https://www.poetris.com/

Poemas, frases e mensagens de Migueljaco

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Migueljaco

Miguel Jacó

Natural de Araripina PE.
Casado, 64 anos de idade.
Aposentado da área de telecomunicações.
Atualmente ocupa-se: dos afazeres de casa,
e das composições poéticas.
Radicado em Taubaté SP desde 1987.
Adepto de boas leituras.

PARIDO POR UMA DELAS.

 
Parido por uma mulher reverencio a todas elas
Meus olhos são uma janela sempre a observa-las
Como é possível se amar nada lhes é comparável
São as nossas sentinelas de bebês a terna idade.

São muitas as covardias contra elas praticadas
Estas almas se fazem a cada dia mais singelas
Parido por uma mulher reverencio a todas elas
Meus olhos são uma janela sempre a observa-las.

Em nome de Jove Jacó cumprimento a todas elas
Eu nunca vi tamanho amor dedicado a seus filhos
Tinha uma missão repleta de cuidados incisivos
Não nos faltavam motivos para agradecermos a ela
Parido por uma mulher reverencio a todas elas.

Enviado por Miguel Jacó em 07/03/2020
Código do texto: T6882393
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
PARIDO POR UMA DELAS.

OUVIR OS PÁSSAROS EM FESTA.

 
Soubesse o coronavírus da imensidão do mar
Não tentaria exterminar nossos viventes humanos
Que embora sejam profanos é possível melhorar
Conforme as suas vontades Deus consiga operar.

Somos todos controversos passivos de concertar
Nas manobras do universo padecemos solavancos
Soubesse o coronavírus da imensidão do mar
Não tentaria exterminar nossos viventes humanos.

Quem nasceu sem anomalias deve o contemplar
Render homenagens ao mar agradecer as florestas
Ouvir os pássaros em festas desabrochando a cantar
Do brio que ainda nos resta está o saber respeitar
Soubesse o coronavírus da imensidão do mar.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/brudVVxvDUU
MJ.

Enviado por Miguel Jacó em 18/03/2020
Código do texto: T6890709
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
OUVIR OS PÁSSAROS EM FESTA.

DESFAÇO O PRANTO

 
Quem a ama como eu não te faz confetes
Mas sacraliza o teu querer tão devotado
Por causa de ti tenho sonhado acordado
Teus carinhos a minha alma sempre reveste.

Quando nos vimos rolou completa sintonia
Minhas pernas tremeram sem mas controle
E não obstante a alegria me veio o choro
Tenho vivido um grande amor que nos sacia.

Faço poemas dedicados aos teus encantos
Desfaço o pranto um sorriso a dominar-me
Quando me lembro que nós nos amamos tanto.

Nem me fale em angustias que te assombram
Quando pensas na finitude do nosso amor
Pois certamente isto seria um pranto de dor.

Bom dia Luamor, diante dos vossos majestoso versos, me vi compelido exalar a minha parca poesia em reverências a este teu instigante soneto.parabéns pela vossa primorosa composição,MJ.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/5--a-JPy8-c
MJ

Enviado por Miguel Jacó em 11/03/2020
Código do texto: T6885361
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
DESFAÇO O PRANTO

A MINHA TARDE.

 
"Nos afetos, o que se promete no auge do querer, não se sustenta no pico das discórdias".
MJ.

A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha,
Que em meu quintal se fazia tão despojada,
Dando a entender que não era nada minha.

De vez enquanto eu dava minha cochilada,
E acordava por qual razão tu me adivinhas
A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha.

Andei sonhando com uma ilha encantada,
Mas sua beleza era bem parca e mesquinha,
Tive um insite de encontrar uma namorada,
E nada disto confirmou-se foi bem lendário,
A minha tarde neste meu quarto solitário.

Enviado por Miguel Jacó em 07/04/2015
Código do texto: T5198254
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
A MINHA TARDE.

MULHERES SOPROS DE VIDAS.

 
A mulher que deu a luz ao enviado de Deus,
E carregou a sua cruz por ter trazido um judeu,
Para cumprir as missões designadas por Deus,
E continua sofrendo por atos que não cometeu.

Quanta descriminação inda nos dias atuais,
Por cega competição que sempre piora mais,
Para iludir a todas se cria o dia internacional,
E ao reverenciá-las quanta desfaçatez se faz.

