Poemas, frases e mensagens de Migueljaco

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Migueljaco

Miguel Jacó

Natural de Araripina PE.
Casado, 60 anos de idade.
Aposentado da área de telecomunicações.
Atualmente ocupa-se: dos afazeres de casa,
e das composições poéticas.
Radicado em Taubaté SP desde 1987.
Adepto de boas leituras.

TEU PASSO ME DESCONCERTA.

 
Teu passo me desconcerta eu perco a concentração,
O teu desejo me flecha dispara o meu coração,
Quando avisto as tuas coxas,
Comparo com a de outras moças,
Me perco na imensidão, entre tantas que eu já vi,
Nunca antes padeci dum sufoco parecido,
O dançarino tem regras, mas nesta total entrega,
Que te dedicas a mim teus tornozelos e seios,
E vez por outras os pentelho, assediam minhas vistas,
É demais a comoção nem sei medir a sedução,
Que o teu corpo me exala, é certo que minha voz cala,
Para não te agredir dizendo muitas sandices,
Que só cabem na paixão e não é o nosso caso,
Sou apenas o teu par neste concurso de tango,
Mas levo um sentir maior para debaixo do lençol,
Lá em meu quarto recluso como esta vida é confusa,
Me sinto diminuído na dança sou teu novelo,
Mas não conquistei a ti,te destes a um forasteiro,
Pois este chegou primeiro onde só agora eu vi,
Que não és só dançarina, mas do amor uma inquilina,
Um diamante lapidado, que o meu sentimento bruto,
Te deixou de mim oculta por um tempo demasiado.

Enviado por Miguel Jacó em 13/02/2017
Código do texto: T5910848
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEU PASSO ME DESCONCERTA.

A MINHA TARDE.

 
"Nos afetos, o que se promete no auge do querer, não se sustenta no pico das discórdias".
MJ.

A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha,
Que em meu quintal se fazia tão despojada,
Dando a entender que não era nada minha.

De vez enquanto eu dava minha cochilada,
E acordava por qual razão tu me adivinhas
A minha tarde neste meu quarto solitário,
Foi Recenseada pelo canto de uma rolinha.

Andei sonhando com uma ilha encantada,
Mas sua beleza era bem parca e mesquinha,
Tive um insite de encontrar uma namorada,
E nada disto confirmou-se foi bem lendário,
A minha tarde neste meu quarto solitário.

Enviado por Miguel Jacó em 07/04/2015
Código do texto: T5198254
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
A MINHA TARDE.

MULHERES SOPROS DE VIDAS.

 
A mulher que deu a luz ao enviado de Deus,
E carregou a sua cruz por ter trazido um judeu,
Para cumprir as missões designadas por Deus,
E continua sofrendo por atos que não cometeu.

Quanta descriminação inda nos dias atuais,
Por cega competição que sempre piora mais,
Para iludir a todas se cria o dia internacional,
E ao reverenciá-las quanta desfaçatez se faz.

Parido por uma delas a mulher me causa encanto,
Quando falo vou ao pranto não vejo nada mais bela,
Por quanto eu reverencio a estas almas tão singelas.

Desejo a felicidade que lhes tragam um sorriso,
Que alcancem ao paraíso vendo seus filhos criados,
E com eles aconchegados mulheres sopros de vidas.

Miguel Jacó
Enviado por Miguel Jacó em 06/03/2017
Reeditado em 08/03/2017
Código do texto: T5932961
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
MULHERES SOPROS DE VIDAS.

AMPLA CUMPLICIDADE.

 
Tenho visto discursos sobre o amor,
Porem nunca assim tão abrangente,
Quase todos relatando imensa dor,
Dando ênfase ao eterno sofrimento.

Para amar temos que antes aprender,
A sermos só sem de outrem depender,
Desta forma é que iremos entender,
Que ser feliz é um exercício do saber.

A relação cabe apenas os sentimentos,
Redundando em ampla cumplicidade,
Sem cobranças e muita espontaneidade.

