https://www.poetris.com/
Prosas Poéticas : 

SETE DE OUTUBRO

 
Tags:  PROSAÍSMOS  
 
SETE DE OUTUBRO

Quando um poeta morre, nada acontece.

Não há comoção pelo desparecimento de quem mal aparecia.
Não há dor pela perda que quem jamais se quis um ganho.
Não há pêsames àqueles que mal lhe sabiam vivo antes, discreto que era.

Poetas morrem todos os dias, ninguém se dá conta.

Todos os dias a lâmina do mundo deixa em carne viva os seus pulsos,
cuja fina pele mal se regenera para os novos cortes...

Todos os dias o abutre de Zeus -- ou o álcool da caninha... -- lhe consome o fígado em frangalhos...

Oh, Prometeu inútil, de que serve teu fogo?!
A descoberta da maravilha não permite mais que alguma luz, visto
que o Universo permaneça em trevas indevassáveis.

O que é a poesia senão uma chama na escuridão imensa?

Pouco importa se um fósforo ou uma supernova: Há matéria escura em demasia...
E o poeta está ali, segurando essa luz débil que lhe custa, simplesmente, tudo.

Sabei, vós outros, que hoje morreu um poeta.

Seu nome, sua vida e sua obra restem em paz.

Betim - 2019


Ubi caritas est vera
Deus ibi est.


 
Autor
RicardoC
Autor
 
Texto
Data
Leituras
80
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ZESILVEIRADOBRASIL
Publicado: 31/05/2020 06:00  Atualizado: 31/05/2020 06:10
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 328
 Re: SETE DE OUTUBRO
''...Oh, Prometeu inútil, de que serve teu fogo?!"

...diante da inutilidade das promessas de eternidade, melhor crer que morremos e ressuscitamos a cada instante que riscamos com fogo palavras no papel, seja uma prosa, sendo ou não inflamável a pena! com ou sem álcool na boca!

aquele abraço caRIOca!