https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

pergunta

 
Pergunto-me se no feitio
está aquilo de que sou feito.
Lá para dentro espreito
vejo, cego, molduras e vazio.

Desse barro sujo desconfio,
janela sem parapeito
em que me deito,
muitas vezes, com frio.

Questão eterna que adio,
talvez até ao último leito,
a resposta nunca aceito,
procuro-a na foz de cada rio.

Pergunto-me se, por atavio,
ou profunda falta de respeito,
é este feitio apenas um jeito,
ou meu navegar, meu navio...




A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
511
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
boxer
Publicado: 31/03/2019 15:34  Atualizado: 31/03/2019 15:34
Colaborador
Usuário desde: 21/01/2009
Localidade:
Mensagens: 708
 Re: pergunta
.
A autoconsciência como experiência do vazio -- muito mais do que máscaras, somos molduras à espera de um retrato.
A tentativa de aproximação a um mundo hostil -- a janela que procuramos e que dá para um inverno, premonição de morte.
E nós, pobres navios, vagueando, desrespeitando as rotas, à procura...
Abraço fraterno.