Quando livres as pessoas se atraem,
Como fossem uma força construtiva,
Se amando, e desejando sempre mais.

Enviado por Miguel Jacó em 07/06/2010
Reeditado em 03/03/2017
Código do texto: T2304409
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
AMPLA CUMPLICIDADE.

O VAZIO ME PERSEGUE.

 
Movido pela apatia,
Minha vida é inerte,
Busco na filosofia,
O ar que me diverte

De amor nada entendo,
Do ódio eu abdico,
É a vida me corroendo,
Mas continuo pacífico.

Escrevo minha fadiga,
Busco não lembrar dela,
Já me deu as alegrias,
Mas agora me flagela.

Vai morder bunda de outro,
Ou chupim sem qualidade,
Hoje se quer tomei banho,
Mas te presto caridade.

Cada dia uma tormenta,
Instaura-se a calamidade,
Mas a vida que afugenta,
É movida por saudades.

Ser poeta é vir aqui,
Poder te cumprimentar,
Por ter escrito tão bem,
Algo a me representar.

Cada dia mais distante,
Sem a mínima condição,
Minha alma pede tanto,
Pelo teu nobre coração.

Tua voz já me ecoa,
Falar-me nem necessita,
Como patos na lagoa,
Nossas almas se visitam.

Em primavera florida,
A vida tem seu encanto,
Cada palmo da avenida,
Ah de receber meu pranto.

O vazio me persegue,
Preciso ser afagado,
Quando a ti me entrego,
Desejo ser abraçado.

Enviado por Miguel Jacó em 07/11/2014
Código do texto: T5026469
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O VAZIO ME PERSEGUE.

A LUZ DO INTENSO AMOR

 
Quando teu brilho transferiu-se para mim,
Constatou-se uma fusão em nossos corpos,
Nossas partículas fecundam o mesmo jardim,
E a intensa luz deste amor já fica forte.

Nem sempre é fácil perceber-te tão bondosa,
Te postas ressentida dos desejos represados,
As tuas faces estas assemelham a rubra rosa,
Em uma noite de luar destas bem orvalhadas.

Eu te faço juras de caricias sem cumpri-las,
Te alongo o clamor dos mistérios devotados
Este nosso caso a cada vez fica mais sádico.

Nos tornamos vitimas das nossas arrogâncias,
Visto que cada um já tem seu ego construído,
Por muitas vezes isto parece sem sentido.

Enviado por Miguel Jacó em 06/12/2010
Reeditado em 10/12/2014
Código do texto: T2655959
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
A LUZ DO INTENSO AMOR

ESTES GATINHOS MIMOSOS.

 
CORDEL:

Estes gatinhos mimosos,
Me fazem lembrar teu ser,
Porque és linda e charmosa,
Hei de sonhar com você,
Quero beijar tua boca,
Depois acordar pra ver.

Vamos tomar este vinho,
Usando a mesma taça,
Quero sentir o teu gosto,
Pois tu és minha cachaça,
Me deixe tocar teu corpo,
Mesmo sendo moça casta.

Morar em teu coração,
Pra mim é um privilégio,
Me causa um certo tesão,
Me tira sempre do tédio,
Adoro a vossa missão,
Meu coração te carrega.

Quando você me abraça,
Meu coração vai a mil,
Minha mente embaraça,
Minha libido vai ao cio,
Chego a sentir um arrepio,
Ao tocar o teu quadril.

Um café com chantili,
Confetes de chocolates,
E estas rosas amarelas,
Contendo um lindo laço,
E eu desejando á ti,
São estes os belos fatos.

Eu vou sonhar com teu colo,
Porque tens uns lindos seios,
Infelizmente eu me acordo,
E ao meu lado não te vejo,
Com isto já não concordo,
Só aumentam meus desejos.

Me deixas mais curioso,
Com um decote mais cavado,
Eu quero ver mas não posso,
Os teus seios bem talhados,
Mas os teus cabelos lindos,
Também me deixam tarados.