Parido por uma delas a mulher me causa encanto,
Quando falo vou ao pranto não vejo nada mais bela,
Por quanto eu reverencio a estas almas tão singelas.

Desejo a felicidade que lhes tragam um sorriso,
Que alcancem ao paraíso vendo seus filhos criados,
E com eles aconchegados mulheres sopros de vidas.

Miguel Jacó
Enviado por Miguel Jacó em 06/03/2017
Reeditado em 08/03/2017
Código do texto: T5932961
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
MULHERES SOPROS DE VIDAS.

AVISTEI UM REQUEBRADO

 
Avistei um requebrado a uma distância enorme
Num apreçado caminhar pensei como é que pode
Um quadril se equilibrar com tamanha elegância
Encima dum salto vinte como fosse uma havaiana.

Com uma saia rodada exibindo suas lindas coxas
As duas pernas torneadas e uma cinturinha fina
Poucas pinturas nas faces e um sorriso de menina
Mas quando pude alcança-la vi seu status de moça.

Porem ao cumprimentá-la ela disse me respeite
Não cobice os meus peitos ainda sou moça honrada
E eu um homem rodado confesso fiquei sem jeito.

Ao longo da caminhada ala foi se declarando
Em meio a estranheza parecia está me amando
E ao final do percurso já estávamos nos beijando.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/brudVVxvDUU

Enviado por Miguel Jacó em 19/04/2020
Reeditado em 19/04/2020
Código do texto: T6922384
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
AVISTEI UM REQUEBRADO

TRIBUTO AO AMOR.

 
Tua mente esta fazendo confusão
Minha ausência não é o propósito meu,
É preciso que tu abras o coração,
Para depois sentires os traços meus,
Sou apenas um formato energético,
Que inebria a quem seja condutor,
Das premissas que precisa praticar,
Para ser digno da conduta do amor,
Me confundem com sentimentos diversos,
Mas sou puro e até inigualável,
Onde eu esteja o rancor é deplorável,
Pois minhas forças o vencem com fervor,
Mas são constantes as inversões de valores,
Quando se matam em meu nome,
Me comprometem tirando meu valor,
Mas acredite eu estive sempre contigo,
Somente agora percebeste meu calor,
Já estais pronta para exercitar o amor.
 
TRIBUTO AO AMOR.

QUEM BUSCA UM PONTO DE LUZ.

 
Quem busca um ponto de luz em meio a escuridão
E conduz a sua cruz sem promover as maldições
Merece ser contemplado com o cajado de Moisés
E quando estiver cansado ter beijado os seus pés.

A vida sofre revezes que muitas vezes nos assusta
Mas só sabe o quanto custa não conseguir atracar
Onde sonhamos chegarmos por erratas absolutas
Que alongam os caminhos parecendo que encurtam.

A natureza é astuta e nos consome sem perdão
Se a vida é uma consulta não a adiemos então
E digamos ao nosso médico das nossas fadigações.

Então sejamos curados pelo Deus que tudo pode
Pois nesta crosta terrestre passeiam os Asteroides
Se acaso abalroarem-se o mundo todo explode.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/brudVVxvDUU

PUBLICADO NO FACE EM, 28/03/2020
LUSO POEMAS, 28/09/2020
Miguel Jacó
Enviado por Miguel Jacó em 28/03/2020
Código do texto: T6900027
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
QUEM BUSCA UM PONTO DE LUZ.

NOVA LENHA A SER QUEIMADA.

 
Nos romances as práticas nunca convergem,
Com os muitos sonhos da pessoa enamorada,
Pois novos valores a cada dia a vida elege,
A nossa alma vai se fazendo tão machucada.

Mesmo assim te aconselho não te entregues,
Buscas em ti uma nova lenha a ser queimada,
Nos romances as práticas nunca convergem,
Com os muitos sonhos da pessoa enamorada.

Em cada escrito colocamos nossas digitais,
Mas não se obriga a gostarem do que lêem
Mas certamente alguns se identificam mais,
Outros toleram e intimamente nos divergem,
Nos romances as práticas nunca convergem.

Enviado por Miguel Jacó em 16/02/2017
Código do texto: T5914266
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
NOVA LENHA A SER QUEIMADA.

TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

 
Sinto no teu coração,
Um pulsar arrasador,
Te peço por devoção,
Conceda-me teu calor.

