https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Uma Noite na Praça

 
Tags:  noite    olhar    vivo    fria    árvores    estranho    Banho  
 
Noite muito fria
Nada para comer
As árvores parecem monstros
Não consigo me mexer

O jornal não me aquece tanto
Sinto que vou morrer.
As ruas parecem mais desertas,
e os últimos que passam me olham estranho,
talvez pela minha falta de banho,
ou talvez, porque queiram só olhar.

As senhoras passam com roupas coloridas.
As minhas, nem podem ser consideradas trapos.
A praça parece se contentar com a minha presença,
porque essa noite promete ser fria e extensa.

Se eu acordar vivo, começará tudo outra vez.
Entrarei novamente nesse mundo burguês,
onde sou tratado como um fantasma,
eu, um pobre e velho mendigo, com asma.


Cláudia Banegas

 
Autor
Cláudia Banegas
 
Texto
Data
Leituras
819
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
6
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 11/09/2008 10:55  Atualizado: 11/09/2008 10:55
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: Uma Noite na Praça
Belíssima transposição para a pele de um infeliz. Beijinho.


Enviado por Tópico
Fhatima
Publicado: 11/09/2008 12:12  Atualizado: 11/09/2008 12:14
Colaborador
Usuário desde: 12/02/2008
Localidade: Joinville - SC
Mensagens: 3389
 Re: Uma Noite na Praça
Cláudia!

Poema onde retratas a imagem de um ser humano sem esperanças! Teu poema não deixa de ser um poema social, onde as pessoas mais abastadas não tem olhos para com os seus semelhantes!
Linda e singela tua alma! Gostei muito do teu poema!

Beijinhos de luz!

Fhatima


Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 11/09/2008 18:02  Atualizado: 11/09/2008 18:02
Luso de Ouro
Usuário desde: 08/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4528
 Re: Uma Noite na Praça
Bem vinda amiga, já tinha saudades de ler-te.

Um poema social belo poetisa

"...Se eu acordar vivo, começará tudo outra vez.
Entrarei novamente nesse mundo burguês,
onde sou tratado como um fantasma,
eu, um pobre e velho mendigo, com asma.

Luta atroz daqueles que só sobrevivem neste mundo de cão... quanda tristeza e quanta solidão escondidas nas ruelas das cidades, da vida...

Beijinhos Claudia
Tudo de bom para ti