https://www.poetris.com/
Poemas : 

Dedos

 
Quando me fingi de planta,
santa me foste em altar,
vestindo escarlate manta
em olhos com cor de mar

Quando de pedra eu me fiz,
rígido rochedo, penha,
Teus dedos diziam "venha!
Comigo serás feliz."

É pueril quem crê em dedos
nevados, de longas unhas,
que chamam a si, em vão.

Não há sequer testemunhas
Dos meus mais reclusos medos:
Teus dedos dizendo.. Não!



Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
161
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
0
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.