Com este olhar assustado,
Me fazes frear um pouco,
Tu sempre me deixas loco,
Mas já estou controlado,
Quando me digo tarado,
Não passa de um arroubo.

Te desejo desde sempre,
Não posso te conquistar,
Porque tu dizes pra mim,
Que nunca soube me amar,
Mas vai ser gostosa assim,
Lá no Belém do Pará.

Me conformo com o fato,
Vou tocando minha vida,
Pra mim você é uma gata,
Razão do meu existir,
Se um mudar de ideia,
Estou te esperando aqui.

Enviado por Miguel Jacó em 21/05/2016
Código do texto: T5641904
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ESTES GATINHOS MIMOSOS.

AÇÃO DE GRAÇAS

 
Esta vida tão complexa varia de intensidade,
Com tanta incapacidade deixamos de ser feliz,
Durante nossa existência é tudo o que se quis,
Mantemos a esperança de lograr praticidades.

Imagina-se o milagre do dia de ação de graças,
Onde tudo se rechaça e vive-se o que sonhou,
O que não se conquistou durante toda falácea,
Agora em um dia só receberemos com louvor.

Apagando toda a dor dos desencontras contidos,
E assim tão bem renascido na clareza do amor,
Pronto para retornarmos ao mundo do senhor.

Nem todos temos à graça,de nos refazer a tempo,
De voltar à divindade congraçando os elementos,
Da vida material trazendo os seus merecimentos.

Enviado por Miguel Jacó em 18/12/2009
Reeditado em 03/10/2014
Código do texto: T1983941
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
 
AÇÃO DE GRAÇAS

O HOMEM PERDEU O SENSO.

 
O homem perdeu o senso da sua fração Divina,
Com uma face assassina abate a muitas vidas,
Por questões não resolvidas oriundas da ganância,
Chegamos a uma instância que extrapola ao ser humano,
Nos tornamos uns tiranos na disputa pelo poder,
Tudo podemos fazermos para livrar nossa cara,
A honestidade é coisa rara nestes tempos duvidosos,
Estamos todos receosos do que virá pela frente,
Não se confia no bicho gente e as razões são diversas,
As atitudes perversas norteia nosso proceder,
Se faz urgente revermos a razão das nossas vidas,
Ou abriremos feridas que não cicatrizam mais,
Nos males que aqui se faz todos devolvem cobranças,
Na matança das crianças por tantas balas perdidas,
Somamos tamanha dívida com o poder universal,
Que nem um caminhão de sal nos limpa este agouro,
Pois não se paga o choro de uma mãe órfã de um filho,
E perdemos o nosso brilho nestas veredas letais,
Somos o pior dos animais em nosso sopro de vida.

Enviado por Miguel Jacó em 01/02/2017
Código do texto: T5899330
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
O HOMEM PERDEU O SENSO.

ABANDONEI O MEU SER.

 
Abandonei o meu ser, o deixei pedindo esmolas,
E este encheu suas sacolas, desde o dia em que te encontrou,
Fostes bondosa com ele, o levastes ao teu abrigo,
Lhe mostrou o teu umbigo, e disse-o se quiseres mais,
Lembre-se que estais a míngua, me dê um beijo de língua,
E te apossarás dos meus canais.
Ao sair lembro das palavras, sussurradas por tua boca,
Com uma voz quase rouca, me dissestes até breve,
Confesso eu cuspi no chão e consolei o meu coração,
Dizendo ela volta já, é o tempo do cuspe secar,
Algumas décadas se passaram meus olhos já esgotaram,
As lágrimas de esperanças, e tu não voltou ainda,
Mas meu querer não se finda, pois viverás em minhas lembranças.
Volte um dia se quiser, e serás a minha mulher, fonte de novas
Esperanças.

Enviado por Miguel Jacó em 06/01/2015
Código do texto: T5092489
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ABANDONEI O MEU SER.

NAS PEQUENAS ILHAS DO OCEANO.

