Poemas : 

Poema de Ninguém (11ª Poesia de um Canalha)

 
O nevoeiro caído ali perto dos meus cegos olhos
Com mãos abertas a um dia qualquer que viesse
Qual onda deste mar só que só me molha os pés
Emudece-me na boca estas palavras aos molhos
Abraçadas num poema prostituto que se oferece
Eunuco, a esses leitores ignorantes das suas fés

O bordel poético onde se entranhou dedo a dedo
Por rubras paredes de ais desafinados e iletrados
Libertava o prazer em estranhos gemidos de dor
No andar curvado sussurrava um esgar de medo
Que misturava com uma culpa virgem dos fados
Cantados a cada esquina em triste rouco clamor

O amor passou acolá esquecido por uns trocados
Temperado de vinho de tasca e alguma prosápia
Onde o poeta perfumava o chão de triste alegria
Ele ria como louco por ser um dos mais amados
E inventava letras que rimassem com tal volúpia
E depois matava um poema que ninguém queria


A Poesia é o Bálsamo Harmonioso da Alma

 
Autor
Alemtagus
Autor
 
Texto
Data
Leituras
148
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
24 pontos
6
1
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
PedroeoLobo
Publicado: 16/06/2024 19:09  Atualizado: 16/06/2024 19:09
Participativo
Usuário desde: 26/05/2024
Localidade:
Mensagens: 18
 Re: Poema de Ninguém (11ª Poesia de um Canalha)
Salvé

Sem palavras. Não porque as tenha matado. Não se mata o que não se tem.
Deste "poema de ninguém" ,"canalha", só se for porque o poeta brinca com quem lê.

Pedro


Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 22/06/2024 00:04  Atualizado: 22/06/2024 00:04
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 18440
 Re: Poema de Ninguém (11ª Poesia de um Canalha)
Nada a comentar. Quem sou eu para discutir com a beleza? Bjs


Enviado por Tópico
ZeSilveiraDoBrasil
Publicado: 23/06/2024 01:14  Atualizado: 23/06/2024 01:14
Administrador
Usuário desde: 22/11/2018
Localidade: RIO - Brasil
Mensagens: 2063
 Re: Poema de Ninguém (11ª Poesia de um Canalha)
.
.
.
Eu, leitor, me ofereço refém às ideias trazidas pelas palavras
Abraçadas num poema prostituto que se oferece
Eunuco, a esses leitores ignorantes das suas fés."

...daí, muito mais não posso fazer além que me revestir do celibato e permitir que o poema continue sendo o regente na estória.

Meu abraço caRIOca ao amiguirmão.