https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

És vício

 
Dentre os vícios da alma,
Que de tantos me aferra
És aquele que nos ser sobeja.

Porquê descansa em ti a calma?
Fica a noite que jamais se encerra
E vejo-te, ainda que não me vejas.

E se me é vida este mal que padeço,
Desventurado riso tétrico que feneço
Não me será de toda a vida esquecimento
És vício, donde não se dá contentamento.

Se minto, não há amar naquilo que esqueço
Será um poema que entre os dedos aqueço
E ficas, vício, talhado a cada momento
Meu vício, vício de amar o sofrimento.

A duras penas vai-se a alma estagnando,
Naquilo que me é vício...
Morre a falta, agonizando.





"Morremos gestantes da ansiedade que nada espera."

 
Autor
Junior A.
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1180
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Cõllybry
Publicado: 24/04/2007 16:19  Atualizado: 24/04/2007 16:19
Colaborador
Usuário desde: 01/04/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 589
 Re: És vício
Amor que vicio de ti que imana de mim, nessa Tua calma...Gostei muito...bjito

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 24/04/2007 16:22  Atualizado: 24/04/2007 16:22
 Re: És vício
Muito muito bonito:)

Quanto amor


beijo

Enviado por Tópico
Tália
Publicado: 25/04/2007 16:16  Atualizado: 25/04/2007 16:16
Colaborador
Usuário desde: 18/09/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2503
 Re: És vício
É Junior

Este vicío que te mata
aos poucos...
Esse amor que te destrói
como um vicío...
Essa vida que morre
sem amor...
Essa noite que chega
para sempre...
Rasga o poema, amigo
destroi o vicío...
E ama...

Beijo

Enviado por Tópico
HorrorisCausa
Publicado: 07/05/2007 17:24  Atualizado: 07/05/2007 17:24
Colaborador
Usuário desde: 15/02/2007
Localidade: Porto
Mensagens: 2699
 Re: És vício
Lembro-te agora, agora que aqui cheguei
de escreveres outra vida, despir-te de qualquer viciante veneno
Talvez ainda consigas a transparência
a pureza do sangue inicial
Encontrar a lucidez por entre os cacos que cortam as veias
Recuperar a vida cansada de sentido, espalhada pelo chão de almas sujas de restos
E se por ventura voltares a esquecer-te
conta comigo!
Lembrar-te-ei então para ergueres a vida à luz retalhada da tua alma
Voltares a ver através dela a tua vida por inteiro.

Impossível não ficar vicida com os teus versos.

Enviado por Tópico
jsaugusto
Publicado: 16/03/2011 23:45  Atualizado: 16/03/2011 23:45
Da casa!
Usuário desde: 12/02/2011
Localidade:
Mensagens: 425
 Re: És vício
Belas palavras! Parabéns poeta!



Abraço