 
Na selva um canto aguerrido entoado pelas maritacas,
E os macacos Babuínos pulando de galho em galho,
Vez por outra escutamos um coral não definido,
Pois entre os sabiás rolam também outros ruídos.

Nas pequenas ilhas do oceano a vida se faz em cascata,
Nas águas homens pescando naqueles pequenos barcos.
Na selva o canto aguerrido entoado pelas maritacas,
E os macacos Babuínos pulando de galho em galho.

No horizonte o vermelhão é o arrebol do amanhecer,
Na cidade há uma ebulição é o Fluminense a se mexer,
Mais um dia está começando é preciso lutar pra viver,
Se minoria anda roubando a maioria é ordeira e sensata,
Na selva um canto aguerrido entoado pelas maritacas.

Enviado por Miguel Jacó em 18/01/2017
Reeditado em 18/01/2017
Código do texto: T5885920
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
NAS PEQUENAS ILHAS DO OCEANO.

A VIDA HÁ DE SER SEMPRE RESPEITADA.

 
INDRISO

A vida há de ser sempre respeitada,
Não importa se humana ou animal,
Esta é fração de Deus representada.

Maltratar-se animal é condenável,
Desrespeita-se ao supremo criador,
Faz do homem um elemento execrável.

O vegetal também requer o nosso calor.

Como é sublime acariciarmos a uma flor.

Enviado por Miguel Jacó em 14/02/2017
Reeditado em 14/02/2017
Código do texto: T5912210
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
A VIDA HÁ DE SER SEMPRE RESPEITADA.

O CONVÍVIO SOCIAL

 
Pode ser bem construtivo,
Só depende dos motivos que movem os integrantes,
Comparando a todo instante as suas necessidades,
E praticando a bondade de fazer em prol do outro,
Mesmo que gastando esforços n'aquilo que lhe fariam,
De espontânea vontade num ato de caridade
Atendendo as carências,
Que nos deixam na eminência de uma vida sofrida,
Se não formos socorridos por toda a comunidade.
Mas se estivermos atentos ao nosso dia a dia,
Seguindo a filosofia da bondade gratuita,
Onde a pessoa aflita possa ter com quem contar,
Mesmo sem poder pagar da forma habitual,
Mais o lado espiritual deste beneficiário pode ser o relicário,
Daquele que o ajudou,
Que antes não se habilitou a socorrer a alguém,
Que não pudesse também lhe fazer algo em troca,
Só agora ele se toca do outro lado da coisa.
Não pode o homem viver sem os bens matérias,
A cada dia se faz necessário a existência,
De produtos adequados para ser alimentado,
E também pra moradia em uma vida sadia,
Deve haver um equilíbrio desprovido de ganância,
Pois a grande esperança do criador do universo,
É que todo este processo de egoísmo profundo,
Que vem assolando o mundo,
Esteja se esgotando e povo procurando,
A minimizar o mal, com o convívio social.

Miguel Jacó
 
O CONVÍVIO SOCIAL

TRIBUTO AO AMOR.

 
Tua mente esta fazendo confusão
Minha ausência não é o propósito meu,
É preciso que tu abras o coração,
Para depois sentires os traços meus,
Sou apenas um formato energético,
Que inebria a quem seja condutor,
Das premissas que precisa praticar,
Para ser digno da conduta do amor,
Me confundem com sentimentos diversos,
Mas sou puro e até inigualável,
Onde eu esteja o rancor é deplorável,
Pois minhas forças o vencem com fervor,
Mas são constantes as inversões de valores,
Quando se matam em meu nome,
Me comprometem tirando meu valor,
Mas acredite eu estive sempre contigo,
Somente agora percebeste meu calor,
Já estais pronta para exercitar o amor.
 
TRIBUTO AO AMOR.

PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

 
PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

CONTENDAS DE UM ANIVERSÁRIANTE.