O amor é traiçoeiro,
O sorriso tem delírios,
A paixão é um bueiro,
Abriga todo cinismo.

Cada verso que produzo,
Tem a marca do meu ser,
Mas eu quero lhe dizer,
O mundo é meio recluso.

O paraíso é falácia
Fonte de pecado vil,
O nosso Deus exigiu,
Que logo fosse fechado.

O silencio alardeia,
O que tiver a ser dito,
Esta vida é uma teia,
E o amor é maldito.

A verdade vem a tona,
A poesia é reversa,
O amor não quer carona,
A mentira o dilacera.

Tua beleza enigmática,
Unida a um canto belo,
É como fosse o nosso elo,
Peça chave da mandala.

Conceda-me um beijo teu,
Quero tirar o teu batom,
Para mostrar como é bom,
Os lábios que Deus te deu.

Teu sorriso inunda o mundo,
Tua boca me assedia,
Minhas noites são vazias,
Pois não sinto teu perfume.

Teus cabelos cacheados,
Mechem com o meu fetiche,
Sonho contigo acordado,
É farta a tua meiguice.

Enviado por Miguel Jacó em 07/01/2015
Código do texto: T5093590
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

QUANTAS SÃO AS DECEPÇÕES.

 
Enquanto o mundo está pequeno para o tal coronavirus
E muita gente morrendo dando seus últimos suspiros
Uma fração da humanidade aproveita desta calamidade
Para ficarem bem de vida desprezando a mortandade.

Não importam as cidades se grandes ou mais contidas
Comportam sempre abutres que ligam pouco pra vida
Enquanto o mundo está pequeno para o tal coronavirus
E muita gente morrendo dando seus últimos suspiros.

Quantas são as decepções que temos com raça humana
Entra ano e sai ano nada se modifica continua o desengano
Pois nós pagamos para crermos e continuamos a vermos
Pessoas se massacrando por conta do individualismo
Enquanto o mundo está pequeno para o tal coronavirus.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/brudVVxvDUU
MJ.

Enviado por Miguel Jacó em 23/03/2020
Código do texto: T6895101
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
QUANTAS SÃO AS DECEPÇÕES.

TEU PASSO ME DESCONCERTA.

 
Teu passo me desconcerta eu perco a concentração,
O teu desejo me flecha dispara o meu coração,
Quando avisto as tuas coxas,
Comparo com a de outras moças,
Me perco na imensidão, entre tantas que eu já vi,
Nunca antes padeci dum sufoco parecido,
O dançarino tem regras, mas nesta total entrega,
Que te dedicas a mim teus tornozelos e seios,
E vez por outras os pentelho, assediam minhas vistas,
É demais a comoção nem sei medir a sedução,
Que o teu corpo me exala, é certo que minha voz cala,
Para não te agredir dizendo muitas sandices,
Que só cabem na paixão e não é o nosso caso,
Sou apenas o teu par neste concurso de tango,
Mas levo um sentir maior para debaixo do lençol,
Lá em meu quarto recluso como esta vida é confusa,
Me sinto diminuído na dança sou teu novelo,
Mas não conquistei a ti,te destes a um forasteiro,
Pois este chegou primeiro onde só agora eu vi,
Que não és só dançarina, mas do amor uma inquilina,
Um diamante lapidado, que o meu sentimento bruto,
Te deixou de mim oculta por um tempo demasiado.

Enviado por Miguel Jacó em 13/02/2017
Código do texto: T5910848
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEU PASSO ME DESCONCERTA.

NAS PEQUENAS ILHAS DO OCEANO.

 
Na selva um canto aguerrido entoado pelas maritacas,
E os macacos Babuínos pulando de galho em galho,
Vez por outra escutamos um coral não definido,
Pois entre os sabiás rolam também outros ruídos.

Nas pequenas ilhas do oceano a vida se faz em cascata,
Nas águas homens pescando naqueles pequenos barcos.
Na selva o canto aguerrido entoado pelas maritacas,
E os macacos Babuínos pulando de galho em galho.

No horizonte o vermelhão é o arrebol do amanhecer,
Na cidade há uma ebulição é o Fluminense a se mexer,
Mais um dia está começando é preciso lutar pra viver,
Se minoria anda roubando a maioria é ordeira e sensata,
Na selva um canto aguerrido entoado pelas maritacas.

