https://www.poetris.com/
Sonetos : 

Vidas de papel

 
A pele vergonhosamente marcada
Pelas carícias da rua
A vontade simplesmente abandonada
Há espera que algo flúa

E por vezes um mísero nada
Desperta aquela tua
Energia que foi dilacerada
Levando-te para perto da lua

Onde sonhavas ser o rei da estrada
Aquela onde á noite ninguém súa
Somente se partilha a mesma almofada

Que é aquela experiência crua
De estar perdido na mesma lufada
Que é aquela vida que já foi sua!!!

 
Autor
sisnando
Autor
 
Texto
Data
Leituras
74
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
6
3
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 18/02/2021 16:03  Atualizado: 18/02/2021 16:03
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade:
Mensagens: 4362
 Re: Vidas de papel



Vidas que se perdem no esquecimento
ou não quem sabe.

um abraço poeta Sisnado

Enviado por Tópico
Legan
Publicado: 18/02/2021 20:52  Atualizado: 18/02/2021 20:52
Da casa!
Usuário desde: 26/01/2010
Localidade: Algures em Trás-os-Montes
Mensagens: 494
 Re: Vidas de papel
As vidas são mesmo frágeis como o papel...

Apreciei o seu soneto

Abraço

Enviado por Tópico
João Marino Delize
Publicado: 19/02/2021 13:23  Atualizado: 19/02/2021 13:23
Colaborador
Usuário desde: 29/01/2008
Localidade: Maringá-
Mensagens: 3112
 Re: Vidas de papel
Gostei do poema, mas acho que as palavras sua e flua não têm acentos.


Enviado por Tópico
Helio.Valim
Publicado: 21/02/2021 15:28  Atualizado: 21/02/2021 15:28
Muito Participativo
Usuário desde: 31/12/2020
Localidade: Rio de Janeiro
Mensagens: 60
 Re: Vidas de papel
Parabéns Sisnando,
intenso soneto, muito bem estruturado.
Um abraço