadas competências nobilisticas, também não sei porque estou usando os meus eximes predicados, praticando fonéticas de funâmbulos, contra prevaricadores sociais, psicóticos de manada, ambos ou em triplo. Sou um insurgente do C….alho, um criminoso quiçá, não me defendo modicamente, não sou económico do que digo, é certo, mas ergo o meu dedo alfarrábio espumando pela boca do degredo, esperando ás duas por três , não perder o controle, mas posso-vos dizer, embora em segredo -(sois uns filhos da pauta) …






Enviado por Tópico
Lucineide
Publicado: 19/07/2018 04:13  Atualizado: 19/07/2018 04:13
Colaborador
Usuário desde: 06/12/2015
Localidade:
Mensagens: 1260
 Re: Ode Aos Doidos
Parece com uma frase que escuto de uma amiga: " quanto mais rezo mais vejo assombração". Há testes de todas as maneiras. Continue escrevendo seus textos maravilhosos. Parabéns !


Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 19/07/2018 09:16  Atualizado: 19/07/2018 09:16
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8205
 Re: Ode Aos Doidos
engraçado que nas entrelinhas é também uma ode ao amor; boa reflexão!
oh, somos todos uns doidos doídos e por isso não nos largamos.
bj