Aos 19 de agosto alheio ao meu gosto
Faço 58 anos, tormentas e desenganos,
Neste mundo de promessas e devaneios
Profanos, foi assim que vim remando,
Na busca do prazer suposto, a cada dia
Um desgosto, os prazeres são minguados,
Mas já estou acostumado, a não ser mero
Sonhador, pois das promessas do amor,
Eu já me fiz um desligado, me sinto um
Sentenciado, a viver o que não pedi, porem
O mandato emana de um ser superior,
Que de ninguém acatou, nem uma ordem
Contrário, sigo então conforme as regras,
E assim farei minha entrega, no dia em que
For chamado, da vida não levo nada,
Pois fui um mero ambulante, um agrimensor
Dos instantes, tantos deles agoniados,
Em alguns poucos sorrindo, e nem por
Decreto fingindo, isto não perfaz minha alma,
Quero voltar as origens, como um espírito
Virgem que não fora viciado, com os desmandos
Do mundo, um saco enorme sem fundo,
No qual vive a humanidade.
(Miguel Jacó)

Hoje estou aqui para te desejar mil felicidades,
Desejo que esse dia seja de muitas alegrias,
Que você realize todos os seus desejos,
Que seus sonhos se transformem em realidades.

Que essa data se repita por muitos anos,
Com muita paz e saúde,
Que Deus continue te abençoando,
Feliz aniversário, amigo Miguel Jacó!

Fonte: http://www.luso-poemas.net/modules/mycomments/#ixzz3AtniQm7Z

Muito obrigado, Uma Mulher Um Poema. por estas calorosas palavras em deferências a este mero aniversariante, diante de tanto me sinto confortado em corpo e alma, um forte abraço, MJ.
 
PARABÉNS MIGUEL JACÓ PELOS 58 ANOS COMPLETADOS NESTE DIA 19/08/14

TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

 
Sinto no teu coração,
Um pulsar arrasador,
Te peço por devoção,
Conceda-me teu calor.

O amor é traiçoeiro,
O sorriso tem delírios,
A paixão é um bueiro,
Abriga todo cinismo.

Cada verso que produzo,
Tem a marca do meu ser,
Mas eu quero lhe dizer,
O mundo é meio recluso.

O paraíso é falácia
Fonte de pecado vil,
O nosso Deus exigiu,
Que logo fosse fechado.

O silencio alardeia,
O que tiver a ser dito,
Esta vida é uma teia,
E o amor é maldito.

A verdade vem a tona,
A poesia é reversa,
O amor não quer carona,
A mentira o dilacera.

Tua beleza enigmática,
Unida a um canto belo,
É como fosse o nosso elo,
Peça chave da mandala.

Conceda-me um beijo teu,
Quero tirar o teu batom,
Para mostrar como é bom,
Os lábios que Deus te deu.

Teu sorriso inunda o mundo,
Tua boca me assedia,
Minhas noites são vazias,
Pois não sinto teu perfume.

Teus cabelos cacheados,
Mechem com o meu fetiche,
Sonho contigo acordado,
É farta a tua meiguice.

Enviado por Miguel Jacó em 07/01/2015
Código do texto: T5093590
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEU SORRISO INUNDA O MUNDO.

ASSASSINATOS EM SÉRIE.

 
"Quando o governo não tem pudores, a sociedade não se inibe em promover seus horrores"
MJ.

Assassinatos em série um defunto a cada instante,
Lojas sendo saqueadas os desmandos constantes,
Tem sido assim as rotinas a nos encher as retinas,
No estado do Espírito Santo quantos desatinos.

Governos juntam forças bandidos somam poderes,
Moradores vão pra forca não há nada a fazer-se,
Os policiais em greve é quem vão pagar a conta,
Pelos bandidos que aprontam crimes de torpeza.

Serão muitas injustiças que veremos neste mote,
Porem quantos inocentes já condenados a morte,
As esposas dos PM,s amargarão falta de sorte.

Reajuste não prosperam punições serão severas,
Como vão sobreviverem dentro desta atmosfera,
A sociedade Capixaba em coro já se desespera.

