https://www.poetris.com/
 
Sozinho no pântano do pensamento
O rosto umedecido de lágrimas
Onde não se vê a luz da lua,
Nem se vê sorrisos na miséria
A sombra é quase palpável
Busco a lírica da ternura
Nas auroras que ainda virão
Não sei onde está minha alma
Será que tudo isso é a alma
Ou uma febre noturna qualquer
Levanto o corpo, o passo e a voz
Sacudo meu coração trêmulo
Que é mais alheio que meu
vejo os astros caídos nas areias
À margem de oceanos de dor
Nas terras mais elevadas
Pastoreio nuvens à beira mar.


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
132
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
MarySSantos
Publicado: 04/10/2022 16:22  Atualizado: 04/10/2022 16:22
Luso de Ouro
Usuário desde: 06/06/2012
Localidade: Macapá/Amapá - Brasil
Mensagens: 5516
 Re: Alma
não importa quantos sorrisos se entrega,
quantos cigarros se fuma,
quanto pão é devorado,
quanta bebida é bebida,
quantos sonhos
são sonhados,
quantos são realizados,
quanto amor é vivenciado,
quanto ódio é experimentado...
nunca seremos nós.
o corpo cabe na esfera
a alma... não!


MarySSantos

Leia mais: https://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=341940 © Luso-Poemas