https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Censura Nunca Mais

 
A mordaça na cara
Imunda...
Uma lágrima rara
Inunda...
A palavra não cala
Profunda...
A voz embargada
Assusta...
A farda esverdeada
Confusa...
A palavra-pedra
Palavra-passe
Palavra merda
Que morre e nasce
Através da janela
Ou cima da laje
A palavra taramela
A palavra ferrolho
Dente por dente
Olho por olho
Minha palavra
Minha cura
Sem demais
Minha palavra
Minha cura
Censura?
Nunca Mais!





Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
484
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
9
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
PROTEUS
Publicado: 15/03/2019 21:35  Atualizado: 15/03/2019 21:35
Colaborador
Usuário desde: 27/03/2010
Localidade:
Mensagens: 3672
 Re: Censura Nunca Mais
censura, somente a auto censura...
A voz não pode calar...
Que diga o que quiser
Que reclame.
Que Clame.
Que brigue a boa briga contra as injustiças.
Calar não!


Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 17/03/2019 14:56  Atualizado: 17/03/2019 14:56
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 227
 Re: Censura Nunca Mais
Ah meu caro! O tempo se faz logevo, anos 60/70 mas minha carne ainda está rasgada no terror da lembrança. dentes híbridos quais antes gritaram uníssonos por liberdade, foram recolhidos num infecto chão de cela , resgatados por ossos quebrados das mãos; escondidos na mordaça fisica verdeoliva ensanguentadas, calava o grito, mas a mente gritava salva e sã. sei do que estou a dizer. sobrevivi. proclamo pois com seu poema:
"tortura nunca mais. censura nunca mais.

cumprimento-o com meu abraço caRIOca.


Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 17/03/2019 14:59  Atualizado: 17/03/2019 14:59
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 227
 Re: Censura Nunca Mais
Ah meu caro! O tempo se faz logevo, anos 60/70 mas minha carne ainda está rasgada no terror da lembrança. dentes híbridos quais antes gritaram uníssonos por liberdade, foram recolhidos num infecto chão de cela , resgatados por ossos quebrados das mãos; escondidos na mordaça fisica verdeoliva ensanguentadas, calava o grito, mas a mente gritava salva e sã. sei do que estou a dizer. sobrevivi. proclamo pois com seu poema:
"tortura nunca mais. censura nunca mais.

cumprimento-o com meu abraço caRIOca.

Enviado por Tópico
Jorge-Santos
Publicado: 17/03/2019 17:11  Atualizado: 28/03/2019 11:50
Subscritor
Usuário desde: 24/02/2017
Localidade: Azeitão/Setúbal, Portugal
Mensagens: 2000
 .
Open in new window


Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 19/03/2019 19:19  Atualizado: 27/03/2019 15:52
Colaborador
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1596
 Re: Censura Nunca Mais
Censurados os meus olhos
comigo
trago na boca um sabor inimigo
aos molhos

amarga-me o céu
suja-me a língua fere-me o idioma
permite o coma
manda a fuga para o mais distante ilhéu

viva o pús em que me pus
lápis azul cueca
e esta mania marreca
de procurar no breu, luz

mas o que mais me fica e explora
sem cura
é o agora
da auto censura


censura nunca mais, censura é um pavão numa gaiola, é uma nação sem escola, censura é um planeta sem animais, é algemas no vazio e o vazio de almas cheio, censura é arrogância e burrice, asneira, coisa de mula, coice de macho...

sabes o que mais?
censura, nunca mais
e nunca mais a censura....