Poemas : 

5ª Poesia de um Canalha

 
Aquele momento sussurrava as dores do chão
Queimado por vis palavras que lh'inundavam
O pensamento distorcido nas mãos dos loucos
A floresta dos mares revoltos chorava em vão
Gritando por aí ventos tristes que a matavam
E lhe enterravam boas memórias aos poucos

Aquele céu mascarado de venenoso azul surdo
Sufocava vividos rios de sabedoria acumulada
Que se escorriam dos mesmos olhos vendados
O tempo escasso batia cada vez mais absurdo
E trocava mais uns passos por alguma moeda
Na margem onde o barqueiro lançou os dados

Aquele tu e eu que embarcou num fado infeliz
Tomando de amores um tal coração sem valor
Que vivia a lamber as chagas do teu anticristo
Ardeu também sem saber o quão mudo me fiz
Na estrada de lugar algum onde nasci sem cor
E lá se morria nu dessa paixão a quanto resisto


A Poesia é o Bálsamo Harmonioso da Alma

 
Autor
Alemtagus
Autor
 
Texto
Data
Leituras
86
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
4
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 16/05/2024 17:57  Atualizado: 16/05/2024 17:58
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3638
 Re: 5ª Poesia de um Canalhla/ Alemtagus
Olá Alemtagus

Malfadado poema,diria eu. .

A paixão deveria vir com uma advertência escrita " mata"
Se bem que, agora vou falar de amor,
A falta dele,também mata.

Atenciosamente
HC


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 16/05/2024 22:57  Atualizado: 16/05/2024 22:57
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18165
 Re: 5ª Poesia de um Canalha
Amor derradeiro. Freud dizia que se perdêssemos os loucos, perderíamos a melhor essência do mundo. Concordo com HC, o amor é uma adaga afiada. Bjs