Enviado por Miguel Jacó em 10/02/2017
Código do texto: T5908627
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
ASSASSINATOS EM SÉRIE.

EU NÃO SEI MAIS NAMORAR.

 
“O amor por conveniência, pode nos ser mais danoso do que o ódio por desavenças”

Eu não sei mas namorar sobrevivo de apatias,
Me sobram fantasias e sonhos de implementar,
E me pego a imaginar como que a gente fazia,
Nas mais intensas agonias antes da gente trepar.

Sei que a vida continua, apesar do meu marasmo,
Não tenho como culpa tua nem adoto o sarcasmo,
Porem desejo meu direito de me fazer satisfeito,
Colhendo noutro jardim inda que murchos cravos.

Que o amor de mim distante se aposse deste mundo,
E embeveça aos casais de sentimentos profundos,
Levando bons alentos aos namorados latifúndios.

Não sou mais um consumista presente nem pensar,
Desbanquei todo este mundo prefiro nem namorar,
Desejo a humanidade, o poder pra se transformar.

Enviado por Miguel Jacó em 12/06/2015
Reeditado em 12/06/2015
Código do texto: T5274210
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
EU NÃO SEI MAIS NAMORAR.

TEUS LÁBIOS TOCANDO A FLOR

 
Teus lábios tocando a flor,
É como beijasse aos meus,
Nem sei como é que estou,
Desejando os lábios teus,
Mas a distância é infinda,
Preciso apelar pra Deus!.

Me deixa ver teus semblantes,
Preciso entender o teu ser,
Não sois mas como era antes,
Isto eu já pude entender,
Estas tuas faces rosadas,
Pouco me faz compreender-te.

Ó mulher bonita e simpática,
Tens charme pra dar e vender,
Mas quero provar na prática,
Como é ficar com você,
E varar uma noite te amando,
Fazendo você gemer,
E com meus olhos brilhando,
Escutar você dizer-me,
Entras em mim novamente,
E então me faça esmorecer.

Enviado por Miguel Jacó em 03/08/2014
Código do texto: T4907746
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
TEUS LÁBIOS TOCANDO A FLOR

POR OBRA DE DEUS.

 
"As palavras carregam o bálsamo da restauração, e o fogo da maldição, a depender das circunstâncias em que sejam pronunciadas".
MJ.

No meu colchão de palha rústico, estendido ao chão batido,
Por um tempo muito curto, fomos mulher e marido,
Não te faltava aconchego, pois desposavas do meu corpo,
Macio cheirando a leite, dizendo-te palavras doces,
Te confessei o inconfessável, falei de mim mais que devia
Te ilustrei todos os medos, que desde cede eu padecia,
Tu me jurastes intenso amor, perante o sol, na luz do dia,
E quando a noite se achegava, tu em meu corpo te encostavas,
E as lindas palavras repetias,
Mas eu sentia no vento brando, que as minhas faces arrefeciam,
Que o teu discurso era fajuto, e em breve tu desaparecias,
Não me tivestes hombridade, mas fui mulher inda criança,
Te dei bem mais do que prometi, mas me roubastes as esperanças.
E desvalida recorri ao Deus maior, pedi a ele que me desse à proteção,
Que me tirasse das entranhas os desejos,
Até que um homem de verdade me desse à mão,
Fui caminhando com viseiras para o amor,
Olhando apenas para meus outros objetivos,
Até que um dia um certo homem me olhou,
Me acenou como quem diz me espere um pouco,
Foi ao canteiro florido da praça pública,
E sorridente veio me ofertar uma flor,
Pediu desculpas pelo ato destrutivo,
Que havia causado aquela solícita flor,
As minhas lágrimas desceram em biqueiras,
O dito moço perguntou-me se me ofendeu,
Lhe respondi com um abraço apertado,
Desde então somos um só por obra de Deus.

Enviado por Miguel Jacó em 02/04/2015
Código do texto: T5192381
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
POR OBRA DE DEUS.

Miguel Jacó