Poemas : 

O Amor que Me Deves (9ª Poesia de um Canalha)

 
Cativei das tuas mãos um olhar de brilho miúdo
Quando se deitavam chegadas às minhas surdas
Numas curtas fábulas que avô contava ao deitar
Cheias de cores e árvores com sorriso de veludo
Que voavam livres num bater de asas absurdas
E cantarolavam sem saber o verbo voltar a amar

Na dúvida que sabia demais a algumas verdades
Ali empoleirada como qualquer galo de capoeira
A música era outra e ouvia-se logo pela manhã
Apimentada por essas condimentadas saudades
Já a dor que era outra e sempre igual à primeira
Se desfiava no corpo lento da tua esperança vã


A Poesia é o Bálsamo Harmonioso da Alma

 
Autor
Alemtagus
Autor
 
Texto
Data
Leituras
107
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
6
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Aline Lima
Publicado: 06/06/2024 23:23  Atualizado: 06/06/2024 23:23
Usuário desde: 02/04/2012
Localidade: Brasília- Brasil
Mensagens: 649
 Re: O Amor que Me Deves (9ª Poesia de um Canalha) P/ Alemtagus
Caro, Alemtagus.
A maneira como você captura a dualidade das emoções, especialmente a interseção entre amor e perda, é profundamente comovente.
Inspirador.
Grata pela partilha.
Atenciosamente.
Aline.


Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 07/06/2024 16:21  Atualizado: 07/06/2024 16:21
Administrador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 3673
 Re: O Amor que Me Deves (9ª Poesia de um Canalha) / Alemtagus
olá Alemtagus

verdadeiro testemunho como a poesia é a linguagem que melhor transmite a imaginação, representa sentimentos e produz emoções.

atenciosamente
HC


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 11/06/2024 00:02  Atualizado: 11/06/2024 00:02
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18297
 Re: O Amor que Me Deves (9ª Poesia de um Canalha)
Um bordado de renda emocionada. Nem quero ir embora… vou ficar por cá. Bjs