Enviado por Miguel Jacó em 18/01/2017
Reeditado em 18/01/2017
Código do texto: T5885920
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
NAS PEQUENAS ILHAS DO OCEANO.

A VIDA HÁ DE SER SEMPRE RESPEITADA.

 
INDRISO

A vida há de ser sempre respeitada,
Não importa se humana ou animal,
Esta é fração de Deus representada.

Maltratar-se animal é condenável,
Desrespeita-se ao supremo criador,
Faz do homem um elemento execrável.

O vegetal também requer o nosso calor.

Como é sublime acariciarmos a uma flor.

Enviado por Miguel Jacó em 14/02/2017
Reeditado em 14/02/2017
Código do texto: T5912210
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
A VIDA HÁ DE SER SEMPRE RESPEITADA.

O CONVÍVIO SOCIAL

 
Pode ser bem construtivo,
Só depende dos motivos que movem os integrantes,
Comparando a todo instante as suas necessidades,
E praticando a bondade de fazer em prol do outro,
Mesmo que gastando esforços n'aquilo que lhe fariam,
De espontânea vontade num ato de caridade
Atendendo as carências,
Que nos deixam na eminência de uma vida sofrida,
Se não formos socorridos por toda a comunidade.
Mas se estivermos atentos ao nosso dia a dia,
Seguindo a filosofia da bondade gratuita,
Onde a pessoa aflita possa ter com quem contar,
Mesmo sem poder pagar da forma habitual,
Mais o lado espiritual deste beneficiário pode ser o relicário,
Daquele que o ajudou,
Que antes não se habilitou a socorrer a alguém,
Que não pudesse também lhe fazer algo em troca,
Só agora ele se toca do outro lado da coisa.
Não pode o homem viver sem os bens matérias,
A cada dia se faz necessário a existência,
De produtos adequados para ser alimentado,
E também pra moradia em uma vida sadia,
Deve haver um equilíbrio desprovido de ganância,
Pois a grande esperança do criador do universo,
É que todo este processo de egoísmo profundo,
Que vem assolando o mundo,
Esteja se esgotando e povo procurando,
A minimizar o mal, com o convívio social.

Miguel Jacó
 
O CONVÍVIO SOCIAL

HOJE É O DIA DA TERRA.

 
Hoje é o dia da terra isto me causa estranheza
As coisas da natureza não podem ser classificadas
Como algo a ser venerado em um dia durante o ano
No mais o seu abandono nos causa muita tristeza.

As águas e as correntezas precisam serem cuidadas
E as floretas padecem de profundas incertezas
Hoje é o dia da terra isto me causa estranheza
As coisas da natureza não podem ser classificadas.

As aves e as suas belezas estão desaparecendo
Os leopardos morrendo e a extinção dos elefantes
Os nossos Rinocerontes também desaparecendo
Só o homem não está vendo a sua real torpeza
Hoje é o dia da terra isto me causa estranheza.

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/KtC_xhSKuPA

Miguel Jacó
Enviado por Miguel Jacó em 22/04/2020
Código do texto: T6925136
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
HOJE É O DIA DA TERRA.

QUEM NÃO OLHA NO FUTURO.

 
Do amor expresso na areia não se pode duvidar
Demonstrações duma sereia há que se acreditar
Pois estas fadas do mar não agem de brincadeira
Mais brilhante que estrelas no céu a alumiarem.

Quem desconhece dos fatos desacreditam do tom
Não saboreiam ao bom às vezes ficam sem norte
E procuram dedicarem tudo a uma falta de sorte
Mas na verdade padecem de um hiato da morte.

Quem não olha no futuro enquanto vive o agora
Não permeia sua estória com os atos redundantes
Logram derrotas constantes aos erros se devotam.

Cada ser neste universo tem seu lugar garantido
Mas pode haver reversos diante do postulado
O transeunte desatento que pode ser atropelado

Usuários do Youtube
vossas condutas me fascinam
antes de virar a esquina
terei mais de mil inscritos
é disto que necessito
para fazer transmissões ao vivo
https://youtu.be/Hdv0pE-9Ces

Enviado por Miguel Jacó em 25/02/2020
Código do texto: T6874212
Classificação de conteúdo: seguro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
QUEM NÃO OLHA NO FUTURO.

O VAZIO ME PERSEGUE.

