https://www.poetris.com/
Poemas : 

O Canto

 
Depois daquela noite, guardei meu medo nas gavetas
Juntamente com todas loucas coisas, pranto e vozes
Desvesti o incômodo dos segredos e olhei a paisagem
Liberto da umidade antiga que usava vestir nos olhos
Desabotoei o lume da manhã, bebi palavras sem nexo
Afastei o rosto das criaturas que rastejam no escuro
Para estreitar as longitudes de um céu mais luminoso
Ainda sinto o cheiro do escuro vir arranhando a hora
Ah, como caminhei na noite deserdado de esperança
Tentando encontrar os castelos que dantes construí
Perdidos debaixo do véu de nuvens de toda ausência
Caminhei por essas ausências embriagado de insônias
No coração de madrugadas já impregnadas do cristal
Que anuncia as manhãs e sufoca as lágrimas solitárias
Caminhei nos espaços da alma entre as coisas íntimas
Os espelhos do semblante, dores dos idos da infância
Que asilam no peito vazio, a imagem do primeiro amor
Silenciei os tambores do desejo desnudado de ilusões
Para neste enredo obstar tudo que afaste meu canto



Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
109
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Erotides
Publicado: 22/06/2022 15:16  Atualizado: 22/06/2022 15:16
Colaborador
Usuário desde: 26/02/2020
Localidade:
Mensagens: 2148
 Re: O Canto
.


Lindo, perfeito. Esse poema vai para os favoritos, um livro dos melhores poemas e autores. Abraços!

Fique bem!