Poemas : 

Marraquexe

 
Eu canto o instante já, aqui e agora.
Eu verso a vida, a morte, até cerveja.
Eu tenho boca boa que me beija,
Caneta, prato, garfo, chá, colher...

Em casa tenho gado e hortaliças;
Capado bom, capim- gordura, leite...
Pomar, galinha, linho, mel, azeite
E vinho vindo lá de Marraquexe.

Eu sonho a vida como sonha um peixe
No fundo do oceano da lagoa.
Eu sou assim, eu sou quem não conhece
Tristeza nessa terra grande e boa.

O sol me aquenta a tarde, a noite vejo
O céu coberto em brumas, estrelado;
O gado já pastando no relvado...
Viver feliz assim jamais tem preço.

O meu semblante calmo, frio e teso
Reflete minha calma transparente.
Eu vou de galho em galho e, de repente,
Eu faço um verso e conto meu passado.

Talvez eu seja errado em certo ponto.
O ponto certo é aquele que eu descubro.
Vasculho ponte, muro, cemitério...
Aguardo o sol se pôr detrás do monte.

Se acaso sonho um sonho diferente,
No ocaso dessa vida tão medonha,
Eu peço a Deus que vista o meu presente
Do sonho que o futuro sempre sonha.

Aguardo meu destino, minha sorte.
A cada dia faço a despedida.
Ao Céu eu agradeço o dom da vida
E peço a Deus que seja boa... A morte.





Gyl Ferrys

 
Autor
Gyl
Autor
 
Texto
Data
Leituras
78
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 12/06/2024 12:02  Atualizado: 12/06/2024 12:02
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4420
 Re: Marraquexe
Ola Gyl ao tempo que não te leio poeta...

Goste de te ler neste teu poema da vida

...Aguardo meu destino, minha sorte.
A cada dia faço a despedida.
Ao Céu eu agradeço o dom da vida
E peço a Deus que seja boa... A morte.

Beijinhos
Tudo de bom