 
Movido pela apatia,
Minha vida é inerte,
Busco na filosofia,
O ar que me diverte

De amor nada entendo,
Do ódio eu abdico,
É a vida me corroendo,
Mas continuo pacífico.

Escrevo minha fadiga,
Busco não lembrar dela,
Já me deu as alegrias,
Mas agora me flagela.

Vai morder bunda de outro,
Ou chupim sem qualidade,
Hoje se quer tomei banho,
Mas te presto caridade.

Cada dia uma tormenta,
Instaura-se a calamidade,
Mas a vida que afugenta,
É movida por saudades.

Ser poeta é vir aqui,
Poder te cumprimentar,
Por ter escrito tão bem,
Algo a me representar.

Cada dia mais distante,
Sem a mínima condição,
Minha alma pede tanto,
Pelo teu nobre coração.

Tua voz já me ecoa,
Falar-me nem necessita,
Como patos na lagoa,
Nossas almas se visitam.

Em primavera florida,
A vida tem seu encanto,
Cada palmo da avenida,
Ah de receber meu pranto.

O vazio me persegue,
Preciso ser afagado,
Quando a ti me entrego,
Desejo ser abraçado.

Enviado por Miguel Jacó em 07/11/2014
Código do texto: T5026469
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O VAZIO ME PERSEGUE.

A LUZ DO INTENSO AMOR

 
Quando teu brilho transferiu-se para mim,
Constatou-se uma fusão em nossos corpos,
Nossas partículas fecundam o mesmo jardim,
E a intensa luz deste amor já fica forte.

Nem sempre é fácil perceber-te tão bondosa,
Te postas ressentida dos desejos represados,
As tuas faces estas assemelham a rubra rosa,
Em uma noite de luar destas bem orvalhadas.

Eu te faço juras de caricias sem cumpri-las,
Te alongo o clamor dos mistérios devotados
Este nosso caso a cada vez fica mais sádico.

Nos tornamos vitimas das nossas arrogâncias,
Visto que cada um já tem seu ego construído,
Por muitas vezes isto parece sem sentido.

Enviado por Miguel Jacó em 06/12/2010
Reeditado em 10/12/2014
Código do texto: T2655959
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
A LUZ DO INTENSO AMOR

ESTES GATINHOS MIMOSOS.

 
CORDEL:

Estes gatinhos mimosos,
Me fazem lembrar teu ser,
Porque és linda e charmosa,
Hei de sonhar com você,
Quero beijar tua boca,
Depois acordar pra ver.

Vamos tomar este vinho,
Usando a mesma taça,
Quero sentir o teu gosto,
Pois tu és minha cachaça,
Me deixe tocar teu corpo,
Mesmo sendo moça casta.

Morar em teu coração,
Pra mim é um privilégio,
Me causa um certo tesão,
Me tira sempre do tédio,
Adoro a vossa missão,
Meu coração te carrega.

Quando você me abraça,
Meu coração vai a mil,
Minha mente embaraça,
Minha libido vai ao cio,
Chego a sentir um arrepio,
Ao tocar o teu quadril.

Um café com chantili,
Confetes de chocolates,
E estas rosas amarelas,
Contendo um lindo laço,
E eu desejando á ti,
São estes os belos fatos.

Eu vou sonhar com teu colo,
Porque tens uns lindos seios,
Infelizmente eu me acordo,
E ao meu lado não te vejo,
Com isto já não concordo,
Só aumentam meus desejos.

Me deixas mais curioso,
Com um decote mais cavado,
Eu quero ver mas não posso,
Os teus seios bem talhados,
Mas os teus cabelos lindos,
Também me deixam tarados.

Com este olhar assustado,
Me fazes frear um pouco,
Tu sempre me deixas loco,
Mas já estou controlado,
Quando me digo tarado,
Não passa de um arroubo.

Te desejo desde sempre,
Não posso te conquistar,
Porque tu dizes pra mim,
Que nunca soube me amar,
Mas vai ser gostosa assim,
Lá no Belém do Pará.

Me conformo com o fato,
Vou tocando minha vida,
Pra mim você é uma gata,
Razão do meu existir,
Se um mudar de ideia,
Estou te esperando aqui.

Enviado por Miguel Jacó em 21/05/2016
Código do texto: T5641904
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ESTES GATINHOS MIMOSOS.

Miguel Jacó